É pela vida das mulheres: contra os estupros e toda forma de violência!

Iniciamos mais uma semana, com jornais de todo o Brasil noticiando novos casos de feminicídios, agressões machistas e estupros em todo o país.
                                                                                                           .
Uma jovem universitária foi estuprada por um técnico de enfermagem em uma UTI enquanto estava amarrada devido à uma crise convulsiva. A menina veio a óbito e ainda não se sabe se a morte dela foi em decorrência do estupro. Foi preciso esperar as imagens das câmera de segurança para prender o enfermeiro estuprador. Na Paraíba, uma criança de 9 meses morreu em decorrência de estupro e o principal suspeito é seu pai. Logo depois, uma jovem universitária foi violentada dentro da UFF, o que retomou o debate sobre o descaso que esta e outras universidades têm com a vida das mulheres. Campus mal iluminados, com falta de manutenção das suas estruturas e sem segurança que garanta nossa integridade faz com que se multipliquem casos de assédio e violência neste espaço. Esse caso ocorreu no mesmo mês em que se completou um ano de um estupro corretivo ocorrido também nos arredores da UFF.
.
Por último, o caso da mulher que registrou boletim de ocorrência contra o jogador Neymar, também por estupro. Quebrando o sigilo do caso, o jogador divulgou prints de conversas e fotos íntimas da jovem como “prova de sua inocência”. Não queremos aqui ignorar o direito de defesa do acusado, mas sim a forma totalmente machista com o que o caso está sendo conduzido, com a opinião pública se apressando em declarar a denunciante como mentirosa e aceitando uma sucessão de prints divulgados sem autorização como prova cabal de que Neymar é inocente. No mesmo sentido, o defensor de primeira hora do jogador, José Luis Datena revelou em TV aberta a identidade da denunciante e vários veículos de comunicação replicaram essa notícia. Toda essa exposição é um fato gravíssimo, principalmente levando em conta que o denunciado é uma figura influente, e abre as porteiras para todo tipo de pressão e mais violências sobre a moça.
.
Nossos corpos não são nossos: não importa se estamos doentes e dopadas em uma cama de hospital, se estamos estudando ou se estamos exercendo nossa liberdade de ficar com alguém. As mulheres estão sob risco de serem estupradas em qualquer lugar e, quando isso acontece, passam pelo martírio de comprovar que não são culpadas pela violência que sofreram. Não à toa, o estupro é o crime mais subnotificado do mundo.
.
Infelizmente, esses não são casos isolados, mas sim reflexo de uma sociedade machista e misógina, que torna as mulheres objetos sempre disponíveis aos homens. E os discursos e práticas da mídia, do governo e do próprios responsáveis por acolher as denúncias, vulnerabilizam ainda mais as mulheres. Em 2016, um promotor de justiça humilhou uma adolescente vítima de estupro no Rio Grande do Sul. Grávida do próprio pai ela esperava da Justiça autorização para interroper a gravidez e de onde deveria receber apoio, ouviu que “pra abrir as pernas e dar o rabo pra um cara tu tem maturidade, tu é autossuficiente, e pra assumir uma criança tu não tem?”.
.
Além disso, vimos desde o início do ano se multiplicaram os casos de violência contra as mulheres, que não foram respondidos com nenhum política pública de combate a violência e ao machismo. Pelo contrário, a Ministra do MDH, Damares Alves, chegou a afirmar que os pais de meninas deveriam ir embora do país com suas filhas e continua reforçando a discriminação e violência contra mulheres lésbicas, com enredos delirantes envolvendo até contos de fadas. Além disso, o presidente Bolsonaro, conhecido pelas suas declarações machistas, recentemente lamentou a morte o MC Reaça, que se matou após espancar a namorada grávida que hoje está internada com fraturas graves no rosto.
Contra toda essa política machista e misógina, precisamos responder com mobilização. Precisamos seguir ocupando as ruas denunciando os casos de violência e cobrando respostas dos governos. É preciso combater a cultura do estupro com uma educação antimachista e com políticas públicas que garantam nossas vidas! Não aceitaremos mais mulheres sendo culpabilizadas pelas violências que sofremos. É pelas nossas vidas!
.
-Por mais políticas públicas de combate a violência contra as mulheres. Por uma educação de gênero nas escolas!
– Punição a quem expor publicamente denunciantes de estupro. Pela garantia de sigilo e proteção às vítimas de violência sexual e doméstica.
– Pelo ampliação do direito a acompanhante durante o atendimento ou internação nos serviços de saúde, se estendendo a todas as mulheres (atualmente o direito só abrange parturientes e menores de idade).
– Contra o corte de verbas na educação! Por mais investimentos em segurança, iluminação e transporte circular nos campus universitários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *