Argentina: Macri foi derrotado: Grande eleição da Frente de Esquerda – Unidade

O deputado nacional pela província de Buenos Aires pela Esquerda Socialista na FIT-U, Juan Carlos Giordano, disse: “Nas eleições primárias houve um grande repudio a Macris e seu ajuste. O governo nacional e Vidal foram amplamente derrotados. Milhões votaram contra as demissões, a recessão, o roubo dos salários e a entrega do país. Houve um voto castigo contra o governo do qual foi beneficiada a chapa dos Fernandez. Compartilhamos a alegria de milhões por terem imposto um duro revés ao governo, mas como dissemos na campanha eleitoral, alertamos que Alberto Fernández, reconhecendo o pacto com o FMI e confirmando que ele pagará a dívida externa, em um futuro governo da Frente de Todos não haverá salário, trabalho ou recuperação da economia como prometido, mas um novo ajuste. ”

Giordano continuou: “O outro fato marcante das eleições foi que a Frente de Esquerda Unidade com a chapa de Caño-Del Plá fez uma boa eleição, apesar da polarização. Obteve 697.748 votos para presidente e 756.850 para deputados nacionais, crescendo neste último item na província e cidade de Buenos Aires, entre outros distritos. A FIT-Unidade foi muito além das expectativas nas primárias, colocando-se como a quarta força nacional, obtendo o apoio de um grande grupo de trabalhadores, mulheres que lutam pelos seus direitos e a juventude. Um prêmio para a maior unidade da esquerda que conseguimos para continuar crescendo em outubro. ”

O deputado nacional Giordano concluiu: “O governo perdeu, mas segue as medidas de ajuste e antipopulares. Nesta segunda-feira, o dólar fechou em quase US $ 60, provocando uma nova desvalorização que ataca salários e pensões. Um novo assalto ao bolso popular que irá gerar mais aumento de alimentos e lucros para os exportadores. Os Fernández já disseram concordar com essa nova desvalorização ao apontar que o dólar “estava subvalorizado”. Os trabalhadores não têm nada a esperar. Chamamos um plano nacional de luta por um aumento imediato de salários e pensões ao valor da cesta familiar. Chega de saques com o dólar: que os bancos e o comércio exterior sejam nacionalizados. E para que a crise seja paga pelos capitalistas e pelo FMI, dizemos que é preciso parar de pagar a dívida externa e usar esses fundos para prover salários, trabalho e um plano de moradia que tire milhões da pobreza. A CGT, que veio apoiar a chapa de Fernandez, não pode continuar apoiando esse novo roubo. Ela tem que abandonar sua cumplicidade com o governo e os candidatos dos empregadores e pedir uma greve de 36 horas com a mobilização para parar este novo roubo e levantar medidas de emergência a serviço do povo trabalhador. ”

Contatos:

Juan Carlos Giordano (deputado nacional).

15-3119-3003 @GiordanoGringo

Imprensa Socialista Esquerda

11-6054-0129 @Pressione Esquerda

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *