Alan Garcia e Odebrecht

Escreve Miguel Lamas (Jornal El Socialista, Esquerda Socialista – Argentina)

Quando iam prender o ex-presidente do Peru, investigado pelos sobornos da Odebrecht, ele se suicidou. Uma nova consequência da gigantesca rede de corrupção montada por grandes capitalistas multinacionais brasileiros junto a presidentes, funcionários e empresários de dezesseis países.

Além de Alan García (presidente em 1985-1990 e 2006-2011), outros três ex-presidentes peruanos, Alejandro Toledo, Ollanta Humala y Pedro Pablo Kuczynski (que acaba de ser detido) e a líder da oposição, Keiko Fujimori, estão implicados nos subornos da Odebrecht.

Alan García foi também responsável por massacres, entre eles o de Baguazo, onde foram assassinados mais de cem indígenas amazônicos para que suas terras fossem tiradas e entregues às multinacionais petroleiras e mineiras. Esse crime terminou impune.

Trama corrupta internacional

A chamada operação Lava Jato no Brasil mostrou um gigante esquema de lavagem de dinheiro na qual aparecem envolvidas a estatal Petrobras e as principais empresas de construção do país, entre elas Odebrecht, OAS e Camargo Corrêa.

Foram presos 77 executivos da Odebrecht (incluindo seu dono, Marcelo Odebrecht, condenado em princípio a 19 anos de prisão). No Brasil funciona o sistema o sistema de delação premiada, que foi utilizado para se descobrir que foram utilizados 778 milhões de dólares para subornar funcionários e dirigentes políticos do Brasil, PerU, Antigua e Barbuda, Argentina, Chile, Colômbia, Equador, El Salvador, Guatemala, México, Moçambique, Panamá, Portugal, República Dominicana, Bolívia e Venezuela. No Brasil está preso o ex-presidente Lula, e envolvido o sucessor de Dilma, Michel Temer, centenas de parlamentares e funcionários do PT, PSDB e PMDB. Um juiz norte americano condenou Odebrecht a pagar 2,6 bilhões de dólares.

O sistema milionário de suborno

O sistema se generalizou quase por todos os países. Grande parte dos políticos a serviço dos grandes capitalistas fazem suas campanhas e fortunas pessoais financiadas por grandes transnacionais. Logo eleitos esses devolvem oferecendo grandes obras superfaturadas às empresas “amigas” que os financiaram. Isto se paga com dívida pública, que o povo paga com seus impostos, paga-se também com cortes nos orçamentos da saúde e educação, aumentos de tarifa e etc. Muitas vezes são obras com pouca necessidades, como os estádios da Copa em locais com futebol sem expressão.

A corrupção capitalista vai mais além dos discursos e nacionalidades, inclui aos falsos esquerdistas como Maduro e Evo Morales, e a direitistas como Macri ou o peruano Kuczynski, e empresas norteamericanas, chinesas, latino americanas e européias.

Não se iniciou a Lava Jato por causa de “bons” juízes. Em todos os estados capitalistas a justiça é parceira e funciona a serviço do grande capital. Sérgio Moro, o juíz central da Lava Jato, é agora ministro do ultradireitistas Bolsonaro e legitima o ataque às conquistas dos trabalhadores.

O fator que trouxe a tona este enorme escândalo no Brasil foi a grande mobilização de indignação por causa dos grandes gastos com os estádios da Copa, quando se estava cortando verbas da saúde e educação. As mobilizações contra a corrupção também se estenderam ao Peru.

Argentina: como estão as coisas?

Na Argentina estão envolvidos macristas e kirchneristas com Odebrecht. O próprio governo de Macri reconheceu que essa multinacional corrupta financiava o partido do governo, PRO.

Em 2007, Angelo Calcaterra, primo do presidente Macri, “comprou” a construtora Iecsa para sua família. A empresa é parte do Grupo Obras, Desenvolvimentos e Serviços (ODS) junto com outras empresas. A italiana Ghella S.P.A. participa do seu quadro acionário. No dia 23 de janero de 2008, o governo de Cristina Kirchner repassou uma obra do trem Sarmiento a Iecsa, Odebrecht, Ghella e Comsa. Na atualidade, a partir do escândalo, Ghella se tornou a dona majoritária da construção.

Segundo emails obtidos pela polícia brasileira desde o computador do diretor da Odebrecht, em junho de 2010 ocorreram reuniões com Iecsa para se negociar subornos de 20 milhões de dólares. Todos os corruptos e envolvidos nesse esquema devem ser presos, como reivindicou o deputado Juan Carlos Giordano quando apresentou em 2017 no Congresso da Nação o projeto do partido Esquerda Socialista e da Frente de Esquerda.

Este sistema capitalista, seus governos e juízes permitem estes grandes negócios que temos de combater. Não só os subornos, mas as grandes negociações das quais participam estas multinacionais mafiosas ligadas aos governos de turno.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *