Construir uma chapa unificada dos setores combativos no SINTUFF

Publicamos a seguir um manifesto propondo a unificação dos lutadores nas eleições sindicais da UFF, em particular a unidade das forças da CSP-CONLUTAS.

Diante dos ataques dos governos, dos reitor e do peleguismo da cúpula das centrais é fundamental a unificação numa mesma chapa dos setores classistas.

Boa leitura!


Construir uma chapa unificada dos setores combativos no SINTUFF

Para enfrentar os ataques de Bolsonaro e do reitor

O governo Bolsonaro tenta aplicar violentos ataques, como a reforma da previdência, desmonte dos serviços públicos e dos direitos trabalhistas, ataques à população negra, às mulheres e a LGBTs. A educação pública é um alvo prioritário, vide os recentes cortes de verbas que colocam em risco o funcionamento de universidades e escolas federais. Junto a isso, a reitoria da UFF se empenha para acabar com uma conquista de décadas, que é a jornada de 30 horas, além de criminalizar nossas lutas. É a mesma reitoria que se recusa, até o momento, a coincidir com a proposta lançada pela categoria: convocar a comunidade universitária, de forma unitária com as entidades sindicais e estudantis, a defender a UFF, a autonomia universitária e os direitos de servidores, docentes e estudantes. A mobilização da educação básica a onda nacional de lutas contra os cortes demonstram que há forte disposição de luta. Nos próximos dias teremos o desafio de construir atos locais e preparar uma forte jornada nacional de 15 de maio, rumo à greve geral em 14 de junho.

Para superar o peleguismo das cúpulas das Centrais

Construímos calendários das centrais e atuamos com ampla unidade de ação contra Bolsonaro, mas não baixamos nossa guarda. Já vimos as maiores centrais desmarcarem as greves gerais contra o governo Temer. UGT e Força Sindical querem “melhorar” a reforma de Bolsonaro. Governadores do PT estão pactuando com o ajuste fiscal do governo. Na Bahia, o governador Rui Costa (PT) defende a reforma e corta ponto de docentes em greve. Exigimos que as centrais construam de fato a greve geral e repudiem integralmente a reforma, assim como os partidos que se reivindicam de oposição parem com o ajuste fiscal, de apoiar a reforma e reprimir greves onde governam.

Unificar os lutadores para fortalecer o rumo votado no 8º CONSINTUFF

A corrente sindical Combate/Manifeste-se, que está na direção do SINTUFF, propõe a lutadoras e lutadores classistas e de esquerda a formação de uma chapa unificada com base na plataforma do 8º Congresso do SINTUFF e demais resoluções das assembleias. É um chamado a seguir aplicando o programa do Congresso da entidade, cujo texto “Batalhar por uma greve geral de 48 horas e construir uma alternativa de esquerda” foi aprovado pela maioria dos coletivos presentes (Combate/Manifeste-se; MAIS/ antecessor da corrente Resistência; PSTU, Unidos pra Lutar; e UFF em Nossas Mãos). Propomos uma chapa dos coletivos que integram a CSP-CONLUTAS, em especial as correntes que constroem o coletivo Base na FASUBRA (PSTU e Unidos pra Lutar), com as quais construímos uma chapa no Congresso da Federação.

Propomos uma chapa unitária com os seguintes eixos centrais:

1. Unidade para derrotar a reforma da previdência, os cortes de verbas da educação e demais medidas de Bolsonaro. Construir a greve da educação dia 15 de maio e a greve geral dia 14 de junho. Exigimos que as centrais construam efetivamente o dia de luta e as greves, através de fóruns de base.

2. Defender 30 horas para toda a categoria, com base no acordo de greve de 2016 e na regulamentação proposta pela comissão paritária; defender a conquista do reposicionamento dos aposentados; pela revogação da EBSERH e apoio às pautas da categoria no HUAP; por devolução da sede histórica do sindicato no Valonguinho; pelo fim de processos e ações antissindicais promovidos pela reitoria.

3. Defender o programa aprovado no 8º Congresso do SINTUFF; manter um sindicato combativo e independente de qualquer governo, reitor ou burocracia sindical. Ampla unidade de ação contra Bolsonaro e Mourão; denunciar os ataques de qualquer governo e não aceitar vacilos e traições por parte das direções majoritárias, como o desmonte de duas greves gerais em 2017 e o diálogo com Mourão.

4. Por uma FASUBRA classista, democrática, transparente e de luta, sem desmonte de greves e recuos nas pautas. Fortalecer a luta contra Bolsonaro e em defesa de educação, salário e carreira. Que se aplique a resolução de 30 horas para todos (apresentada pelo SINTUFF e aprovada em Plenária da Federação), em defesa dos aposentados e para garantir a luta pela revogação da EBSERH.

5. Manutenção de assembleias periódicas, incentivar comissões nos locais de trabalho, reuniões setoriais e as delegacias de base, para que a categoria siga decidindo. Nenhum rabo preso com chefias e ninguém com cargo de chefia entre os coordenadores do sindicato, por independência para defender condições de trabalho e combater o assédio moral. Transparência mantendo as prestações de contas periódicas, com publicações no site, revista e jornal. Manter e ampliar os eventos de mulheres, negras e negros, atividades de formação, lazer, festas, esportes, culturais.

Convidamos todas e todos que desejam construir uma chapa com este perfil a participar da plenária dia 17/5, 14h, na Casa do SINTUFF.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *