Grécia: repúdio popular ao Syriza

Por Miguel Lamas, dirigente da UIT-CI

Nas recentes eleições gregas, Alexis Tsipras, do partido Syriza (que significa “Coligação da Esquerda Radical”) foi derrotado. Ele foi repudiado pelo povo por aplicar o plano do FMI que causou um desastre social sem precedentes desde a Segunda Guerra Mundial. Os grandes vencedores dessas eleições foram uma alta abstenção e a direita conservadora do partido Nova Democracia. Outro colapso dos governos da falsa esquerda como aconteceu com Lula-Dilma-PT no Brasil ou Maduro e Chavismo na Venezuela.

O povo trabalhador grego puniu eleitoralmente o Syriza. Infelizmente, o Syriza, assim como os governos latino-americanos chamados “socialismo do século 21”, especialmente o chavismo, governou com e para a burguesia.

A imensa resistência popular, com greves gerais inclusive, levou ao governo em janeiro de 2015 a coalizão de esquerda Syriza, que ganhou popularidade ao repudiar o ajuste da troyka (FMI, União Europeia e Banco Central Europeu). Mas rapidamente pactuou com um pequeno partido nacionalista de direita chamado Gregos Independentes. Integrando-os no governo dando-lhes o Ministério da Defesa.

A partir dali voltaram a enfocar a velha utopia reformista de que a “solução” seria “renegociar” acordos com empresários e com o FMI. Nossa corrente denunciava aonde estava indo o Syriza: “Sem uma ruptura com a Troika, a UE e com o pagamento da dívida, não haverá solução para os trabalhadores e a juventude da Grécia. (…) Não há espaços para medidas vermelhas (…) Nesse sentido, não podemos deixar de salientar que este não seria o caminho que assumirá o novo governo do Syriza ”(Declaração da UIT-CI, 27/1/15 *) .

Infelizmente, setores da esquerda que se reivindicam anticapitalistas apoiaram o governo Syriza e abriram expectativas de uma mudança. Entre eles, setores do trotskismo europeu e latino-americano, como, entre outros, o ex Secretariado Unificado Mandelista ou setores do PSOL do Brasil.

Desde 2010, o FMI impôs a Grécia um ajuste econômico muito difícil para pagar a dívida. Uma dívida que nunca beneficiou o povo grego e, sim, aos grandes capitalistas e banqueiros, tanto gregos como alemães e outros países imperialistas. O brutal ajuste criou uma catástrofe humanitária, impondo os supostos “resgates”, acrescentando mais e mais dívidas, e então impondo condições de fome e pilhagem às pessoas. O desemprego atingiu 27%, e as quedas salariais, pensões e orçamentos sociais excederam em muitos casos 40%, o PIB caiu 25%.

As pessoas votaram NÃO com 62% e a traição de Syriza

Diante da grande pressão popular, o governo Syriza convocou um referendo, realizado em 5 de julho de 2015 (6 meses depois de assumir o governo), perguntando às pessoas se aplicava ou não o plano do FMI. A mídia, o próprio FMI e a União Europeia chantagearam o povo, dizendo que, se votassem em NÃO, haveria desastre e expulsão da União Europeia. Apesar desta enorme campanha, as pessoas votaram um histórico NÃO de 62%.

“Naquela noite, enquanto nosso povo estava nas ruas para celebrar sua grande vitória … Assim que entrei no escritório de Alexis Tsipras, ele me disse que havia decidido ignorar o Não Popular e se juntar à Nova Democracia para que o Parlamento pudesse adotar o Projeto de lei pelo qual a Grécia se renderia, mais uma vez, à Troika. Como não pude dissuadi-lo, renunciei ao cargo de ministro das Finanças ”(artigo recente de Yannis Varoufakis, que deixou o Syriza e fundou outro partido de centro-esquerda).

O resultado foi que o desastre social aumentou. Com meio milhão de imigrantes, a grande maioria dos jovens profissionais (num país com menos de 11 milhões de habitantes), o futuro grego continua sangrando. A dívida externa, longe de cair, cresceu para 200 bilhões de dólares, 180% do PIB.

O triunfo relativo da velha direita

A direita conservadora da Nova Democracia ganhou 39,85% dos votos válidos. Obtendo a maioria absoluta no Parlamento porque na Grécia há um “prêmio” de 50 deputados ao partido mais votado. No entanto, não será fácil impor seu programa para destruir os direitos trabalhistas e aumentar a austeridade, privatizar a aposentadoria e a saúde pública.

Nem todo voto foi para a direita, como tanto declaram os meios de comunicação. Foram 44% de abstenção, em um país onde o voto é obrigatório. Os neonazistas da Aurora Dourada desmoronaram e foram deixados de fora do parlamento, em grande parte devido à mobilização contra eles de grupos de jovens e mulheres. Syriza obteve 31,53% dos votos válidos, e a maioria dos votos perdidos, em vez de ir à direita, foi para a abstenção ou para a esquerda, com duas divisões principais nessa direção, o ex-ministro Varoufakis que obteve 3 , 5% com o seu partido Mera 25, e Rumbo a la Libertad com 1.5%. Enquanto o antigo PC stalinista, KKE, mantém seus 5%, com todo seu sectarismo burocrático. As correntes anticapitalistas opostas ao Syriza, como Antarsya (0,41%) e DEA (que faz parte da Unidade Popular que obteve 0,28%), não conseguiram articular uma frente de esquerda comum.

É muito possível que os trabalhadores gregos retomem a mobilização para derrotar o ajuste brutal. A importante votação à esquerda do Syriza, bem como parte da abstenção (que era fundamentalmente jovem e parcialmente anarquista), indica que existe uma base para a reconstrução da esquerda, com uma frente de esquerda de luta com um programa de total ruptura com o FMI, não  pagamento da dívida, unidade na luta com os trabalhadores da Europa e um governo das organizações dos trabalhadores.

* ver Correspondência Internacional nº 36. Março de 2015. www.uit-ci.org

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *