Repudiamos a liberdade do goleiro feminicida Bruno! Cadeia para feminicidas!

Rana Agarriberri (CST-PSOL/BH)

No dia 21 de fevereiro foi expedido pelo ministro Marco Aurélio Mello, do STF, uma liminar concedendo liberdade ao ex-goleiro Bruno, condenado por matar a ex-namorada Eliza Samudio.  Em 2013, Bruno foi condenado a 22 anos e 3 meses de prisão pelo assassinato e ocultação de cadáver de Eliza e também pelo sequestro e cárcere privado do filho. Segundo decisão, o goleiro poderá ficar em liberdade enquanto o recurso contra a condenação não é julgado.

A decisão do Supremo poucos dias antes do Dia Internacional das Mulheres Trabalhadoras é um ataque a todas nós! Segundo a ONU o Brasil é o 5º lugar no ranking de feminicidios no mundo e a cada 11 minutos uma mulher é estuprada no país. Justamente por essa realidade, agravada pela crise econômica, as mulheres se levantaram contra a violência machista, contra a cultura do estupro, pelo direito ao aborto e outras pautas, no que ficou conhecido como “Primavera Feminista”, que foi uma das grandes responsáveis pela queda de políticos corruptos como Cunha, e por levantes estudantis secundaristas e universitários. Também faz parte deste novo processo as mobilizações de trabalhadoras no Brasil, Polônia, Argentina e Estados Unidos.

Ao mesmo tempo em que Bruno era solto, mulheres faziam a distribuição do material de campanha “Carnaval sem Preconceito” da Caixa de Assistência dos Advogados do RJ (Caarj) e relataram que ouviram xingamentos, foram assediadas verbal e até fisicamente, motivo pelo qual os promotores da campanha substituíram as mulheres por homens. Neste Carnaval, a cada 3 minutos uma mulher foi assediada!

Já no dia 24 de fevereiro Poliana Betini, esposa do cantor Vitor, da dupla Vitor & Leo, registrou boletim de ocorrência alegando ter sido agredida fisicamente pelo cantor, segundo ela um segurança do cantor e a irmã dele a impediram de sair do local, mas uma vizinha ouviu os gritos e a ajudou. Dois dias após o registro do BO, Poliana voltou atrás negando que tenha sido agredida.

Casos como o de Poliana infelizmente não são exceção. Ao não terem apoio e serem culpabilizadas pela sociedade é comum que as mulheres suportem caladas as agressões.

Eliza Samudio chegou a gravar um vídeo relatando as agressões e ameaças de Bruno e nada foi feito. Para coibir a violência machista é necessário derrotar o Governo ilegítimo de Michel Temer, suspender o pagamento da Dívida Pública que destina metade do orçamento nacional para banqueiros corruptos e aumentar os recursos para o combate ao machismo e proteção às mulheres, através de uma educação pública não sexista e nem machista, que garanta delegacias de Mulheres, casas abrigo, assistência jurídica, psicológica e médica para as mulheres agredidas,  e que a justiça dê exemplos de que a violência contra Mulheres não será tolerada.

Por isso, a libertação de Bruno é tão absurda: após sequestrar, espancar, torturar e esquartejar Eliza, Bruno foi solto sem cumprir sua pena e já tem convite de times de futebol! A vida dele segue como se nada tivesse ocorrido, contribuindo com a sensação de impunidade dos agressores! Tentando surfar na onda da impunidade, o Presidente do PT, Rui Falcão, quer utilizar a soltura de Bruno para justificar a soltura de Palocci, Dirceu e Vaccari! Uma festa dos feminicidas com a negligência dos Governos e de dirigentes políticos diante da cruel realidade de violência que as mulheres trabalhadoras vivem!

Não somos seletivas!

Cadeia para feminicidas e corruptos!  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *