Tese da CST e independentes ao VI Congresso do PSOL

Construir nas ruas uma alternativa de esquerda e independente do lulismo

Apresentamos o presente texto aos militantes do partido e, longe de esgotar todos os temas, procuramos apresentar nosso ponto de vista sobre a realidade e, principalmente, buscamos confluir com demais setores e militantes de esquerda para ajudar a fortalecer o PSOL como um partido vinculado às lutas.
O Congresso do PSOL acontece numa conjuntura histórica ímpar, na qual está colocada a necessidade e a possibilidade de construir uma nova direção sindical e política para os trabalhadores e o povo. Desde março a classe trabalhadora e os setores populares entraram em cena contra o governo Temer e suas contrarreformas, evidenciando uma disposição de luta que somente pela traição das direções sindicais (petistas e não petistas) ainda não conseguiu atingir seus objetivos.
Neste contexto se insere a crise do PT e o impeachment de Dilma como fatos decisivos sobre os quais, infelizmente, a política da direção majoritária do PSOL tenta transformar nosso partido em “linha auxiliar do PT”, negando-se a construir uma alternativa, contrariando assim as bases fundacionais do PSOL. Frente a esses desafios, cabe aos setores de esquerda do partido, comprometidos com as lutas e com a democracia interna, fazerem todos os esforços possíveis para defender o PSOL de luta e democrático, por um partido que seja de fato uma alternativa de direção.

 

1 – A situação política mundial

A vitória eleitoral de Trump é a expressão mais patética da crise global que sofre o imperialismo. Expressa a polarização social que existe no mundo capitalista e nos EUA, onde há, por um lado, uma ofensiva imperialista para impor seus níveis de exploração e, por outro, a resistência do movimento de massas em todo o mundo.  É um fato que Trump representa a ala ultra direita, racista e xenófoba do Partido Republicano. Contudo, sua ascensão, por si só, não significa um giro à direita na situação mundial. Trump enfrenta grave queda de popularidade e imensos protestos nas ruas.

A tendência mundial é de que haja cada vez mais crise política, expressão do descrédito das massas frente aos governos, regimes e partidos que aplicam duros planos de ajuste. Esse cenário se expressou no Brexit, no “Não” da Colômbia, no “Não” no referendo pela reeleição de Evo Morales e no crescimento ou “triunfo” da abstenção nas últimas eleições municipais no Brasil. Trump canalizou, de forma completamente distorcida e pela direita, a decepção de milhões pela perda do “sonho americano” e pelo fracasso de Obama em meio à crise econômica.

Por outro lado, partidos que chegaram ao governo com discursos de esquerda, ao aplicarem planos de austeridade, rapidamente são rechaçados, como o caso do Syriza na Grécia e do PS Francês, que obteve menos de 7% dos votos. Este cenário abre possibilidades de recomposições à esquerda, ainda que sejam reformistas. É o caso de Melanchon, que teve quase 20% dos votos na França.

Em relação ao processo do Oriente Médio, a derrota de Aleppo, capital industrial da Síria e coração da revolução, foi um duro golpe contra o processo revolucionário, com a cumplicidade do presidente Erdogan, da Turquia, da Rússia de Putin, do regime ditatorial de Al-Assad, do Irã e dos EUA. A heroica resistência foi impotente diante desse poderio militar que isolou a revolução. Porém, este triunfo parcial das forças imperialistas e de seus aliados não mudou a situação mundial.

A dificuldade do capitalismo imperialista para recuperar sua taxa de lucro está diretamente relacionada à resistência que lhe oferecem as mobilizações das massas. É uma luta permanente entre a contrarrevolução econômica, expressa em mecanismos como o pagamento das dívidas públicas e os planos de ajuste, e os trabalhadores, que se organizam como podem para enfrentar esses ataques. No entanto, as derrotas econômicas circunstanciais não significam derrotas políticas. A prova disto é que as lutas da classe trabalhadora seguem em curso.

Cabe ao PSOL ser parte ativa do colossal repúdio à ofensiva dos planos de ajuste em todo mundo e do repúdio ao governo ianque! Fora Trump! Abaixo o imperialismo!

2 – A crise dos modelos “progressistas” na América Latina

Sabemos que inúmeros setores depositaram grandes expectativas nos chamados governos progressistas, em especial com Chávez na Venezuela, e estão desorientados frente ao atual governo Maduro. Mas trata-se de enfrentar a realidade como ela é. O “socialismo do século XXI” do chavismo não foi nada parecido com socialismo e seu fracasso deve-se a não romperem com o modelo capitalista de exploração, a não produzirem uma mudança estrutural das relações econômicas.

Isso está levando a uma ruptura por parte de amplos setores de massas, já que, apesar do discurso esquerdista, medidas de corte neoliberal estão sendo aplicadas, como privatizações, reformas neoliberais e abertura da economia para as multinacionais. Em todos os casos, ainda que com contradições circunstanciais, estes governos mantiveram os compromissos com o grande capital em detrimento das necessidades da população, mantendo religiosamente o pagamento da dívida pública. É lamentável que a direção majoritária do PSOL reivindique, defenda e até apresente como modelo esses projetos falidos.

Esse novo cenário abre uma nova situação na América Latina. Muitos setores da esquerda chegam a defender a volta de Lula e Cristina Kirchner, apoiar Maduro ou Evo, pois os governos que os sucederam ou poderão lhes suceder são mais abertamente neoliberais e pró-imperialistas. Assim, recusam-se a apresentar alternativas de independência de classe e ajudam a criar confusões na esquerda. Não duvidamos que Macri ou a MUD (Mesa de Unidade Democrática) são pró-imperialistas, mas nem Cristina, nem Lula, nem Chávez-Maduro são ou foram governos de esquerda, mas governos burgueses com discursos e gestos populistas, de conciliação de classes.

O chamado castro-chavismo é a política de falar pela esquerda, mas governar para e com o capital. Predominou nos anos de bonança capitalista entre 2002 e 2008, o que possibilitou que todos estes governos e regimes obtivessem uma relativa estabilidade, outorgando algumas concessões ao povo, frutos de diversas lutas.

Nos primeiros anos de Chávez houve alguns atritos políticos com o imperialismo, bem diferente de Lula que, desde o início, foi “o cara” do imperialismo. Mas, quando a crise econômica chegou com força e o preço das matérias primas despencaram, o verdadeiro rosto destes governos se revelou. Falavam de socialismo, mas enriqueciam graças à corrupção desenfreada e a duros golpe contra os trabalhadores e o povo. Começou assim um processo de ruptura, que se manifesta com força abrindo um espaço enorme para a esquerda consequente construir uma verdadeira alternativa política e econômica. Esse é o desafio do PSOL na atual etapa.

3 – Brasil: O VI Congresso do PSOL se realiza num momento ímpar

O Brasil é parte deste contexto de crise dos governos “progressistas”, crise de credibilidade nos políticos e lutas em busca de uma alternativa.  O VI Congresso será vitorioso se conseguirmos impulsionar uma política capaz de superar as velhas direções que traíram o movimento e colocar o PSOL à frente da construção de uma verdadeira alternativa de esquerda e da luta dos trabalhadores. O ilegítimo governo Temer, que acaba de completar um ano, tornou-se velho precocemente e agoniza sob uma chuva de denúncias por corrupção. Temer dificilmente chegará ao final do mandato, ainda que, apoiado por um parlamento fisiológico e corrupto, consiga aplicar algumas medidas do ajuste exigidas pelo mercado.

Essa crise também atinge o regime político. Há um grande descrédito nas instituições, no Congresso, com dezenas de parlamentares indiciados por corrupção, no judiciário, que tentava aparecer como impoluto e livre de qualquer suspeita, mas está ficando contaminado pela crise política, seja pela nomeação de ministros do Supremo ligados a políticos investigados, seja pela recente absolvição da chapa Dilma/Temer no TSE.

O PT, partido que encarnou a direção do movimento de massas nas últimas décadas, também é parte desta crise. Sua débâcle não é produto de um golpe, mas da ruptura e decepção de amplos setores, após anos governando em conluio com o agronegócio, os banqueiros, as empreiteiras e as multinacionais. As mudanças produzidas em seu programa e nas suas práticas, se aliando ao que há de pior na política, foram criando uma barreira cada vez mais forte entre esse partido e os trabalhadores.

O governo Temer, afundado num mar de lama, principalmente após as delações dos donos da JBS, foi perdendo apoio de sua fisiológica base parlamentar e dos próprios setores econômicos que o apoiaram para suceder Dilma. Para os parlamentares não é um bom negócio, há um ano das eleições, vincularem seus nomes a Temer, rejeitado por mais de 90% da população. Tampouco é útil para os grandes empresários, que vislumbram cada vez mais dificuldades para este debilitado governo aprovar as reformas exigidas por eles, mesmo problema que os levou a abandonar o governo petista de Dilma.

Vivemos um momento histórico. Amplos setores do movimento procuram uma alternativa para derrotar um governo e um regime corrupto e desacreditado, que não termina de cair pela falta de uma direção consequente. E a política da direção majoritária do PSOL não esteve à altura destes dois processos que se combinam:  a crise de direção da classe trabalhadora e a crise do governo e do regime em seu conjunto. Cabe ao PSOL se colocar como alternativa real frente aos partidos da ordem, PMDB, PSDB e PT, chamando a mobilização do povo para derrotar Temer e suas contrarreformas.

4 – Por uma nova direção para a classe trabalhadora!

Mas, apesar das traições do lulopetismo, tanto no âmbito político como sindical, as lutas dos trabalhadores irromperam em cena e vem gerando uma nova situação no país. O ano de 2017 demonstrou uma imensa reação do movimento. Depois de quase 30 anos, a classe trabalhadora voltou a protagonizar uma exitosa greve geral no dia 28 de abril. Durante os meses de março, abril, maio e junho, houve atos, paralisações e uma poderosa Marcha à Brasília com mais de 100 mil pessoas, que enfrentaram, sem recuar, a dura repressão policial. Muitos militantes do partido estiverem em todos esses processos, mas sem uma orientação da direção do PSOL, que poderia ter cumprido um papel de destaque nessas jornadas.

Importante destacar o papel fundamental da luta das mulheres nesse período, desde as mobilizações contra o misógino Eduardo Cunha até a paralisação internacional do dia 8 de março. Destaca-se ainda a ação que o PSOL moveu no STF pela descriminalização do aborto, que pode significar um grande triunfo para as mulheres trabalhadoras, as principais vítimas dos abortos clandestinos.

A entrada da classe trabalhadora na luta contra as reformas é fundamental para derrotar o governo.  A disposição de luta em tantas jornadas de mobilização demonstra que a classe está fortalecida para defender seus direitos. Porém, esta disposição e esse potencial se chocam contra as políticas das principais centrais sindicais como a CUT, a CTB, a Força Sindical e a UGT. Durante anos, as direções da CUT e CTB ficaram atreladas ao governo do PT, atuando como correia de transmissão junto ao movimento, servindo mais aos projetos desse governo que aos interesses da classe. Nosso partido tem o dever de denunciar essas direções e propor alternativas de luta.

A vitoriosa greve geral de abril só ocorreu devido à pressão das bases que não aguentam mais viver com o fantasma do desemprego, com salários arrochados e sob o desmonte dos serviços públicos. Foi esta situação insuportável que levou as bases a empurrarem as centrais sindicais.  Infelizmente, a segunda greve geral do dia 30 de junho foi desmontada pelas principais centrais sindicais, que abandonaram o Fora Temer e converteram o 30J num genérico dia de paralisações e atos, gerando bastante perplexidade na base e muita confusão nos ativistas e quadros sindicais regionais. Apesar do desmonte da burocracia aconteceram importantes atos e paralisações nesse dia. E às vésperas da votação da reforma trabalhista, as centrais não organizaram nenhum calendário de luta, sendo cúmplices da aprovação dessa reforma. CUT, CTB, Força e UGT estão mais preocupadas com a negociação pela manutenção do imposto sindical e as duas primeiras, centralmente, com o projeto de Lula 2018.

Existe potencialidade para derrotar o governo Temer e suas reformas. Para tanto é necessário exigir que as direções das principais centrais sindicais deixem de negociar migalhas com esse governo corrupto e organizem a luta.

Devemos apostar com tudo na luta da classe trabalhadora e oferecer-lhe as ferramentas necessárias para construir uma nova direção sindical e política. A classe trabalhadora organizada e disposta tem todas as condições para impedir a aprovação da retirada de direitos, derrotar o governo Temer e seu possível sucessor, Rodrigo Maia, também denunciado por corrupção. Maia, ao se comprometer em manter a mesma política de ajuste e a mesma equipe econômica encabeçada pelo banqueiro Henrique Meirelles, tem a aprovação do mercado e dos mesmos parlamentares fisiológicos que hoje são base do peemedebista.

Para tanto, necessitamos romper qualquer vínculo com as direções traidoras do PT e da CUT, que são parte do grande acordão para salvar os corruptos desse podre regime político. Esse acordo envolve centralmente PMDB, PSDB e PT e conta com o apoio de setores do judiciário. A devolução do mandato de Aécio Neves e a libertação do deputado “da mala”, Rodrigo Rocha Loures, se inserem nesse acordo. Lula foi testemunha de defesa do corrupto Cunha e já declarou que não anulará as reformas do Temer, além de ter defendido Temer das evidentes acusações: “Se o procurador-geral da República tem uma denúncia contra o presidente da República, ele primeiro precisa provar”.

No dia 12 de julho, quando fechávamos esta tese, o juiz Sergio Moro anunciava a condenação do Lula, decisão que ainda cabe recurso. O que configura um lamentável final para quem foi o principal dirigente dos trabalhadores e acabou traindo a confiança de sua classe. Mas, este final não é consequência de uma injustiça como pretendem demonstrar algumas correntes do PSOL, mas de uma política consciente construída por longos anos de alianças com os setores mais retrógrados da política e governando com os mesmos esquemas corruptos de seus antecessores, com as empreiteiras. Lula também é responsável pela quadrilha instalada no Planalto Central. Somos contrários à seletividade da justiça que, enquanto condena Lula, deixa em liberdade Aécio Neves, Rocha Loures, Geddel Vieira Lima e não condena Temer, flagrado em escutas que demonstram o grau de corrupção deste governo. Contudo, defender Lula é um grave erro, que será cobrado do partido mais cedo ou tarde. Defendemos que todos os corruptos, sejam do PMDB, PSDB ou PT, sejam investigados, julgados e punidos e que seus bens sejam confiscados.

Esse final que estamos assistindo foi o que antevemos quando, em 2003, nos recusamos a seguir o “new PT” e fundamos o PSOL, para oferecer uma alternativa política aos trabalhadores, diante da traição de sua velha direção. Essa foi a tarefa a que nos propusemos. Uma tarefa difícil, que necessariamente nos leva a um enfrentamento com as direções “lulopetistas” e das maiores centrais sindicais. Muitos dirigentes da direção majoritária teimam em ficar com um pé no PT sob o pretexto de que não devemos nos isolar, um argumento insustentável no momento em que amplos setores de massa rompem com esse partido e seus dirigentes que já não os representam.

Não estaremos sozinhos se formos capazes de convocar amplamente a organização de um polo da esquerda, para debater a reorganização da classe trabalhadora e um programa econômico alternativo, em alternativa tanto à velha direita quanto ao lulopetismo. Esse é o grande desafio do PSOL: encabeçar esse projeto junto ao PSTU, ao PCB, à Conlutas, à Intersindical, ao MTST, a sindicatos independentes e milhares de lutadores que necessitam de uma nova ferramenta política que ajude a unificar em um polo os lutadores para impedir as reformas neoliberais e derrotar o ilegítimo governo Temer.

6 – A queda de Dilma e a política da US

Em junho de 2015, Lula declarou: “Nós estamos no volume morto”, se referindo à popularidade de Dilma, do PT e à sua própria. Este foi um momento propício para fortalecer a construção de uma alternativa de esquerda que superasse o projeto falido de Lula e do PT.  No entanto, a US correu para socorrer o PT, política que vem sendo imposta desde 2014, quando fizeram campanha para o PT no segundo turno. Para Plínio de Arruda Sampaio Jr, “o Estado mudou o PT. E assim o PT foi gradativamente se adaptando, se moldando às exigências do Estado e da burguesia brasileira, para se transformar no que chamo de ‘partido da ordem’, ou seja, que não questiona os pilares da ordem, mas que procura, dentro desta ordem, fazer o menos pior (…) O PT fez uma opção pelo capital internacional. Ela agrava a vulnerabilidade cambial. Fez uma opção pelo pagamento da dívida pública em detrimento das políticas sociais. Fez uma opção por não enfrentar a distribuição de renda a fundo…” (unicamp.br/unicamp/ju/noticias/2017/06/02).

Após 13 anos de governos petistas, o país chega à marca de 14 milhões de desempregados.  Além de tantas privatizações e entrega do patrimônio nacional, como no caso do leilão do campo petrolífero de Libras. Além disso, víamos o desmonte completo dos serviços públicos pelas mãos do PT e de seus aliados, como Cabral e Pezão no Rio. Tudo isso imposto pelos governos do PT e do PMDB, à base de muita repressão aos movimentos sociais.  Por combatermos esse projeto, a direção lulista (hoje em grande parte na cadeia) nos expulsou do PT em 2003. A tese petista de que Dilma caiu porque existe uma “onda conservadora”, e que por isso o governo “progressista” foi derrubado mais facilmente, serve para enganar setores de esquerda. Não podemos esquecer que Dilma governou com os setores mais conservadores e retrógrados, como o partido do Bolsonaro e do pastor Marcus Feliciano. De nossa parte, não temos nenhum acordo com essa tese propagandeada pelo petismo, de que foram vítimas de um “golpe”.

Ao perder sua base social histórica, o PT deixou de controlar o movimento de massas e as suas lutas, perdendo sua função para as elites. Amargaram duras derrotas eleitorais em locais de tradição petista como o ABC paulista e perderem 350 prefeituras. Não à toa que não vimos nenhuma greve contra o impeachment de Dilma. A participação da classe trabalhadora nos atos do “Fica Dilma” foi quase nula. Dilma caiu porque a burguesia queria um governo mais estável que pudesse aplicar as contrarreformas previdenciária e trabalhista. Dilma e o PT se apressaram em dizer que iriam aplicar as reformas. Porém, os setores majoritários da burguesia não viam no governo força política para aplicar seus planos e apoiaram seu impeachment.

À época do impeachment, a atual direção reduziu o PSOL a coadjuvante das políticas do lulismo e das Frentes Povo sem Medo e Brasil Popular, criadas para impedir a construção de uma alternativa de esquerda contra o petismo.

A conclusão é que a atual direção majoritária do partido se nega a conduzir o partido para ser alternativa política ao lulismo. A defesa do mandato de Dilma, encabeçada pelas Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, teve a maioria do PSOL como aliada fundamental. Hoje, diante de Temer, a direção majoritária segue sua frente com o petismo, enquanto o partido de Lula, a partir de sua influência nas centrais sindicais, faz de tudo para desmontar e trair a luta contra o atual governo.

7 – O fracasso do projeto de conciliação de classes na prefeitura de Macapá

Em 2012, o PSOL elegeu a primeira Prefeitura de uma capital, em aliança com o DEM e o PPS (vice-prefeito). Desde o início, o prefeito Clécio Luis, então militante da US, governou aplicando medidas de ajuste fiscal e de repressão contra a greve dos servidores públicos municipais, pactuando com partidos da ordem, o que tornou insustentável a sua permanência no partido. No entanto, o PSOL de Macapá, com o aval da US, segue como legenda de aluguel para a burguesia local. Tudo isso baseado em acordos, para que o grupo do prefeito de Macapá mantenha filiados dentro do PSOL e ajude a US a controlar a direção do partido.

Vem de muitos anos a batalha contra a destruição do PSOL como alternativa em Macapá. Foi por essa razão que, após muita pressão da base militante do partido, Clécio e Randolfe acabaram na REDE de Marina Silva.

A US busca, em todos os lados, reeditar um projeto de conciliação de classes que a história já enterrou como alternativa de mudança radical e profunda da sociedade. Isso se expressa na sua política de conciliação com o petismo, na sua estratégia de ampliar o leque de alianças e governar com partidos da burguesia, com seu programa capitalista “melhorista”, como fez em Macapá e se expressa na sua política internacional.

A US se impôs como maioria no último congresso após realizar inúmeras manobras e segue distorcendo sua representação. Nessa última gestão, em meio ao impeachment e uma greve geral, ocorreram poucas reuniões do DN. Na Executiva, decisões importantes são feitas por WhatsApp, apenas “carimbando” decisões da maioria. Algo grave foi o curso autoritário contra as forças que não compartilham 100% das concepções da US, como o veto por dois anos contra a entrada da Esquerda Marxista, o afastamento por seis meses do companheiro Recife e o golpe contra o setorial nacional de mulheres. Houve perseguição aos que combateram o PT no auge da crise política, caso de Luciana Genro, e tentativas contra o mandato do companheiro Babá. Dirigentes da US chegaram a levantar a hipótese da regulamentação do direito de tendência para tentar calar as correntes de esquerda, reproduzindo a pratica stalinista de cercear o debate com medidas administrativas.

8 – Batalhamos por uma nova direção para o PSOL

No país inteiro vão ocorrer plenárias municipais que vão debater as teses e fazer um balanço da política do partido. Os militantes que estiveram na linha de frente das manifestações devem fazer uma avaliação da atuação do partido e ajudar a mudar os rumos do PSOL.

O PSOL precisa de uma nova direção. Por tudo que citamos, acreditamos que não é mais possível que a US e seus aliados controlem o partido. Não é possível construir uma alternativa política para a classe trabalhadora brasileira seguindo a política petista de conciliação de classes ou alimentando a ilusão de que o PT é um mal menor. Além disso, como ficou provado com o desmonte da greve geral do dia 30J, e na cumplicidade da aprovação da Reforma Trabalhista, é nosso papel também a denúncia permanente da burocracia sindical.

As recentes movimentações da US, por fora das instâncias partidárias, destruindo a democracia interna, de reuniões com dirigentes petistas como o ex-governador gaúcho, Tarso Genro, é um exemplo do que dissemos. Reunir para discutir um projeto comum com o petista que comandou no seu estado uma brutal repressão às Jornadas de Junho de 2013 é um grave erro.

É preciso uma direção que batalhe para superar e derrotar Lula e o PT, que já não tem mais nada a oferecer de positivo para o povo brasileiro, a não ser novas traições, desilusões e retirada de direitos. Essa reunião com petistas, como Lindbergh, é parte da política da US, de uma suposta “recomposição da esquerda” que visa enterrar de vez o projeto fundacional do PSOL, incorporando tendências petistas oportunistas e parlamentares carreiristas dentro do partido, prontos a estar com Lula num eventual segundo turno ou construir uma candidatura lulista, caso Lula não seja candidato.

 

– Por democracia interna. Precisamos de um partido militante.

Precisamos de um partido com muito mais democracia pela base, cujo chamado aos militantes não se resuma a congressos e eleições. É preciso dar vida ao PSOL, chamando todas e todos para a intervenção nas lutas cotidianas. Realizar plenárias de base deliberativas, não só para “acumular” enquanto se decide tudo na cúpula. Para ser uma alternativa no terreno das lutas, o PSOL precisa se postular nas ruas. Não podemos nos manter com uma direção que só intervém no campo institucional, ainda que seja importante ter atuação no parlamento. Por exemplo, foi importante apresentarmos candidatura própria para a presidência da Câmara Federal. No entanto, a luta institucional não pode ser o centro do partido.
Devemos retomar o debate sobre a concepção de partido, construindo uma estrutura militante, fortalecendo os núcleos e o trabalho de base, ampliando a democracia interna e o respeito às minorias, combatendo a burocratização, retomando o internacionalismo, redobrando a luta contra o imperialismo e mantendo o apoio ao povo palestino. Defendemos mais pluralidade na comunicação do PSOL e da Fundação Lauro Campos.

– Unificar as correntes que construíram o Bloco de Esquerda: contra o lulismo e por democracia interna no PSOL

É importante reeditar a experiência de unificar as correntes de esquerda no próximo Congresso. Um espaço que havia se perdido nos últimos meses. Recentemente, com os companheiros da LRP, defendemos que “para mudar os rumos do PSOL precisamos reagrupar a esquerda anticapitalista dentro do partido para realizar um contraponto à linha majoritária”. Felizmente, desde o último DN, um campo de esquerda voltou a se articular por meio de uma resolução unitária e de uma nota após a marcha dos 100 mil. Foi um grande esforço coletivo, agrupar inúmeras correntes que não compartilham os rumos da atual direção: COMUNA, MES, TLS, APS, Subverta, Comunismo e Liberdade, LRP, LS, LSR, 1º de Maio, Esquerda Marxista e CST, além de intelectuais como Nildo Ouriques. Do mesmo modo, esperamos contar com os companheiros do MAIS para essa batalha. Seria importante manter uma chapa nos termos do último congresso. Entendemos que os camaradas da Insurgência deveriam retornar para esse espaço e voltar a construir esse bloco.

– O centro do partido tem que ser as lutas

Hoje o eixo de grande parte do PSOL é a política das “Diretas já”, tese defendida pela US, corroborada por outros setores do partido, uma saída por dentro desse regime apodrecido e corrupto. Essa é a mesma política do PT. Se a saída é nova eleição presidencial, o terreno da disputa na luta de classes vai para segundo plano, o que fortalece o “Lula 2018”. A Frente Ampla pelas Diretas e a Frente Parlamentar pelas Diretas são frentes com partidos da ordem, conservadores e corruptos, como PSB, PDT, PT, PCdoB, parlamentares da REDE, entre outros. Essa frente é programática e em seu manifesto diz: “somente a eleição direta, portanto a soberania popular, é capaz de restabelecer a legitimidade do sistema político”, ou seja, recuperar a credibilidade da democracia burguesa que hoje está se decompondo. Um partido socialista não pode participar de uma frente política como essa e com esses objetivos capitalistas. É necessário que o PSOL rompa com essa frente e tenha como eixo as lutas e não saídas meramente institucionais.

– Por um programa de ruptura

Por uma esquerda consequente, devemos superar a visão programática da US, cuja proposta é essencialmente capitalista, dita “viável”, semelhante aos programas que o PT e os lulistas defendem para administrar as crises do sistema. O PSOL deve ajudar a construir uma Frente de Esquerda Nacional, junto a demais partidos e organizações sociais, como PSTU, PCB e o MTST. No Rio de Janeiro, a Frente de Esquerda Socialista (FES), em que pese ser incipiente, tem sido uma importante experiência.

O PSOL tem que apresentar uma alternativa nas urnas, um candidato que não seja um “laranja” do lulismo; que se coloque em oposição aos partidos e candidatos da ordem, não só contra tucanos e bolsonaros, mas também contra a falsa esquerda do PT e PCdoB.  Devemos buscar outras forças da esquerda e setores classistas dos movimentos para construir um programa alternativo para os trabalhadores, a juventude e o povo e os convoque a lutar pelo:  a) o fim do arrocho e das demissões, o combate ao desemprego e ao desmonte dos serviços estatais; b) a defesa da revogação das contrarreformas de Temer (PEC 55, terceirização e reforma trabalhista) e as dos governos anteriores; não pagamento da dívida pública, com alocação destes recursos para saúde, educação e moradia; d) estatização do sistema financeiro e das empresas envolvidas em corrupção; e) redução da jornada de trabalho sem redução do salário; f) reposição semestral da inflação e aumento real dos salários; g) congelamento dos preços da cesta básica e das tarifas de água, luz, combustíveis e transporte; h) pelos direitos das mulheres, negros e negras, LGBT’s, indígenas, ribeirinhos e camponeses. Dentre outras medidas, que deveriam ser construídas coletivamente numa plenária, encontro ou reunião nacional.


Assinam a tese:

Rio de Janeiro

  1. Aadonai Costa – Professor – PSOL Cabo Frio
  2. Adilson José Ferreira – Niterói
  3. Adirson Ferreira Alves
  4. Admir dos santos  – Gari Rio de Janeiro
  5. Adolfo Santos – PSOL Rio de Janeiro
  6. Adolpho Tundis Ferreira – Professor da Rede municipal do Rio e rede municipal de Itaguaí
  7. Adriano da Silvia Dias – CIPA Correios – Diretório Municipal PSOL Carioca
  8. Agnaldo Abreu Mendes – PSOL Niterói
  9. Alan Dias – Juventude -PSOL Rio de Janeiro
  10. Alberto de Sena Marins – Professor – Niterói – RJ
  11. Alessandra Primo – PSOL Niterói
  12. Alex Lopes Azevedo – CEDAE – Rio de Janeiro
  13. Alexandre Araújo – Professor Cabo Frio
  14. Alexandre de Aguiar Pereira (Professor da rede estadual de educação )
  15. Alexandre dos Santos – Gari Rio de Janeiro
  16. Alexandre Mendes – PSOL Niterói
  17. Alfredo Fernandes Siciliani – PSOL Rio de Janeiro
  18. Alfredo Soares Engrenage – PSOL Niterói
  19. Alice Cardoso Barbosa – Estudante – PSOL Volta Redonda
  20. Alice Nascimento de Moraes Cardozo (Professora da rede estadual)
  21. Aluisio Pereira Do Carmos – PSOL Niterói
  22. Amanda Serra Mendes- PSOL Niterói
  23. Ana Clara Damasco Borges –  Juventude Niterói
  24. Ana Claudia Nascimento – PSOL Rio de Janeiro
  25. Ana Lúcia Leandro Galindo – São Gonçalo
  26. Ana Luiza – PSOL Niterói
  27. Ana Luiza Bittencourt Junqueira – Estudante – PSOL Volta Redonda
  28. Ana Maria Braga do Nascimento – Niterói
  29. Ana Maria dos Santos Del-Penho – Rio de Janeiro
  30. Ana Marques  – PSOL Campos dos Goytacazes
  31. Anderson Bisonho   – PSOL Campos dos Goytacazes
  32. Anderson da Conceição – Gari Rio de Janeiro
  33. Anderson Leite Andrade – Gari Rio de Janeiro
  34. André de Freitas – PSOL Rio de Janeiro
  35. Angélica Sousa Correios – PSOL Rio de Janeiro
  36. Angelo Nazaré – PSOL Niterói
  37. Antônio Johnson Ramos – São Gonçalo
  38. Arenilda Santana Da Silva – PSOL Niterói
  39. Ari Paulo Pinto – Rio de Janeiro
  40. Arthur Alves – PSOL Campos dos Goytacazes
  41. Átila Sá –  Correios – PSOL Rio de Janeiro
  42. Avenir Pinentel – Aposentado
  43. Babá – Fundador do PSOL
  44. Barbara Hauret –  Niterói
  45. Barbara Rainha Goulart  – PSOL Niterói
  46. Barbara Sinedino – Coordenadora Geral do SEPE –  Executiva Municipal PSOL Carioca/RJ
  47. Bernardo Aires – PSOL Niterói
  48. Bernardo Gonçalves Lopes – Rio de Janeiro
  49. Brenda Antonia Caldas Cunha – Estudante – PSOL Volta Redonda
  50. Breno Brizola – PSOL Rio de Janeiro
  51. Bruno da Rosa – Gari – PSOL Rio de Janeiro
  52. Bruno de Melo Pinto – Professor da Rede Estadual de educação Rio de Janeiro
  53. Caio Sepulveda – Coordenadora Geral DCE – Niterói
  54. Camila Gonzales Reis – Estudante UFRJ – PSOL Rio de Janeiro
  55. Camila Leite – PSOL Niterói
  56. Carla Kikinger – Professora da Rede Estadual Cabo Frio – RJ
  57. Carla Roberta Martins – Niterói
  58. Carlos Abreu – Coordenador Geral SINTUFF – PSOL Niterói
  59. Carlos Abreu Mendes – PSOL Niterói
  60. Carlos Eduardo Dias do Nascimento- Maricá
  61. Carlos Edurado Fraga De Araujo – PSOL Niterói
  62. Carlos Henrique Santana – Niterói
  63. Carlos Henriqueda Costa Barros – PSOL Niterói
  64. Carmen Angélica Martins – PSOL Niterói
  65. Carmen Lúcia de Melo Professora da Rede Municipal de Educação – Rio de Janeiro/RJ
  66. Charles Pimenta – SEPE – PSOL Cabo Frio
  67. Ciane Rodrigues – Niterói
  68. Cintia Quintanilha Rita Pereira  – Niterói
  69. Cirlene Coelho – Coordenadora Geral SINTUFF – PSOL Niterói
  70. Cirlene Coelho De Mato Chagas – PSOL Niterói
  71. Claudia da Silva Barros – Núcleo Trevo de Pendotiba – PSOL Niterói
  72. Claudia Gonzales Reis – Diretório Estadual PSOL RJ
  73. Claudio Brow Fortes – PSOL Niterói
  74. Claudio Leitão – Diretório Municipal PSOL Cabo Frio
  75. Cleonice Conceição – Niterói
  76. Cleonice Maria Da Conceição – PSOL Niterói
  77. Cristina Pessoa Da Silva Serra – PSOL Niterói
  78. Curt de Oliveira Mueller – Itaboraí- RJ
  79. Dalila Pinheiro – PSOL Niterói
  80. Dândara Faria – PSOL Campos dos Goytacazes
  81. Daniel Gabilan – Correios – PSOL Rio de Janeiro
  82. Daniel Marinho Gomes – Terceirizado – Niterói
  83. Daniel Pacheco Veloso – Gari Rio de Janeiro
  84. Danilo Coelho De Matos Chagas – PSOL Niterói
  85. Dário Marins de Melo – Rio de Janeiro
  86. Débora Cardia Rio Alves – Rio de Janeiro
  87. Deise de Silva Jacques (Professora da rede estadual de educação)
  88. Derecy de Araújo Vargas – Niterói
  89. Dejair Clemente da Silva – Niterói
  90. Denis Barbosa dos Santos – Gari Rio de Janeiro
  91. Denis Valle – Executiva PSOL Carioca
  92. Douglas Coeho De Matos Chagas – PSOL Niterói
  93. Edir Ferreira Leal – PSOL Niterói
  94. Edmilson Alves – Diretor do SINTUFF e PSOL Niterói
  95. Edson Batista da Luz – Correios – PSOL Rio de Janeiro
  96. Edson Luiz – Gari Rio de Janeiro
  97. Elisângela Cesario  – PSOL Campos dos Goytacazes
  98. Ellen Dos Santos Julião – PSOL Niterói
  99. Elloa Dos Santos Julião – PSOL Niterói
  100. Eloisa Mendonça – PSOL Rio de Janeiro
  101. Emanoel Miranda –  PSOL Campos dos Goytacazes
  102. Eraldo Bignon Terra – PSOL Niterói
  103. Eriká Borges – Secretaria do DM de Cabo Frio PSOL
  104. Erislene Vitória Juventude – PSOL Rio de Janeiro
  105. Ester Cleane da Silva Dias – PSOL Rio de Janeiro
  106. Fabiano Geleia – Gari – Rio de Janeiro
  107. Francisco de Paula Araújo – Servidor UFRJ – Rio de Janeiro
  108. Felipe de Souza Ramão – Professor da rede estadual –  PSOL Cabo Frio
  109. Felipe Jorge – Gari Rio de Janeiro
  110. Felipe Nogueira – Juventude Niterói
  111. Filipe Correa Duarte – Itaocara – RJ
  112. Flávio Roberto Dutra Dolabela – Rio de Janeiro
  113. Francinei Ferreira Vianna – Gari Rio de Janeiro
  114. Francisco Carlos Ferreira de Sousa – Niterói
  115. Francisca Eunice Dias – PSOL Niterói
  116. Francisca Monteiro da Silva – Rio de Janeiro
  117. Gabriel Fernandes Bendito – Juventude UERJ  – Rio de Janeiro
  118. Gabriel Jesus de Paula – Estudante – PSOL Volta Redonda
  119. Gabriela de Oliveira – Estudante da UFF – PSOL Rio de Janeiro
  120. Gelson Perreira Da Luz – PSOL Niterói
  121. Gilmar Tavares – Gari – Rio de Janeiro
  122. Gladston Cerqueira – Correios – PSOL Rio de Janeiro
  123. Guilherme Bento – CA Psicologia UERJ – PSOL Rio de Janeiro
  124. Guilherme Melo Fróes da Costa  – Rio de Janeiro
  125. Guilhermina Cruz Da Silva – PSOL Niterói
  126. Hebert dos Santos Eckhardt – Rio de Janeiro
  127. Hedyel Ferreira Raymundo – Gari Rio de Janeiro
  128. Helio Cabral – PSOL Niterói
  129. Heloisa Helena Gonçaves Neves – Diretora SINTUFF – PSOL Niterói
  130. Hercules Rigoni Bossato (Niterói)
  131. Henrique de Bem Lignani – Professor – PSOL Rio de Janeiro
  132. Hugo Queiroz – Diretor do SINDPETRO – PSOL Rio de Janeiro
  133. Humberto Serra – PSOL Niterói
  134. Inacia Maria De Carvalho – PSOL Niterói
  135. Indaiá Menezes – PSOL Rio de Janeiro
  136. Iris Maria Lopes dos Santos – CEDAE – PSOL Rio de Janeiro
  137. Isabela Melegario da Silva Soares – Juventude Niterói
  138. Isadora Brum de Sant’anna – Estudante UFF – PSOL Volta Redonda
  139. Ismael Serrano – PSOL Volta Redonda
  140. Izilda  Lúcia Correa Veiga – Niterói
  141. Ivana Maria Fortunato de Barros -Juventude Niterói
  142. Ivonete Da Conceicao De Souza – PSOL Niterói
  143. Izabel da Fonseca – Niterói
  144. Jaqueline Sousa Vasconcelos de Miranda de Carvalho – Professora – Rio de Janeiro
  145. Jacqueline Pinto Fernandes – SEPE Coordenadora Núcleo Niterói
  146. Jamil Elias Coelho – PSOL Rio de Janeiro
  147. Janaina De Oliveira – PSOL Niterói
  148. Janine Barbosa Pereira – Professora da Rede Municipal de Educação – Rio de Janeiro/RJ
  149. Jardel Antunes Guimaraes- Aposentado – Niterói
  150. Jeferson Alves Vieira –  Diretor do SINTUFF – PSOL Niterói
  151. Jessé Brandão – PSOL Niterói
  152. João Batista Silva de Araújo – Rio de Janeiro
  153. Joao Bosco De Vasconcelos – PSOL Niterói
  154. João Marcelo Quintiliano Ramos – Estudante Unirio – PSOL – Rio de Janeiro
  155. João Vitor Rodrigues Macelo – Niterói
  156. Joilson de Aguiar – PSOL Niterói
  157. Jonathan William Bazoni da Motta – UERJ – Rio de Janeiro
  158. Jonelsa dos Santos Honorio – Niterói
  159. Jorge Augusto Correa Ribeiro – Professor – Coord. Geral do SEPE regional V Rio de Janeiro
  160. Jorge Felipe nogueira Silva – Gari Rio de Janeiro
  161. Jorge Luis Silva (Consendey) – PSOL Rio de Janeiro
  162. Jorge Luiz Da Silva – PSOL Niterói
  163. Jorge Luiz Ribeiro de Lima – Professor da Rede Municipal e Estadual Rio de Janeiro
  164. Jorge Roberto Teixeira Ribeiro – PSOL Niterói
  165. José Antônio Rocha de Siqueira Júnior (Niterói)
  166. José Mario (Makaiba) – PSOL Rio de Janeiro
  167. José Nilton ferreira – Gari Rio de Janeiro
  168. José Roberto – Operário da Construção Civil – PSOL Rio de Janeiro.
  169. Joyce Américo – Gari Rio de Janeiro
  170. Joyce Brito – Rio de Janeiro
  171. Julia Borges – PSOL Rio de Janeiro
  172. Julia Cesario – PSOL Campos dos Goytacazes
  173. Juliana Pinheiro – PSOL Niteroi
  174. Julio Baptista de Oliveira Nobre Neto – PSOL Rio de Janeiro
  175. Julio Nobre – Rio de Janeiro
  176. Jurandir de Oliveira – PSOL Rio de Janeiro
  177. Karla Coutinho Rosa – Itaocara
  178. Karla Kikinger – Professora estado Cabo Frio
  179. Karla Morgado – PSOL Rio de Janeiro
  180. Kelly Cristina Soares – Gari Rio de Janeiro
  181. Keven Quadros Fernades de Melo – Juventude – Rio de Janeiro
  182. Kleber Brito  – PSOL Campos dos Goytacazes
  183. Lais Brandão Sathler – Juventude Niterói
  184. Laís Gomes – Estudante – PSOL Rio de Janeiro
  185. Lazaro Arruda – PSOL Rio de Janeiro
  186. Leandro Leal – Gari – Rio de Janeiro
  187. Leandro Rodrigo Galindo do Carmo – Diretor SEPE Núcleo
  188. Leo Zanzi – Diretório Municipal PSOL Campos de Goytacazes
  189. Leonardo Santos Ferreira – Gari Rio de Janeiro
  190. Leticia Nogueira Pereira – PSOL Niterói
  191. Letícia Rondon Lourenço – PSOL Niterói
  192. Ligia Regina Antunes Martins – PSOL Niterói
  193. Lino Alves –  Gari Rio de Janeiro
  194. Lisandro Bessa Cordeiro –  Professor da Rede Estadual de Educação Rio de Janeiro
  195. Lorena Sabbadini – PSOL Niterói
  196. Lorrany Coelho De Matos Chagas – PSOL Niterói
  197. Lucas Neves Bastos Costa Silva – Estudante – PSOL Volta Redonda
  198. Lucas Onorato – Juventude Niterói
  199. Lucas Polydoro – Rio de Janeiro
  200. Lucas Santoro – Zona Norte – RJ
  201. Luci Muniz do Amaral – Niterói
  202. Lucia Helena Fortunato Da Silva Dias – PSOL Niterói
  203. Luciana Machado – PSOL Niterói
  204. Lucimar Cristina Abreu Mendes – PSOL Niterói
  205. Luiz Carlos de Andrade – Diretor do SINTUFF
  206. Luiz Henrique Nascimento Joaquim – Gari Rio de Janeiro
  207. Luiza Azevedo – PSOL Rio de Janeiro
  208. Magno Braga Almeida – PSOL Niterói
  209. Manolo de Araujo Silva – Itaocara
  210. Marcelle Maia Autran Neves – UFF – Niteroi
  211. Marcello Monteiro Berrtolo – Jornalista Niterói
  212. Marcelo Marques Rosa – PSOL Niterói
  213. Marcelo Pereira da Silva – UFRJ – Rio de Janeiro
  214. Marcelo Ribeiro – PSOL Campos dos Goytacazes
  215. Marcia Ginuino de Oliveira – Rio de Janeiro
  216. Marcia da Veiga Azeredo Dos Santos – PSOL Niterói
  217. Márcia Paschoal – Professora – Coordenadora Geral SEPE Regional V Rio de Janeiro
  218. Marcio de Oliveira Farias – Niterói
  219. Marcio do Nascimento – Niterói
  220. Marco Antônio Pelaes Costa – PSOL Rio de Janeiro
  221. Marco Aurélio – Gari Rio de Janeiro
  222. Marcos Aurelio Gomes Ribeiro – Niterói – RJ
  223. Marcos Roberto Santos Costa – Maricá
  224. Marcos Moraes – Rio de Janeiro
  225. Maria Cristina Do Vale Costa – PSOL Niterói
  226. Maria Da Conceição Dos Santos – PSOL Niterói
  227. Maria Das Dores Serra – PSOL Niterói
  228. Maria Inês Procópio – Niterói
  229. Maria Jose Da Conceição Baptista – PSOL Niterói
  230. Maria Luiza Rodrigues Carvalho – Duque de Caxias
  231. Maria Tereza  – Niterói
  232. Maria Tereza Farias de Miranda – Niterói
  233. Marledete Alves de Oliveira –  Niterói
  234. Mariana Borzino – Executiva Municipal PSOL Niterói
  235. Mariana Brito  – PSOL Campos dos Goytacazes
  236. Mariana Nolte – Professora – PSOL Niterói
  237. Marianna Pozzetti Gusmão  – Rio de Janeiro
  238. Marilda M. Pinto – Maricá
  239. Marlucia Simoes Soares – PSOL Niterói
  240. Marlucia Soares – Jornalista – Niterói
  241. Maura Lucia – Opoisção Rodoviária – PSOL Rio de Janeiro
  242. Maura Teresa de Oliveira Souza – Niterói
  243. Mauro Dos Santos Silva – PSOL Niterói
  244. Micaela Carvalho Mascarenha – PSOL Niterói
  245. Micaella Mendes – PSOL Niterói
  246. Michel Oliveira Lima- Executiva Nacional PSOL
  247. Michele Pereira Costa – Professora – Rio de Janeiro
  248. Michelle Mendes – PSOL Niterói
  249. Milton Souza – Gari Rio de Janeiro
  250. Mônica dos Santos Mendes – Niterói – RJ
  251. Myllena Teixeira Xavier – Rio de Janeiro
  252. Natalia Pereira – Professora – Niterói
  253. Natália Ribeiro – PSOL Campos de Goytagases
  254. Nathan Ginuino de Oliveira – Rio de Janeiro
  255. Nedimar Cesario – PSOL Campos dos Goytacazes
  256. Neide Gomes da Silva – Aposentada – Niterói
  257. Neli Dutra Rodrigues – PSOL Niterói
  258. Nereu Francisco da Costa – PSOL Niterói
  259. Neusa Maria Da Costa – PSOL Niterói
  260. Nina Gomes Sobral Barcelos – Juventude Niterói
  261. Nivalda Barros  – Niterói
  262. Norival Dos Santos Medeiros – PSOL Niterói
  263. Nubia Brito  – PSOL Campos dos Goytacazes
  264. Ocinea Da Silva Santos – PSOL Niterói
  265. Olimpia Sandora – Aposentada – PSOL Rio de Janeiro
  266. Pablo Marques Afonso – São Gonçalo
  267. Patricia Ribeiro Dutra – Niterói
  268. Patricia dos Santos Sabino – PSOL Niterói
  269. Patrick Monteiro – Rio das Ostras – RJ
  270. Paulo Sérgio – Gari Rio de Janeiro
  271. Pedro Boladão – PSOL Niterói
  272. Pedro de Oliveira – Estudante – PSOL Volta Redonda
  273. Pedro Rosa – Diretor  SINTUFF – PSOL Niterói
  274. Priscilla Correa Alves – Professora da Rede estadual e municipal de educação Rio de Janeiro
  275. Rafael Bordallo de Figueiredo Raposo, UFF, Niterói.
  276. Rafael Ferreira Rocio – Gari Rio de Janeiro
  277. Rafael Lazari – Rio de Janeiro – RJ
  278. Rafael Medeiros – Servidor UFRJ – PSOL Niterói
  279. Ramiro Gaston Robles – PSOL Rio de Janeiro
  280. Ramon Ricardo Ribeiro – Professor da Rede Estadual e Municipal de educação Rio de Janeiro
  281. Randerson Lobato – PSOL Rio de Janeiro
  282. Raphael Pizzino – PSOL Rio de Janeiro
  283. Raquel Polydoro – Servidora UFRJ – PSOL Rio de Janeiro
  284. Regina Célia de Melo – Rio de Janeiro
  285. Regina Célia Oliveira -Niterói
  286. Renata Coutinho Rosa – Itaocara – RJ
  287. Renata do Amaral Mendes – Niterói
  288. Renata Do Valle Costa – PSOL Niterói
  289. Renato Reis – Presidente DM PSOL de São Pedro da Aldeia
  290. Renato Soares Paiva – São Gonçalo – RJ
  291. Ricardo Do Valle Costa – PSOL Niterói
  292. Ricardo Fernandes Da Silva – PSOL Niterói
  293. Ricardo Luiz dos Santos – CEDAE – PSOL Rio de Janeiro
  294. Ricardo Rafael Vieira da Assunção – São Gonçalo
  295. Roberto Lima – PSOL Rio de Janeiro
  296. Roberto Vitor – Rio de Janeiro
  297. Robson Viana – São Gonçalo
  298. Rogério Lima Araújo – PSOL Bom Jesus de Itabapoana
  299. Rogério Mello Araújo – PSOL Rio de Janeiro
  300. Rodrigo Leite – Estudante –  Rio de Janeiro
  301. Rodrigo Pereira – Gari Rio de Janeiro
  302. Rogério Pereira – PSOL Niterói
  303. Rômulo Abreu Lourenço – Niterói – RJ
  304. Ronaldo Gomes Correios – PSOL Rio de Janeiro
  305. Rosane Barros Alves – Rio de janeiro
  306. Rosane da Silva Bastos- PSOL Niterói
  307. Rosângela Messias da Silva – PSOL Rio de Janeiro
  308. Roseli Messias da Silva – PSOL Rio de Janeiro
  309. Rosi Messias – Executiva Estadual PSOL/RJ
  310. Rosilene Alves dos Santos – PSOL Niterói
  311. Rute Helena Goncalves Carvalho – Diretora do SINTUFF – PSOL Niterói
  312. Sadi Herculano –  Diretor do SINTUFF – PSOL Niterói
  313. Samuel da Fonseca – PSOL Rio de Janeiro
  314. Sandra Corrêa Alves – Merendeira da Rede Municipal de Educação RJ
  315. Sandra Helena De Almeida Lima – PSOL Niterói
  316. Sandra Maria Mendes Lago – Niterói
  317. Sandro Fabiano – PSOL Campos dos Goytacazes
  318. Sônia de Oliveira Guedes – Aposentada – Rio de Janeiro
  319. Sebastião Sérgio Messias da Silva
  320. Sebastião Veloso – Gari Rio de Janeiro
  321. Sheila Maria Custodio Arthur Bernardes – Rio de Janeiro
  322. Sheila Melo – PSOL Niterói
  323. Silaedson Alves da Silva (Juninho) – Diretório Estadual PSOL RJ
  324. Silas Feche Brocanelli Mendes – Niterói – RJ
  325. Silvana Fortunato da Silva – Niterói
  326. Silvia Santos – Fundadora do PSOL
  327. Stela Maria De Oliveira Santos- PSOL Niterói
  328. Stephany Ferreira – Estudante UFF – PSOL Rio de Janeiro
  329. Suelen Molles Correios – PSOL Rio de Janeiro
  330. Sulamita Alexandrigo – Gari – Rio de Janeiro
  331. Tadeu Taiguara – PSOL Rio de Janeiro
  332. Tadeu Taiguara – Rio de Janeiro
  333. Tatiana Jardim Galvão – Rio de Janeiro
  334. Thaís Corrêa Aguiar – Unirio
  335. Thaís Melo Fróes da Costa – Rio de Janeiro
  336. Thereza Vieira Batista – PSOL Niterói
  337. Thiago Araújo – Estudante – PSOL Rio de Janeiro
  338. Thiago de Lima – PSOL Niterói
  339. Ubirajara de Araújo Júnior – Gari Rio de Janeiro
  340. Ubirajara Gomes Crespo – Aposentado – Niterói
  341. Ueides Lima Santana – Aeroviário – Niterói
  342. Valdenise Ribeiro – Servidora UFRJ – PSOL Niterói
  343. Valeziana Dolores Bouhid Seabra – Niterói – RJ
  344. Vanesa Gomes Crespo – Niterói
  345. Vanessa Montinelli – Rio de Janeiro
  346. Vanessa Neitzke Montinelli – Estudante – PSOL Volta Redonda
  347. Varlei Pereira De Almeida – Itaocara – RJ
  348. Várvara Sofia Bouhid Seabra – Niterói – RJ
  349. Vera Regina Ramos – Niterói
  350. Verónica Ribeiro – PSOL Campos dos Goytacazes
  351. Victor Aksenow – Estudante UFRJ – PSOL Rio de Janeiro
  352. Victor Antunes  Guimaraes – Advogado – Niterói
  353. Victor de Oliveira Freitas – Maricá – RJ
  354. Vinicius Rodrigues Mesquita – Profº Academia – Niterói
  355. Vitoria Pinto Antunes – Estudante – PSOL Volta Redonda
  356. Wagnon Soresine de Oliveira – PSOL Rio de Janeiro
  357. Walace Ministério Bezerra – Gari Rio de Janeiro
  358. Walmir Freitas de Oliveira – Gari Rio de Janeiro
  359. Walter Ivan Bezerra – PSOL Rio de Janeiro
  360. Wânia Ribeiro –  Diretora do SINTUFF – PSOL Niterói
  361. Wellington Hamburgão – Metalúrgico – PSOL Niterói
  362. Welton Barbosa – Gari Rio de Janeiro
  363. William Moura dos Santos – Gari Rio de Janeiro
  364. Yago Jose Medeiros Papa – Juventude – Rio de Janeiro
  365. Ygor Azencleve Santanna Moreira – CEDAE – Rio de Janeiro/RJ
  366. Zulmair Rocha – Fotografo – Niterói

Pará

  1. Abdik Araújo Dos Santos – Psol/Santarém
  2. Abrão Junior Santos Ribeiro – PSOL Pará
  3. Acrilene Pereira Rodrigues – Secundarista/Marabá-PA
  4. Adarlindo Dos Santos Figueiredo (Santarém/PA)
  5. Ademar Cabral Sa (Santarém/PA)
  6. Adilson Correa De Sousa (Santarém/PA)
  7. Afonso Celso Modesto Moreira (Diretor Do Sindtfes)
  8. Aguinaldo Barbosa Da Silva – (Coord. Aposentado Do Sintsep/Pa)
  9. Aladia Ferreira Moraes (Psol Abaetetuba)
  10. Alan Tavares Dos Santos (Santarém/PA)
  11. Alberto De Andrade Raiol Junior
  12. Alcilei Sa Ferreira (Santarém/PA)
  13. Alcione Canto Leite Brito (Santarém/PA)
  14. Alessandra Cristina Guimaraes Teixeira (Santarém/PA)
  15. Alessandra Rejane Martins Brito (Santarém/PA)
  16. Alex Barata Silva
  17. Alexandre De Jesus Soares Barros
  18. Alexandre Wander Martins Brito- Psol-Santarém/Pa
  19. Alexia Samia Correa Dias
  20. Amanda Conceição Da Silva (Psol Soure)
  21. Ana Dayse Garcia Rodrigues (Santarém/PA)
  22. Ana Lívia Protázio Sá (Belém)
  23. Ana Paula Da Silva Feio
  24. Anadia Ferreira Moraes (secretária),
  25. Andréa Maicher (pofessora),
  26. Andréa Tavares De Souza
  27. Andrey Jeferson Ferreira Batista (Belém)
  28. Anne Cristine Miranda Da Silva
  29. Antonio Carlos da Silva Santiago
  30. Antônio Vital Costa (Santarém/PA)
  31. Armando Mario Nascimento Pereira
  32. Artur Protázio Filgueiras (Belém)
  33. Augusto Chaves Martins (Santarém/PA)
  34. Auristeles De Sousa Silva (Santarém/PA)
  35. Bento Luis V. Machado da Silva Neto (Belém)
  36. Bernard Freire (Belém)
  37. Breno Sergio Moreira Lima (Psol Ananindeua)
  38. Camila Maria Monteiro (Viseu)
  39. Camila Branca Oliveira
  40. Capitulina da Silva Lima (Belém)
  41. Carla Beatriz Oliveira
  42. Carlos Alberto Nunes Junior
  43. Carlos Eduardo Santos Santiago (Belém)
  44. Carlos Elson Rolo Silva
  45. Carlos Gabriel Moreira – UNIFESSPA/Marabá-PA
  46. Carlos Roberto Teixieira Moreira
  47. Carmem Avelar
  48. Carmem Lúcia (Kalú – mestre em Educação),
  49. Carolina De Melo Lopes
  50. Cassia Hellen Santa Rosa Lisboa – Sao Caetano de Olivelas/PA
  51. Celivaldo Oliveira Dos Santos (Santarém/PA)
  52. Celso Cabral De Oliveira Junior (Belém)
  53. Chirlene Do Socorro Da Silva Teixeira (Santarém/PA)
  54. Cidjalma Tavares Dos Santos- (Psol-Santarém/Pa)
  55. Cintia Valeria Lima Dos Reis (Belém)
  56. Claudenir Joao Da Silva Teixeira (Santarém/PA)
  57. Cosme Jose De Deus Simite Belém/O.M
  58. Cristiane Rodrigues Paz (Santarém/PA)
  59. Daniel Carvalho Costa
  60. David William Queiroz Paixão (Psol Ananindeua)
  61. Debora Aline Teixeira Costa (Santarém/PA)
  62. Denilson Gomes Da Silva- Psol-Santarém/Pa
  63. Dorotéia Paz Vasconcelos (Santarém/PA)
  64. Eder Carlos Sousa E Silva (Santarém/PA)
  65. Ediane Cardoso Pinto
  66. Edinardo De Freitas Lobato
  67. Edionice Cardoso Pinto
  68. Eduardo Magno Teixeira (Coord. Jurídico Do Sintsep/Pa)
  69. Eduardo Pinheiro
  70. Eduardo Protázio Filgueiras (Belém)
  71. Edward Silva de Almeida
  72. Elenice Do Socorro Nazare Lisboa (Belém)
  73. Eliana Cristinha Da Silva Hungria
  74. Elisangela Margalho Araujo
  75. Eliseu De Azevedo E Silva (Santarém/PA)
  76. Elizabeth Tavares De Souza
  77. Emanuel Vitelli Lima
  78. Eufrozina Ferreira
  79. Eva Da Rocha Furesz
  80. Evaldo Da Costa Laranjeira
  81. Ewerton Dos Santos Barros
  82. Eziel Duarte De Almeida (Belém)
  83. Fabio Moroni Cardoso De Oliveira (Belém)
  84. Fabio Sousa Da Costa (Santarém/PA)
  85. Felipe Dos Santos Dias
  86. Felipe Gonçalves
  87. Felipe Melo Dos Santos – Suplente Do Diretório Estadual Psol/Pa
  88. Francisco Da Silva Brito – Coord. Sintsep-Pa/ Psol-Santarém/Pa
  89. Francisco De Freitas Bezerra (Santarém/PA)
  90. Francisco Do Socorro Pereira Lopes – Diretório Municipal Psol/Pa
  91. Francisco Dos Santos Neto
  92. Francisco Freitas (Santarém/PA)
  93. Francisco Macêdo Dos Reis
  94. Frediney Ribeiro Almeida (Santarém/PA)
  95. George Márcio Tavares De Souza
  96. Gerson Da Silva Lima – Coord. Geral Do Sintsep/Pa (Belém)
  97. Hanna Carolinas Tavares de Souza
  98. Heron Cavalcante
  99. Iago Santos Souza – Secundarista/Marabá-PA
  100. Idorivaldo Martins Rosa
  101. Igor Jorge Araújo Santiago
  102. Iranil Galvão – SINTEPP Acará-PA
  103. Iranilda Lima dos Reis
  104. Irlei Saulo Batista Araujo
  105. Ivanilde Pinheiro Da Silva
  106. Ivanildo Pinheiro da Silva
  107. Ivo Pontes Pimentel
  108. Jackelline Ohana Santos Gonçalves
  109. Jadson Lobato Gonçalves
  110. Jassar Protázio Loureiro (Belém)
  111. João Carlos Da Silva Santiago – (Membro Do Diretório Estadual Psol/Pa) (Belém)
  112. João Lopes Do Rosário
  113. Joel Da Cruz Souza
  114. Joelma Sousa Lima – Secundarista/Marabá-PA
  115. José Carlos Messias da Silva (Belém)
  116. Joice Siqueira De Souza (Belém)
  117. Jonathas Rodrigues Barros
  118. José Eduardo Nascimento de Sousa – Secundarista/Marabá-PA
  119. José Iran Nascimento Silva
  120. Jose Kennedy Oliveira De Araujo (Santarém/PA)
  121. José Maria Rodrigues Ferreira
  122. Josefa Oliveira Lima (Castanhal)
  123. Joyce Helen Costa Ferreira
  124. Joyce Naiara Martins Medeiros (Santarém/PA)
  125. Juana Bastos Borges (Belém)
  126. Karla Natasya Souza Santos
  127. Karoline Valesca Martins Brito-( Psol-Santarém/Pa)
  128. Katia Rosangela Tavares Souza – (Coord. Geral Do Sindtifes) (Belém)
  129. Lana Cordeiro Messias da Silva (Belém)
  130. Lana Klaysi Brito Da Silva
  131. Larissa Maria Carneiro Dos Passos
  132. Leandro Oliveira Ferreira – Jornalista (Ananideua)
  133. Lenaide Isis Pamplona (Belém)
  134. Lenaide Maria Guedes Gama
  135. Letícia Suane Silva Silva (Santarém/PA)
  136. Lorena Garcia Da Rosa
  137. Lourdes Maria Rodrigues Duarte
  138. Lucia Maria Guedes Gama
  139. Luciano Tavares Dos Santos- (Psol-Santarém/Pa)
  140. Lucileia Do Socorro Pena Sousa
  141. Lucileia Gomes Almeida
  142. Lucivaldo Freitas Da Silva (Santarém/PA)
  143. Luis Carlos Messias da Silva (Belém)
  144. Luis Sergio De Lima Botelho (Ananindeua)
  145. Luiz Felipe
  146. Luiz Fernando Passinho da Silva
  147. Luzia Pereira Costa – (Coorda. Aposentados Sintsep/Pa)
  148. Maclaene Marinho Mota (Santarém/PA)
  149. Magnun Williston Lima Dos Reis
  150. Maiza Souza Monte (Belém)
  151. Manoel Do Lago
  152. Manoel Garcia Barata
  153. Manoel Pereira
  154. Manoel Pinheiro da Silva
  155. Manoel Rodrigues Pessoa
  156. Marcelo De Alencar Lourinho
  157. Marcio Antonio Ribeiro Lima
  158. Marcio Araújo – (Psol/Parauapebas)
  159. Marcio Lima Amaral – Cipeiro Da Viação Forte – (Ananindeua )
  160. Marcos Lobato Pureza Da Silva – (Vice Pes. Sind. Químicos De Barcarena)
  161. Marcus Benedito Ferreira Lobato (Belém)
  162. Margarethe Formentini
  163. Maria Aldelice Rodrigues Gomes – (Coorda. Do Sintsep/Pa)m (Ananindeua)
  164. Maria Carmelita Guimaraes Pinto (Santarém/PA)
  165. Maria Da Consolacao Rodrigues – Coorda. Do Sintsep/Pa) (Ananindeua)
  166. Maria Das Gracas Sousa E Silva (Santarém/PA)
  167. Maria De Fatima Santos Costa (Santarém/PA)
  168. Maria Deoide De Sousa Lira (Santarém/PA)
  169. Maria do Socorro Rodrigues Gomes
  170. Maria Eloiza De Castro Freire
  171. Maria Iracilda De Sousa Araujo (Santarém/PA)
  172. Maria Rosa Tavares Dos Santos- (Psol-Santarém/Pa)
  173. Maria Santana Leão Maduro- (Psol-Santarém/Pa)
  174. Maria Zila Da Silva Camarao – Diretora Do Sindtfes
  175. Mariana Trindade Cruz (Belém)
  176. Marilú Rosa De França
  177. Mário Leal Lobato
  178. Marisete Silva Oliveira
  179. Marivaldo Ferreira Lobato
  180. Mariza Das Mercês M. Dos Santos – (Diretório Estadual Psol/Pa) (Belém)
  181. Marlene Da Silva (Santarém/PA)
  182. Marlon William Dos Santos Gama
  183. Matheus Serra Lobato
  184. Mauro Jose Souza De França
  185. Mauro Nazareno Silva (Itaituba/Pa)
  186. Max Lima Amaral
  187. Maximo Araújo Nunes (Santarém/PA)
  188. Meriam da Costa Souza
  189. Miclele Noemi Santos dos Santos
  190. Mileni Do Carmo Pereira (Santarém/PA)
  191. Mirian Rejane Texeira Alberto – Belém
  192. Monique Silva (PSOL/PA)
  193. Natalia Aline Da Silva (Santarém/PA)
  194. Natália Téssia Dias Santos
  195. Neyvan Borges Lima
  196. Nilma Moreira Da Costa
  197. Osmarino Avelar Dos Santos (Belém)
  198. Ozias de Nazaré – Aposentado
  199. Paulo Eduardo Lobato Formentini
  200. Paulo Silvan Anjos Dos Santos (Santarém/PA)
  201. Raimunda Martins Costa (Santarém/PA)
  202. Raimundo Sergio Messias da Silva (Ananindeua)
  203. Raisson Monteiro Bessa
  204. Raphael Castro Da Conceicão (Belém)
  205. Raylana Freitas Da Fonseca – Psol-Santarém/Pa
  206. Rayline Freitas Da Silva
  207. Rebeca Martins Da Silva (Santarém/PA)
  208. Regiane Da Cruz Gama (Santarém/PA)
  209. Regina Celia Araújo Santiago
  210. Regina Maria Martins Brito (Coord, Sintsep/Pa – Santarém/Pa)
  211. Reginaldo Augusto Moto De Souza
  212. Reginaldo Do Socorro. De S. Cordeiro
  213. Reinaldo Divino
  214. Rejane Camarão Farias
  215. Renan Silva Quaresma
  216. Renata De Oliveira Durval
  217. Ricardo Leão Ribeiro Wanzeller (Psol Ananindeua)
  218. Risomar Macambira Martins (Santarém/PA)
  219. Rita de Cássia da Silva Soares (Belém)
  220. Rita Cristina Ferreira
  221. Rita Cristina Lopes Ferreira
  222. Roberto Alves Moura
  223. Rodrigo da Conceição Silva – Secundarista/Marabá-PA
  224. Rodrigo Pereira (Bancário)
  225. Rodrigo Silas (Bancário)
  226. Rosa Dos Santos Goes (Santarém/PA)
  227. Roseane Pantoja Da Cruz Leal
  228. Rubem De Souza Meireles Junior
  229. Rusiclea Rodrigues Veloso
  230. Sâme Mota Parafita – Belém
  231. Sara Brenda Duarte
  232. Sergio Carlos Messias da Silva (Belém)
  233. Sergio Gonçalves Lima
  234. Sergio Gonçalves Lima Junior
  235. Shelsea Adriane Azevedo Coelho (Santarém/PA)
  236. Silas Rodrigo Guedes Silva
  237. Sinara Glayse Maduro- (Psol-Santarém/Pa)
  238. Suanne Almeida Barbosa
  239. Tailson Furtado Silva (Belém)
  240. Tainá De Souza Nacimento (Belém)
  241. Talison Regi Furtado Silva (Belém)
  242. Telle Malco Pereira Martins (Santarém/PA)
  243. Telma Tereza Marinho Mota (Santarém/PA)
  244. Thais Bastos Borges (Belém)
  245. Thiago Siqueira Silva
  246. Ubaldino Pavão (Belém)
  247. Valter Oeiras Cardel
  248. Vanessa Roseno Da Silva
  249. Vitoria Emanuelle Da Silva Dias
  250. Viviane Ferreira De Brito (Santarém/PA)
  251. Wanessa Oliveira – Ananindeua
  252. Wesley Ferreira Santos (Belém)
  253. Willans Breno Souza
  254. William Breno Rodrigues Castro
  255. Zeneide Quemel Monteles (Santarém/PA)
  256. Zuleide Alves da Silva

Amapá

  1. Maick Wesley Vasconcelos Corrêa

Maranhão

  1. Claudemir Teixeira Oliveira – Bancários – Executiva Municipal São Luís MA;
  2. Joivaldo Sousa Lopes – IFMA
  3. Rafael Araújo da Silva – PSOL Codó.
  4. Wanice Cristina Trindade Costa – PSOL Codó                        

São Paulo

  1. Adonias dos Santos Neri – Professor – São Paulo
  2. Afonso dos Santos Lima – São Paulo
  3. Alisson dos Santos Cardoso – Campinas
  4. Allan Patrick Barboza Gomes – Campinas
  5. Anna Emília Limongi de Vasconcelos – Campinas
  6. Caio Cesar Martins Soares da Silva – São Paulo
  7. Christian Queiroz de Cordeiro Souza – Campinas
  8. Cláudio Grigoletto – Professor – São Paulo
  9. Danilo Silva Rocha – São Paulo
  10. Diego Weidemann Rache Vitello – CIPA Metro – São Paulo
  11. Douglas Sena Rodrigues – Campinas
  12. Eduardo da Silva Rosa – São Paulo – SP
  13. Felipe Ramires Neudl – São Paulo – SP
  14. Filipe Surian Ferreira – Campinas
  15. Gabriel Bispo Guimarães – Campinas
  16. Gabriela Henrique de Carvalho Braga – São Paulo
  17. Guilherme Pissuti Damalio – Campinas
  18. Guilherme Prata Gonçalves – São Paulo
  19. Gustavo Cardoso Pereira – Campinas
  20. Gustavo Oliveira da Silva – Campinas
  21. Iara Marquez Ferolla – São Paulo
  22. Igor Gomes Novais de Sousa – Campinas
  23. Isabel Godoy Gomes de Oliveira – São Paulo
  24. Jefferson Rodrigo Santos Souza – Campinas
  25. Jhonatan Weverson Silva Santos – São Paulo
  26. Johann Willy Maradei Muller – São Paulo
  27. Kaique Silva Dalapola – São Paulo
  28. Lorena Fernandes Silva – São Paulo
  29. Lucas Felix Dantas Rocha – Campinas
  30. Lucas Oliveira Moreira – Fartura
  31. Manoel Souza Ferreira Filho – Campinas
  32. Marcel Souza Ferreira – Campinas
  33. Mateus Pereira do Carmo – Campinas
  34. Maurício Hirofumi Miaguchi – Campinas
  35. Natan Rodrigues de Oliveira – Campinas
  36. Nelson André Carvalho Castilho – São Paulo
  37. Patrícia Gabrielle dos Santos – São Paulo
  38. Priscila Guedes da Silva – São Paulo
  39. Rafael Ferrari Ananias – São Jõa da Boa Vista
  40. Rafael Sabino de Souza – São Paulo
  41. Renan Marques Gomes Coelho
  42. Stella Silva Dalapola – São Paulo
  43. Thiago Suzuki Conti Miaguchi – São Paulo
  44. Vinicius Ranieri dos Nascimento – Campinas
  45. Wallace Yuri Leray Garcia – São Paulo
  46. Wanderleia Correia da Silva – São Paulo 

Paraná

  1. Antonie Ramos Goes – Piraquara

Tocantins 

  1. Nercy Maria Resende Carvalho

Minas Gerais

  1. Adaílton Marques – Diretório Municipal PSOL Barbacena
  2. Alicia Pereira Pinho – Letras PUC Coreu Belo Horizonte
  3. Ana Lúcia de Paula – Nutrição UNA Belo Horizonte
  4. Ana Raquel Costa Squarcio – História PUC Coreu Belo Horizonte
  5. Ana Maria Castela Gonçalves – Coemrciante – Belo Horizonte
  6. Andressa Rocha – Arquitetura PUC Coreu Belo Horizonte
  7. Anna Karolina Granato de Assis – Secundarista Belo Horizonte
  8. Arthur Henrique – Advogado – Uberlândia
  9. Augusto Porto – Uberlândia
  10. BarbacenaAlicia Pereira Pinho – Letras PUC Coreu Belo Horizonte
  11. Bruna Gomes de Assis – Saúde Privada Belo Horizonte
  12. Bruna Linea Almeida Santos – Arquitetura PUC Coreu Belo Horizonte
  13. Caio Escolano – Ciências Sociais UFU Uberlândia
  14. Cindy Dias de Abreu Eccard – História PUC Coreu Belo Horizonte
  15. Claudia Sibelo Werner – Bacharel em Direito Belo Horizonte
  16. Daniel Guedes – Psicologia PUC Coreu Belo Horizonte
  17. Danilo Bianchi Moreira – Executiva Estadual PSOL MG
  18. Déborah Angelita Rodrigues Batista – Letras PUC Coreu Belo Horizonte
  19. Edivaldo de Paula – Diretório Municipal PSOL Belo Horizonte
  20. Edna Castro Leite – Diretório Municipal PSOL Barbacena
  21. Eliezer Jose Lonczynki – Operador ALMAVIVA Belo Horizonte
  22. Everton Luiz – Diretório Municipal PSOL Belo Horizonte
  23. Felipe Garcia – Belo Horizonte
  24. Francielle Cristiane Pinto – Psicologia PUC SG Belo Horizonte
  25. Gabriel Luiz de Faria Campos – Arquitetura UNI Belo Horizonte
  26. Gabriela Araujo – Professora Uberlândia
  27. Gerson Appenzeller – PSOL MG
  28. Henrique de Souza Felix – História PUC Coreu Belo Horizonte
  29. Hinuany Borges – Professora Da Rede Estadual Uberlândia
  30. Hugo Eustáquio Nascimento – Direito PUC Coreu Belo Horizonte
  31. Isabela Valentim – Teatro UFU Uberlândia
  32. Isadora Bueno – Uberlândia
  33. Isaque Castella – Jornalismo UFMG Belo Horizonte
  34. Ivo Lelis – Diretório Municipal PSOL Uberlândia
  35. Jackson Adriano Gonçalves – Professor da Rede Estadual Belo Horizonte
  36. Janaina Silva – Direito Uniube Uberlândia
  37. Jhonatam Soares – Diretório Municipal PSOL Uberlândia
  38. João Lucas de Pinho Carvalho – Mestrado UFV Viçosa
  39. Jonatas Israel Santos – História UFMG Belo Horizonte
  40. Jonathan Lima de Souza – Professor da Rede Estadual Belo Horizonte
  41. Juliana Natalia Reis – Arquitetura PUC Coreu Belo Horizonte
  42. Karla Monteiro França – Psicologia PUC Coreu Belo Horizonte
  43. Karol Nascimento – Psicologia PUS SG Belo Horizonte
  44. Lauane Costa dos Santos – Psicologia PUC SG Belo Horizonte
  45. Lorrane Yamada – Relações Internacionais Uberlândia
  46. Lucas Eduardo – Arquitetura E Urbanismo UFU Uberlândia
  47. Ludmila Maria Rocha – História PUC Coreu Belo Horizonte
  48. Manoela Oliveira – Sistema De Informações Uberlândia
  49. Marina de Castro Sampaio – História PUC Coreu Belo Horizonte
  50. Matheus Henrique de Jesus Jesuíno – História PUC Coreu Horizonte
  51. Matheus Maia – Jornalismo UFU Uberlândia
  52. Natália Granato de Assis – Diretório Estadual PSOL MG
  53. Natália Lucena – Ciências Sociais UFU Uberlândia
  54. Nayara Carolina – Psicologia Unitri Uberlândia
  55. Nara Ferrreira Souza Santos – Estudantes – Belo Horizonte
  56. Naziel Aziz Kalil – Técnico em Eletrônica Belo Horizonte
  57. Patrícia Nunes – Belo Horizonte
  58. Pedro Henrique dos Santos – História PUC Coreu Belo Horizonte
  59. Pedro Paulo – Ciências Sociais UFU Uberlândia
  60. Priscilla Ingrid Machado de Macedo – Advogada Belo Horizonte
  61. Rana Agarriberri – Executiva Municipal PSOL Belo Horizonte
  62. Raphael Correa – Psicologia UFMG Belo Horizonte
  63. Robson Alfredo de Carvalho Soares – História PUC Coreu Belo Horizonte
  64. Saddan Nazik Soares Kalil – Técnico em Eletrônica Belo Horizonte
  65. Samuel Figueira – Pedagogia UFU Uberlândia
  66. Valéria Ramos – Servidora UFMG
  67. Victor Xavier – Ciências Biológicas UFU Uberlândia
  68. Vinícius Fudimura – CEASA Contagem
  69. Vinicius Soares – Engenharia Mecânica UFU Uberlândia
  70. Viviane Soares – Servidora Pública Uberlândia
  71. Wellignton Vieira Silva – Biologia UNA Belo Horizonte
  72. Yara Paloma Ribeiro Santana – PUC Coreu Belo Horizonte

Santa Catarina

  1. Marcela Cornelli

Bahia

  1. Felipe da Anunciação de Jesus – PSOL Feira de Santana
  2. Sizino Oliveira da Silva – PSOL  Feira de Santana,

Rio Grande do Sul

  1. Alexandre da Silva Pinto  – PSOL Porto Alegre
  2. Alfredo Santanna Vaz – Bancário
  3. Ana Paula Martini – PSOL Passo Fundo
  4. Andreia Costa Menezes – Porto Alegre
  5. Andreia Primmaz – PSOL Passo Fundo
  6. Anna Maria Machado Miragem  – PSOL Porto Alegre
  7. Augusto de Freitas Brusch –  PSOL Porto Alegre
  8. Barbara Lawrenz Netto –  PSOL Caxias do Sul
  9. Bianca Machado Quintino Damacena – Professora do estado
  10. Bruna Postalli Müller – PSOL Passo Fundo
  11. Bruno Camilo Marchi Pereira – Municipário de Cachoeirinha
  12. Bruno Rafael Kocziceski – PSOL Passo Fundo
  13. Caio Guimarães –  – PSOL Porto Alegre
  14. Caroline da Silva Giordano – PSOL Alegrete
  15. Cesar Augusto Cardozo da Costa   – PSOL Porto Alegre
  16. Daniel Becker Pertuzatti  – PSOL Porto Alegre
  17. Daniel Dalsoto –  PSOL Porto Alegre
  18. Daniela Possebon – PSOL Santa Maria
  19. Deivis Eduardo Alves Leite – PSOL Alegrete
  20. Demetrio Luiz Alves Maia – Municipário POA
  21. Doris Chistina Weidemann Rache Vitello  – PSOL Porto Alegre
  22. Fabiano Elias Brunes – Bancário
  23. Fernando Jocimar Borges do Nascimento – PSOL Santa Maria
  24. Franco de Souza Machado – PSOL Porto Alegre
  25. Gabriel Bacarol Kerber – PSOL Passo Fundo
  26. Giovani Bertolazi Brazil – PSOL Santa Maria
  27. Gleci Regina Alves Santanna Vaz  – PSOL Porto Alegre
  28. Guido Miguel Lucero – PSOL Passo Fundo
  29. Gustavo Alvarenga de Abreu – PSOL Passo Fundo
  30. Ingra Costa e Silva – PSOL Passo Fundo
  31. Jorge Ubirajara Brando Nogueira – Professor estadual
  32. Juliana de Gonzalez e Silva    – PSOL Porto Alegre
  33. Lucas Mesch Ferreira da Silva  – PSOL Porto Alegre
  34. Lucas Schlabendorff de Andrade – PSOL SANTA MARIA
  35. Lucas Silva Skolaude – PSOL Porto Alegre
  36. Luís Guilherme Fagundes da Silva – PSOL Passo Fundo
  37. Luis Percio Garcia Alves – PSOL Alegrete
  38. Luiz Felipe Schulte Quevedo    – PSOL Porto Alegre
  39. Matheus Schneider – Direção 39 nucleo do CPERS
  40. Miraldi Júnior de Oliveira da Costa – PSOL Passo Fundo
  41. Newton Colombo de Deus Vieira  – Professor estadual
  42. Osmar Luiz Tonini  – PSOL Porto Alegre
  43. Paula Ferreira Alves – PSOL Porto Alegre
  44. Pollyana Raimunda Ferreira  – PSOL Passo Fundo
  45. Renan Cálices Capela – PSOL Porto Alegre
  46. Roberto Schneider Seitenfus – Desobedeça LGBT
  47. Rodrigo Soares Zucchelli – Desobedeça LGBT
  48. Stefani Carine Bender – PSOL SANTA MARIA
  49. Thamires Suellen dos Santos  – PSOL Porto Alegre
  50. Valquiria Menezes da Luz Brunes  – Juventude
  51. Vinicius Manoel Eckert   – PSOL Porto Alegre

DF/GO

  1. Ana Maria Campos Cesario Martínez
  2. André Tadeu de Oliveira
  3. Camila Inácio da Cunha
  4. Frederico Augusto Vieira Frazão
  5. Genivaldo Fernandes Inacio (Jonte )
  6. Janaína de Oliveira Figueiredo dos Santos
  7. João Paulo Carlos Silva
  8. Keila Nascimento Camêlo

 

 


 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *