PSOL aprova resolução sobre aumento da violência contra população negra

Leia a resolução da Executiva Nacional do PSOL sobre o aumento da violência contra a população negra, a partir do brutal assassinato da adolescente Maria Eduarda, de 13 anos, no Rio de Janeiro. Disponível na página do PSOL.


 

RESOLUÇÃO SOBRE AUMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA A POPULAÇÃO NEGRA

O Partido Socialismo e Liberdade vem a público manifestar sua solidariedade aos familiares da adolescente Maria Eduarda, 13 anos, morta a tiros na última quinta-feira, 30 de marco, enquanto fazia aula de Educação Física na Escola Municipal Jonalista Daniel Piza, em Fazenda Botafogo, Zona Norte do Rio de Janeiro, fruto de mais uma ação desastrosa da Policia Militar. Na mesma operação foi flagrado, em vídeo amador, dois policias atirando a queima roupa em dois homens que já estavam rendidos.

Infelizmente este não é um caso isolado, as tragédias são uma realidade, principalmente das(os) moradores das comunidades e periferias, onde o estado se ausenta para garantir minimamente a cidadania e os direitos sociais como educação, saúde, saneamento, transporte, educação, porém se apresenta de forma muito contundente para garantir a ordem através do seu aparato repressor, tendo como justificativa uma guerra ao crime, uma guerra as drogas, que na prática se materializa em guerra as pessoas, aos pobres, aos negros.

O aguçamento da violência é um subproduto da crise econômica, da retirada de direitos que submete, uma grande parcela da população, há condições de sobrevivência cada vez mais degradantes. Portanto não há saída para combater a violência que não passe pela garantia de direitos e condições básicas. Esse modelo policialesco, repressor, militarizado está falido, pois além de não resolver os problemas produz a barbárie, a selvageria.

Casos como de Maria Eduarda não podem, de forma alguma, serem encarados como naturais, como estatísticas, devem ser vistos como casos exemplares da necessidade de pensar uma outro modelo civilizatório.

Executiva Nacional do PSOL
São Paulo, 1 de abril de 2017.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *