Documentos secretos revelados nos Estados Unidos sobre a ditadura argentina: A detenção de Nahuel Moreno no Brasil em 1978

Um dos documentos preparados pela CIA informa sobre a detenção de Nahuel Moreno e outros camaradas de nossa corrente internacional quando viajaram ao Brasil para organizar os encontros anteriores que levaram à formação do PT.

Escreve Gabriel Massa

O governo dos Estados Unidos revelou e entregou à Argentina dezenas de milhares de documentos da CIA, do FBI e de outras agências de espionagem da época de Isabel Perón e da última ditadura militar. Muitos fornecem dados que confirmam as declarações de testemunhas sobre a repressão, desaparecimentos e torturas perpetradas pela ditadura e que servirão para fazer avançar os julgamentos contra o genocídio.

Entre esses documentos está um da CIA que relata um episódio de grande importância para nossa corrente e sua tradição. Ele começa dizendo: “Em 22 de agosto de 1978, o destacamento de operações internacionais (DDI) do Segundo Exército prendeu 22 pessoas que participaram de uma reunião da Unidade Socialista em São Paulo. O objetivo do encontro, que envolveu cerca de 150 pessoas, foi falar sobre os problemas da formação de um Partido Socialista Brasileiro. Alguns dos participantes pertenciam a grupos políticos brasileiros ilegais, como a Liga Operária, uma organização trotskista. “

A Liga Operária, antecessora de nossa corrente irmã no Brasil (Corrente Socialista dos Trabalhadores, organização interna do PSOL), foi a seção da corrente internacional fundada por Nahuel Moreno, que na época era chamada de Fração Bolchevique e que daria à luz depois à Liga Internacional dos Trabalhadores, antecessora de nossa atual organização internacional, a União Internacional dos Trabalhadores (UIT-QI).

Precisamente, o relatório da CIA refere-se à captura de Moreno, cujo nome real era Hugo Miguel Bressano, no encontro socialista no Brasil: “Um dos presos, Hugo Miguel Bressano, líder socialista argentino, criou um sério problema de direitos humanos para o governo brasileiro. Oficiais do Serviço Nacional de Inteligência (SNI), incluindo o general Octavio Aguiar de Medeiros, chefe do SNI, e o general Newton Araújo de Oliveira e Cruz, chefe da agência central brasileira, querem expulsar Bressano e entregá-lo às autoridades Militares argentinos. O Alto Comissariado das Nações Unidas em Buenos Aires visitou a sede da polícia em São Paulo e exigiu que as autoridades brasileiras libertassem Bressano no Brasil ou o enviassem para a Europa. Ele disse aos policiais que “Bressano seria morto se fosse entregue às autoridades argentinas”.

De fato, quando Moreno foi preso junto com outros 21 camaradas, foi lançada uma campanha internacional exigindo a libertação de todos eles liderados pela Anistia Internacional. Eles se juntaram a figuras como Gabriel García Márquez, Felipe González e Mario Soares (Primeiros-ministros da Espanha e Portugal) e Juan Lechín (líder do COB), entre outros. Assim, a libertação de todos os detidos foi alcançada. Moreno foi expulso para a Colômbia, onde residia naquela época.

Moreno propós impulsionar um PT junto a Lula e outros dirigentes sindicais

 

Ao longo dos anos da ditadura militar iniciada com um golpe em 1964, houve um grande desenvolvimento industrial no Brasil. Especialmente no cinturão industrial que envolve a cidade de São Paulo, conhecida como ABC, onde grandes  metalurgicas se concentraram, particularmente a indústria automotiva, com fábricas como a Volkswagen, a maior, que tinha 30 mil trabalhadores.

Em meados da década de 1980, houve grandes conflitos trabalhistas nessas fábricas, liderados por uma extensa vanguarda de combatentes ligados a um novo grupo de líderes, entre os quais Luiz Inácio da Silva, conhecido como Lula, que estava ligado à Igreja Católica e confrontados com os burocratas sindicais tradicionais, conhecidos como “pelegos”.

Os colegas da Liga Operária propuseram no encontro de agosto de 1978 a formação de um partido socialista no estilo daqueles que haviam chegado ao governo na época em Espanha e Portugal, para aproveitar as brechas legais que davam uma tépida abertura política do governo da Ditadura brasileira. Em vez disso, Moreno tinha viajado ao Brasil com a ideia de se conectar com as lutas e a nova vanguarda com o ABC, propondo aos seus líderes, e em particular a Lula, a formação de um novo partido dos trabalhadores, o PT.

Passado o episodio da batida policial e das prisões, os camaradas brasileiros, que já haviam constituído a Convergência Socialista, começaram a levantar a proposta para a construção do PT. Anos mais tarde, o próprio Lula reconheceria que a ideia original do Partido dos Trabalhadores era contribuída pela corrente liderada por Nahuel Moreno.

A construção do PT, como partido dos trabalhadores, independente das diferentes correntes patronais, foi um grande marco na história do movimento operário brasileiro. Com o seu slogan original “trabalhadores votam em trabalhadores”, cresceu e se massificou nas fábricas e bairros do ABC paulista. Sua derivação e subsequente traição, seu governo pró-patronal e a serviço do imperialismo, levariam a rupturas como a que encabeçamos anos atrás com o Partido Socialismo e Liberdade (PSOL). A revelação desses documentos da CIA e o episódio da detenção de Moreno em 1978 trazem à luz antigos momentos esquecidos dessa história.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *