Três petroleiros morrem em explosão de caldeira na Bacia de Campos, em Macaé (RJ)

Do Site da CSP-CONLUTAS:

As mortes foram provocadas após explosão de uma caldeira de máquinas do navio sonda NS-32 (Norbe VIII), no Campo de Marlim, na Bacia de Campos (RJ) na sexta-feira (9). A explosão no navio ocorreu às 7h48 durante a manutenção da caldeira, que não estava operando, de acordo com informações preliminares passadas pela Petrobrás.

Quatro trabalhadores foram atingidos e hospitalizados, mas apenas um conseguiu escapar com vida e recebeu alta no sábado (10). Esses operários eram terceirizados, contratados da Odebrecht Óleo e Gás (OOG). Faleceram os técnicos de inspeção da IMI (Instituto de Metrologia Industrial Ltda), Ericson Nascimento de Freitas, 28 anos, e Jorge Luiz Damião, 44 anos; e o engenheiro da Odebrecht, Eduardo Aragão de Lima, 44 anos.

“Segundo informações que chegaram até nós, rompeu o corpo de uma caldeira durante uma atividade de manutenção. Uma comissão da empresa foi formada para apurar os possíveis motivos e acreditamos que em torno de 15 a 30 dias o resultado saia”, informou o dirigente do Sindipetro RJ Hugo Queiroz.

Para o dirigente do Sindipetro RJ, essas mortes “são reflexo da precarização do trabalho em Macaé, fruto do desemprego, redução de funcionários e aumento da carga horária, e não podem ser tratadas como acidente. Infelizmente essa é a dura realidade em que os trabalhadores se deparam e acabam pagando com a vida”, salientou. De acordo com o Sindicato dos Petroleiros de Duque de Caxias, nos últimos 14 anos, a Petrobras registrou mais de 350 mortes.

Chega de mortes nos locais de trabalho

Para cada cinco óbitos por acidente de trabalho, quatro são de terceirizados, de acordo com pesquisa do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) publicada em 2011.A CSP-Conlutas recentemente lançou uma cartilha de saúde do trabalhador como parte de diversas ações para denunciar as mortes e acidentes nos locais de trabalho, relacionando essas ocorrências com o modelo econômico no país e no mundo.

Confira o material

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *