Por que Trump ganhou?

O inesperado (para pesquisadores e analistas) triunfo do candidato republicano Donald Trump, expressa um profundo mal-estar social que se traduziu em milhões de votos “castigo” contra o “establishment” da principal potência imperialista do mundo, contra Hillary Clinton e o fracasso da mentira daquele “sim, nós podemos” de Obama.


Por Miguel Lamas, dirigente da UIT-CI


 

Ainda que praticamente empatados, com uma pequena vantagem de votos para Clinton (59.600.00) contra Trump (59.390.000), o sistema indireto escolhe os delegados (quem ganha em cada estado leva todos os delegados desse Estado). Por isso Trump, obtendo mais delegados, ganhou.

O novo presidente, um magnata dono de cassinos e imobiliárias, recebeu dos milionários que financiam as campanhas bem menos dinheiro que Hillary Clinton.

Trump falou demagogicamente contra a “globalização”, que iria trazer de volta as fábricas que as multinacionais levaram para China e outros países e também falou contra o livre comércio. Bateu em coisas sentidas por milhões de trabalhadores desempregados.

Crise no império

“O que mostra a campanha eleitoral é um corpo social em crise como consequência de uma política que concentrou o poder e a renda em 1% da população… Agora o consumo de heroína afeta o cinturão industrial do país onde fecharam centenas de fábricas e bairros inteiros ficaram abandonados. De acordo com dados oficiais os salários baixaram 17% entre os mais pobres e 10% nas classes médias” (nota Raúl Zibechi em Sputniknews.com). Mas, os lucros do 1% mais ricos cresceram 156% (Harvard Gazete, 01/02/2016). A mortandade entre os mais pobres é similar à do Sudão ou Paquistão.

O historicamente chamado “sonho americano” (quer dizer a oportunidade do progresso social) virou um pesadelo para milhões de pessoas que perderam sua casa pela hipoteca e em muitos casos suas aposentadorias. E para milhões de jovens que somente conseguem trabalhos precários e devem viver com seus pais porque não podem comprar nenhuma moradia. Enquanto Obama resgatou os bancos e as automotrizes, não resgatou os milhões que perderam emprego, casa, saúde e/ou aposentadoria.

Crise política e social

Em grande parte, a votação por Trump e o aumento da abstenção (em 8 anos os democratas perderam 10 milhões de votos, em relação à Obama em 2008), foi um voto castigo contra o desastre que causou a crise do sistema capitalista-imperialista aberta em 2007. E um voto castigo à política econômica encabeçada por Obama nos últimos anos nos EUA e no mundo, para que a crise seja paga pelos trabalhadores e os de baixo.

Assim ficou demonstrado a falsidade do suposto “câmbio” ou mudança que havia prometido o “democrata” Obama e que muitos desde a esquerda reformista alentaram que seria um presidente ‘progressista”. Isto foi o que os votantes repudiaram, de forma errada votando em Trump ou com abstenção.

Há três meses o Washington Post indicava que 57% dos cidadãos ianques não queria nenhum dos dois candidatos. Outra pesquisa do Gallup, realizada em junho, indicava que 47% dos eleitores “poderia votar por um socialista” (entre os jovens era de 69%).

Isto significa que existe uma gigantesca crise social e política nos EUA, na cabeça do sistema imperialista mundial. Se expressa numa massa popular que começou a odiar os superbilionários que levaram a este desastre e a desacreditar nos políticos que os governam. (os Bush, Obama ou Clinton).

Também se expressou à esquerda, na prévia democrata com a candidatura de Sanders, que ainda que perdeu frente ao fraudulento aparelho democrata que fez ganhar a Clinton, obteve 13 milhões de votos. E se manifesta de forma distorcida com o equivocado voto de setores populares e operários por Trump, frente a falta de uma alternativa de esquerda; um milionário racista que também é parte do mesmo sistema e esquema.

Um fenômeno de falta de credibilidade política mundial, similar ao Brexit (a votação na Grã-Bretanha pela saída da União Europeia) ou o NÃO ao acordo com as FARC na Colômbia. Ou seja, somaram votos de trabalhadores brancos e populares à base eleitoral tradicional de direita e ultradireita do país.

O que virá

O discurso de Trump, após do triunfo, foi de forma inesperada, moderado para seu estilo. E, após felicitar sua rival Hillary Clinton, chamou à unidade de todos os americanos. Quer dizer, deixou de falar contra os ricos de Wall Street parecendo querer se dar bem com eles.

Por isso sua falsa promessa do retorno do “sonho americano”, que os postos de trabalho perdidos virão e os salários em baixa será coisa do passado, não será cumprido. E o verdadeiro rosto de Trump ficará claro rapidamente para seus eleitores. Trump é o novo chefe do imperialismo ianque e vai governar para Wall Street e as multinacionais.

O triunfo de Trump impactou o mundo e estão se fazendo todos os tipos de prognósticos apocalípticos. Certamente nada de bom poderemos esperar deste direitista, misógino e racista.

Veremos até onde vai poder aplicar sua política nos EUA e no mundo. O que é seguro é que a crise da economia capitalista-imperialista vai continuar e que, portanto, nos EUA seguirá havendo crise social e política. Por isso a perspectiva mais provável é de que, nos próximos anos, se aprofunde a crise e a luta social por salário, trabalho, saúde, educação e os direitos dos afro-americanos e hispanos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *