VENEZUELA |Não à ameaça de demissão contra José Bodas!  

Não à ameaça de demissão contra José Bodas!

Miguel Hernandez – Corrente classista, unitária,  revolucionária e autônoma

Através das redes sociais e de outros canais, começou a circular o boato de uma possível demissão de José Bodas da PDVSA. Bodas é um trabalhador da refinaria de Puerto La Cruz, no estado de Anzoátegui, com 31 anos de serviço em nossa principal indústria, operador de fábrica e atualmente secretário geral da Federação Unitária de Petroleiros (Futpv), eleito pelas trabalhadoras e trabalhadores de petróleo, na chapa da Corrente Classista, Unitária, Revolucionária e Autônoma.

Bodas, juntamente com os trabalhadores da refinaria de Puerto la Cruz, foi o organizador do enfrentamento a sabotagem da greve de petróleo em 2002, orquestrada pela meritocracia da PDVSA, ligada aos partidos patronais e ao imperialismo dos EUA. Essas ações de enfrentamento permitiram que a refinaria de Puerto La Cruz não parasse durante os dois meses de sabotagem.

Há algumas semanas, havia uma ameaça direta contra o camarada José Bodas, pelo fato dele não ter a permissão do sindicato atualizada, isso foi conseguido através do envio de autorizações por escrito à respectiva administração. No entanto, nos últimos dias, os rumores de sua demissão tornaram-se cada vez mais insistentes.

José Bodas é o líder da Corrente Classista, Unitária, Revolucionária e Autônoma, que tem estado na vanguarda da defesa dos direitos dos trabalhadores do petróleo, exigindo salários decentes, lutando pelo cumprimento do contrato coletivo, contra o Fator de Equilíbrio 9030, defendendo os direitos dos trabalhadores na folha de pagamento e todos os trabalhadores da indústria do petróleo.

Juntamente com muitos trabalhadores combativos e classistas de nossa principal indústria, a Bodas tem sido vanguarda em denunciar a situação operacional de desastre na qual se encontra a PDVSA. Ele também denunciou a liderança burocrática da Futpv, liderada por Wills Rangel, que se ajoelhou perante os patrões, juntamente com a maioria do conselho da federação. Entregando nossos contratos coletivos e todos os nossos direitos, mergulhando as trabalhadoras e trabalhadores da PDVSA em miséria absoluta, ganhando salários de fome.

O parceiro Bodas, juntamente com Fran Luna, também diretor da Futpv e líder da C-cura, são reconhecidos nacionalmente em todas as áreas de petróleo, como os combatentes mais consistentes pelos direitos e reivindicações da classe trabalhadora de petroleira.

Nas áreas, nos portões, em todo o país, na mídia, nas redes sociais, sua posição tem sido um compromisso indeclinável com as bases dos trabalhadores. Sua posição política foi clara e transparente. Sempre orientado pela necessidade de manter a independência política dos trabalhadores diante de qualquer variante patronal, não tem vínculo com os partidos da oposição patronal liderados por Juan Guaidó; Ele repudiou publicamente a interferência imperialista e qualquer tipo de interferência estrangeira em nossos assuntos internos, mas também enfrentou a política do governo nacional.

Querem tirar Bodas do jogo política-sindical  porque a atual liderança do Futpv está ciente de que, em um novo processo eleitoral, eles provavelmente perderiam com Bodas e a chapa C-cura. Nesse sentido, fica claro que lhe querem cobrar seu compromisso indeclinável com petroleiros e petroleiras. Qualquer ação contra o dirigente da Futpv será uma retaliação por sua posição de luta pelas reivindicações dos trabalhadores do petróleo.

O governo nacional desenvolve uma política de perseguição à liderança sindical e aos trabalhadores que lutam em defesa de seus direitos. Hoje, essa criminalização do protesto é uma prática comum na PDVSA e em todas as empresas públicas, bem como contra os diferentes setores populares mobilizados por seus direitos no país.

Isso visa continuar a aplicar o pacote de ajuste que o governo vem implementando desde o ano passado. É por isso que na PDVSA e em outras instituições públicas, eles demitiram trabalhadores, forçam a se aposentarem, protegem suspensões ilegais em empresas privadas, criminalizam e reprimem camponeses, jovens e setores populares que lutam por comida e serviços públicos. No entanto, a disposição de luta de todos os trabalhadores permanece intacta e, com a mobilização, derrotaremos a pretensão do governo de silenciar nossas reivindicações.

Continuamos com o compromisso de lutar com a classe trabalhadora, além das ameaças, estaremos nos portões, nas docas, nas refinarias, nas perfurações, nos escritórios, em todas as áreas próximas a trabalhadores ativos e aposentados. Continuaremos a fazer o que sempre fizemos: lutar lado a lado com os que estão embaixo, ao lado dos trabalhadores, ao lado dos que lutam por seus direitos.

Devemos repudiar essas ameaças contra Bodas, nesse sentido, convocamos os trabalhadores do petróleo e todos os trabalhadores do país, incluindo internacionalmente, líderes sindicais e líderes sociais democráticos a rejeitarem essas ameaças de demissão contra José Bodas. Já houve pronunciamentos de líderes sindicais contra essas ameaças. A mesma convocação é feita ao conselho da Futpv, para se declararem rejeitando essas ameaças e que não reforcem esses boatos de demissão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *