Não ao acordo entre Trump e Erdogan sobre a “faixa de segurança” na fronteira entre a Turquia e a Síria!

A mídia está informando esses dias sobre as conversações entre os governos dos Estados Unidos e da Turquia sobre o estabelecimento de uma faixa de segurança no norte e no leste da Síria ao longo da fronteira com a Turquia, que afeta diretamente a região de maioria curdo-siria. A desculpa é evitar a incursão dos guerrilheiros das Forças Populares de Defesa (HPG) do PKK (Partido dos Trabalhadores do Curdistão). Os pontos que permanecem definidos no acordo são: a extensão exata da faixa, quem irá controlá-la e quando ela começará a ser criada. Por enquanto, um centro para operações conjuntas turco-norte-americanas será criado na Turquia para coordenar e administrar o estabelecimento dessa área em conjunto.

O verdadeiro objetivo deste corredor é atacar a autonomia que atualmente goza o território curdo da Síria relativamente do regime de Bashar al-Ássad e impedir que siga o exemplo na Turquia, Irão e Iraque (afirma que, juntamente com a Turquia, ocupam o território do Curdistão a partir de Primeira Guerra Mundial). Ultimamente tem havido enfrentamentos entre as milícias curdo-iranianas e os Guardiões da Revolução, e a Turquia bombardeou os abrigos do PKK no Iraque. Assim, com essa intervenção, Erdogan pretende isolar os curdos da Síria e do Iraque.

Além disso, a Turquia quer transformar essa faixa de segurança “em um corredor humanitário para favorecer o retorno dos refugiados”, como declarou a embaixada dos EUA em Ancara. Isso significa o deslocamento pela Turquia de refugiados sírios, muitos deles de origem árabe e sunita, que têm em seu país e repovoar essa faixa. Centrando os problemas no povo curdo, o que é realmente se faz é fortalecer o regime sírio.

Esta faixa é atualmente povoada pela população curda e outras minorias, como os armênios, yazidis, sírios e árabes que fugiram da perseguição kemalista na Turquia durante os anos 20 do século XXI e da guerra civil síria desde 2012 e é defendida pelas Forças Democráticas Sirias. (FDS), cujo principal componente são as Unidades de Defesa Popular (YPG), milícias do Partido da União Democrática (PYD), além de milícias árabes, yazidis e cristãs. O FDS tem sido a base da guerra contra o Estado Islâmico que teve cobertura aérea e assistência de armas da Coalizão Internacional liderada pelos Estados Unidos, com a colaboração da França e da Alemanha, entre outras potências.

Essas milícias foram usadas como “buchas de canhão”, sofrendo cerca de 5.000 baixas nesta guerra e agora o governo dos EUA permite que sejam expulsas da faixa de “segurança”, como exige a Turquia, e a retirar-lhes as armas pesadas que forneceu durante a guerra contra o Estado Islâmico. No entanto, apesar da ameaça representada por essa faixa, a liderança política curda estaria disposta a aceitá-la se não fosse controlada pela Turquia, mas por tropas da ONU, da Europa ou dos Estados Unidos.

Mas o perigo de guerra não existe só no Curdistão sírio, outras frentes de combate permanecem abertas. No norte e leste da Síria ainda estão ocorrendo combates entre as milícias do FDS (Forças Democráticas da Síria) e do Estado Islâmico porque, embora o Daesh (ISIS) tenha sido derrotado militarmente no campo de batalha, ele continua a agir com ações de guerrilha e sabotagem com a ajuda indireta da Turquia. Em Idlib, o exército de Basar al-Ásad continua bombardeando e destruindo a cidade onde um setor da oposição jihadista resiste, mas cujas vítimas são principalmente a população civil. O povo sírio e as minorias no país não recuperaram a paz e continuam sujeitos à sangrenta ditadura síria.

Esta situação perigosa foi alcançada porque a revolução síria de 2011 não teve sucesso apesar de sua amplitude e heroísmo e do esforço demonstrado por seu povo nas manifestações de 2011 e na guerra civil que Bashar al-Ásad desencadeou. A luta do povo sírio não só enfrentou o regime, mas também seus aliados diretos e indiretos:

• Primeiro, o próprio regime sírio, no início da revolução, libertando prisioneiros islâmicos que, com a ajuda das monarquias do Golfo e do próprio governo sírio, dividiram a oposição e a enfraqueceram. Foram criadas milícias islâmicas que foram inicialmente integradas no Exército Livre da Síria (ELS), ao qual a Turquia também apoiou.

• No aspecto internacional, em segundo lugar, o apoio da esquerda, como a Esquerda Unida do Estado Espanhol, à ditadura síria por seu suposto “caráter anti-imperialista” e a “neutralidade” de outras correntes esquerdistas abandonaram o povo sírio sob a repressão do regime. Quase não houve manifestações de solidariedade internacional com a revolução síria.

• Terceiro, o apoio bélico e aéreo da Rússia impediram o colapso do regime de Bashar al-Assad e, com a desculpa de combater as milícias jihadistas, atacaram e destruíram as posições da oposição secular, causando inúmeras vítimas entre a população.

• Finalmente, não se pode esquecer que a “neutralidade” exibida pelo PYD / YPG em face da guerra civil que não apenas reforçou o regime, mas também enfraqueceu os setores seculares da oposição. Há muitas indicações que tornam possível suspeitar que a liderança curda e o regime sírio chegaram a um tipo de acordo para que Bashar al-Ássad pudesse retirar tropas do Curdistão sírio para levá-las a outras frentes militares como Aleppo e Homs. Se o PYD / YPG tivesse se juntado à luta contra al-Ásad, possivelmente a guerra teria mudado de rumo e o ditador teria sido derrotado.

Em suma, o povo sírio também teve que enfrentar uma coalizão internacional de potências imperialistas e regionais, a esquerda reformista mundial e também a liderança do PYD. Agora é o povo curdo que será forçado a defender-se da coligação internacional que procura impedir a realização de um Curdistão independente e unido, que é a aspiração secular dos curdos.

Esta situação na Síria ocorre quando a intervenção imperialista no Estreito de Ormuz continua em todo o Oriente Médio, e Israel continua sua repressão na Palestina demolindo casas de palestinos, seguindo sua política de limpeza étnica e a progressiva anexação de territórios naquela região através da proliferação de colônias dos judeus ultra-ortodoxos.

Hoje, diante das novas ameaças de Erdogán e do apoio das potências imperialistas à inaceitável ocupação possível da suposta “faixa de paz”, nós militantes da Luta Internacionalista (UIT-CI) queremos dar nossa solidariedade com o povo curdo e chamar democratas e militantes esquerdistas para apoiar e organizar iniciativas para expressar nossa rejeição às ameaças da Turquia, a criação da faixa de segurança e a política de limpeza étnica que Erdogan prepara no norte e no leste da Síria tornando efetivas suas ameaças.

Apelamos também à concentrações em frente aos consulados e embaixadas da Turquia (e também dos Estados Unidos como responsáveis pela situação) se ocorrer uma intervenção armada direta e enviar, de todos os coletivos sociais, culturais, sindicais e políticos, mensagens de rejeição às representações diplomáticas curdas. Também não devemos esquecer que o Estado espanhol está vendendo armas a Erdogan e que têm pessoal militar instalados no país.

As nossas críticas à liderança política curda não nos impedem de estar ao lado do povo curdo diante das agressões que sofrem e na sua luta por um Curdistão independente e unido. Assim como apoiamos o povo sírio em sua resistência ao regime e aos jihadistas e contra a repressão de todos os tipos que estão sofrendo.

19 de agosto de 2019

Cristina Mas e Andreu Pagès (Luta Internacionalista, seção da UIT-CI no Estado espanhol )

Tradução : Mário Makaiba

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *