Repudiar Maduro favorece o imperialismo?

Em resposta ao novo MAS e à LTS / PTSMiguel Sorans, líder do partido Izquierda Socialista (IS) e da UIT-QI

Existem setores de esquerda, entre eles companheiros que simpatizam com Chávez, embora sejam críticos a Maduro, e também organizações que se dizem trotskistas, que criticam a política de nossa corrente, a UIT-QI, sobre a Venezuela. Entre eles, o Novo MAS, da Argentina e a LTS, um grupo venezuelano ligado ao PTS da Argentina. Eles questionam que, juntamente com o repúdio a qualquer ameaça de invasão imperialista ou tentativa de golpe, também levantamos a consigna “Fora Maduro, por um governo dos trabalhadores!” Para eles, “o slogan fora Maduro, faz o jogo do imperialismo”. Nós discordamos dessas posições que cederam ao governo repressivo e de fome de Maduro.

Essas críticas errôneas foram desenvolvidas pelo Novo MAS em sua publicação Socialismo ou Barbárie N° 503 (14/2/2019) em nota de Víctor Artavia, acusando a UIT-QI de estar “à sombra do golpe”. Crítica semelhante foi lançada pela Liga Socialista dos Trabalhadores (LTS) no texto “Com a política do PSL não se enfrenta o imperialismo ou a direita”, publicado no Esquerda Diário em 13/3/2019.

A política de Maduro e o Chavismo é que fazem o jogo do imperialismo

Durante vários anos, na medida em que a quase desaparecida direita, os “esquálidos”, começou a recuperar a força, denunciamos que os responsáveis ​​têm sido o governo de Hugo Chávez, em primeiro lugar e, em seguida, seu herdeiro Nicolás Maduro. Eles têm alimentado a confusão e a rejeição entre os trabalhadores, fazendo com que a direita pró-ianque ressuscite e favorecendo Trump e o imperialismo politicamente.
É a conversa dupla, a conversa da “luta contra o império”, que estão construindo o socialismo, enquanto as pessoas vivem cada vez pior, por causa de um governo civil-militar anti-operário, cada vez mais ditatorial. A realidade é que o Chavismo governa, há quase 20 anos, associado às multinacionais petrolíferas, pagando dívida externa, atacando o padrão de vida dos trabalhadores e reprimindo seus protestos. É isso que vem acumulando ódio e rejeição do povo ao governo, um ódio que, infelizmente, têm capitalizado Guaidó e Trump. São essas políticas que favoreceram e fazem o jogo do imperialismo.
A partir de uma perspectiva de rejeição a qualquer tentativa de golpe militar, e também de invasão imperialista, temos que dizer claramente que existe um governo de fome e que deve haver uma mobilização independente, dos trabalhadores e do povo, para tirar Maduro. Este é o centro da situação na Venezuela hoje.
Além disso, é muito importante esclarecer uma deturpação dos companheiros do Novo MAS. De acordo com a nota acima citada, “a UIT apela a unir-se às mobilizações (chamadas pelos conspiradores golpistas)”. Isso é mentira. Nem o UIT-QI nem a nossa seção na Venezuela, o Partido Socialismo e Liberdade (PSL), convocam a participação nos atos e mobilizações de Guaidó. É uma calúnia que deve ser removida do debate.

A LTS / PTS se soma às deturpações

Infelizmente os companheiros da LTS e do PTS, quando acrescenta ao Jornal Esquerda da Argentina o texto da LTS, se somam às deturpações contra o PSL da Venezuela e dão um apoio vergonhoso a Maduro. Pretende-se dizer que o PSL estaria convocando a se juntar às mobilizações de Guaidó. Isso é mentira. E como eles não podem provar isso, eles tentam confundir inventando alegadas citações do PSL de que estariam chamando “todos contra Maduro”, “todos podemos estar juntos”, “sem diferenciar o caráter de classe”.
É totalmente falso que o PSL tenha lançado o slogan “Todos podemos estar juntos” contra Maduro e que não se concentre em chamar os trabalhadores para uma mobilização independente de Guaidó e Maduro. E acabam com outra mentira, acusando o PSL de não fazer “uma denúncia furiosa ao golpe avançado”. Desde o primeiro momento, o PSL denuncia a interferência imperialista e a tentativa de golpe, assim como denunciou Guaidó. De acordo com a LTS / PTS “o retorno da direita neoliberal e pró-imperialista ao poder neste contexto não parece ser um grande problema para o PSL”. É lamentável que setores revolucionários usem esse tipo de linguagem caluniosa. Da nossa parte continuaremos refutando as distorções e falsificações, mas vamos nos concentrar em dar uma resposta política e ajudar lutadores a tentar desvendar o que é uma política revolucionária real a se travar contra a direita e não a traidores do movimento operário como Maduro e companhia.

Seguimos os ensinamentos de Lênin

Este é um debate muito importante e necessário entre os revolucionários e toda a esquerda. Na situação atual da Venezuela, no contexto da rejeição da tentativa de golpe e da interferência imperialista, nós categoricamente dizemos que não dizer que Maduro deve ser removido do governo a partir dos trabalhadores independentes e da mobilização popular é fazer o jogo de Maduro e de seu governo civil-militar, odiado pelo povo. É capitular a Chávez.
Esse é o conhecido argumento dos chavistas de procurar manter-se no poder de maneira ditatorial, acusando de “pró-yanqui” a todos os de esquerda que não os apoiam. O grande problema na Venezuela é que milhões de trabalhadores e jovens odeiam Maduro e seu ajuste e equivocadamente se voltam para apoiar Guaidó. As posturas como a do Novo MAS e LTS / PTS, que mancam em direção a Maduro, se recusam a apresentar uma opção revolucionária à direita pró-Ianque.
O PSL e a UIT-QI repudiam a atual tentativa de golpe. Entretanto, ainda não aconteceu uma situação comparável à de golpe pró-EUA e boicote de petróleo contra Chávez em 2002-03, quando nossos companheiros venezuelanos foram, com o apoio de toda a nossa corrente, para a primeira fileira da mobilização operária e popular para derrotá-los, o que se conseguiu com sucesso. Se isso acontecer, repetiremos a mesma política que tivemos em 2002-03.
Nesse sentido, seguimos os ensinamentos de nossos professores Lênin e Trotsky. Aos companheiros do Novo MAS e LTS / PTS, assim como outros setores que se reivindicam anti-imperialistas e de esquerda mas que questionam nosso repúdio permanente ao governo e ao regime Maduro, por seu falso discurso “socialista” e sua repressão, reivindicando um governo dos trabalhadores, queremos que eles se lembrem o ensinamento deixado por Lenin em 1917 frente ao golpe contra-revolucionário do general Kornilov contra o governo burguês e a conciliação de classes que encabeçava o “socialista” Kerensky e era composta por mencheviques. Desde que chegou em Petrogrado em abril de 1917, Lênin conseguiu que os bolcheviques adotassem a sua política de não dar qualquer apoio ao governo provisório burguês que surgiu da Revolução de Fevereiro, e impulsionar a tomada do poder pelos soviéticos e um governo operário e camponês sem a burguesia. Em agosto-setembro, antes do golpe de Kornilov contra o governo provisório, Lênin foi categórico: nem durante a preparação, nem quando se colocou em prática, os bolcheviques deveriam abandonar a sua oposição ao governo de Kerensky.
Em meados de agosto, já havia rumores por toda a Rússia de uma revolta contrarrevolucionária liderada por Kornilov. Frente à dúvida de muitos líderes bolcheviques sobre incentivar um bloco para “defender” Kerensky, Lenin disse: “[…] os bolcheviques que tinham concordado em entrar em um bloco com os defensistas […] para expressar indiretamente a confiança no governo provisório (que se diz defensor, supostamente, dos cossacos) seriam imediatamente expulsos do partido – e com toda razão.” (Os rumores de uma conspiração, 18-19 agosto 1917). Lenin foi mais do que categórico: expulsão de qualquer “forma indireta” de apoio ao governo de Kerensky. Em outras palavras, um governo com um duplo discurso “socialista”.
Nas notas mencionadas, o novo MAS e LTS / PTS acusam a UIT-QI de levantar “a consigna “fora Maduro”, a mesma que agitam Guaidó e Trump como parte do golpismo”. Mas também Lenin e Trotsky clamavam Fora Kerensky, o mesmo slogan que os líderes golpistas de Kornilov e da direita contrarrevolucionária russa estavam levantando. Os socialistas revolucionários fazem isso de uma perspectiva totalmente oposta, defendendo os interesses da classe trabalhadora. Kornilov / Guaidó e Trump fazem isso a serviço da contrarrevolução imperialista.
Quando finalmente se concretizou a tentativa de golpe em setembro de 1917, Lenin e Trotsky promoveram a mobilização para detê-lo e vencê-lo. Inclusive, naqueles dias, se suspendeu os slogans “abaixo Kerensky” e “todo o poder aos sovietes”, retomando-os imediatamente quando Kornilov fracassou.
Nesse sentido, nossa corrente é coerente com as tradições e ensinamentos de nossos mestres revolucionários, ao defender claramente uma política de independência de classe e condenação permanente dos governos burgueses que atacam o movimento dos trabalhadores com suas posições de centro-esquerda, com seu “socialismo” pseudo-revolucionário ou falso.

Se houver uma invasão militar imperialista, seguiremos o conselho de Trotsky.

A LTS / PTS nos diz que iria contra o plano de Trotsky que, em uma conversa com o líder operário trotskista argentino Mateo Fossa, referindo-se à luta dos povos oprimidos contra o imperialismo, deu um exemplo hipotético de como responder a um golpe, caso uma Inglaterra “democrática” invadisse o Brasil governado pelo semi-fascista Getúlio Vargas. Ele disse: “Suponha, no entanto, que amanhã haja um conflito militar com o Brasil. De que lado a classe trabalhadora estará localizada nesse conflito? Nesse caso, eu estaria pessoalmente junto com o Brasil “fascista” contra a Grã-Bretanha “democrática”. Por quê? Porque não seria um conflito entre democracia e fascismo.” (23/9/1938, Escritos, volume X, vol.1, Pluma, Bogotá, 1979).
Nós concordamos com essa recomendação de Leon Trotsky. Mas este não é o caso neste momento na Venezuela. Ainda não há uma invasão militar nem um golpe da direita. Há tentativas, mas não é a situação atual. Publicamente e repetidamente temos dito que, se acontecer a invasão militar dos Estados Unidos, com o apoio de outros países, como disse Trotsky, circunstancialmente estaríamos no campo militar – apenas militar – da ditadura repressiva de Maduro. Sem lhe dar qualquer tipo de apoio político. A mesma coisa se ocorresse um golpe militar pró-ianque, ao qual já nos referimos anteriormente. Nisso não temos dúvidas ou ambiguidades. Não existe ainda uma situação comparável à invasão norte-americana contra Saddam Hussein em 2003. Tampouco é o caso da Guerra das Malvinas, de 1982, contra a Inglaterra, sob a ditadura genocida de Galtieri. Em ambos os casos, os revolucionários estavam do lado da nação oprimida e contra o imperialismo.
A UIT-QI e o PSL mantêm uma posição clara, baseada em princípios e revolucionária. Repudiamos qualquer tentativa de golpe e ameaças de invasão militar pela ala direita de Guaidó e Trump. Chamamos o povo trabalhador para, através de uma grande mobilização, tirar Maduro e impor uma solução operária e popular para a crise da Venezuela.

Traduzido por Bianca Damacena

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *