ARGENTINA : Nem reprogramar, nem renegociar! É necessário deixar de pagar a Dívida!

Por Juan Carlos Giordano, candidato a deputado nacional de Izquerda Socialista- FIT

O governo reprogramou por decreto grande parte da dívida externa, sem quitá-la e com novos prazos. E abriu negociações com o FMI. As medidas são notícias no mundo. Como pode ser que um governo pró FMI e pagador pontual agora queira reagendar os pagamentos? Como pode ser que enquanto Macri nos dizia que o FMI e o capital estrangeiro nos salvariam, o país continuava a afundar na recessão e na pobreza?

O ministro Lacunza apresentou essas medidas como uma “sinceridade” que lhes permitirá ter uma forma de validade mais relaxada. Uma mentira total! A única sinceridade é que, como nós da esquerda dissemos, a Argentina continua afundando nas mãos do FMI e nos pagamentos de uma dívida externa usurária e fraudulenta. O governo quer continuar pagando, mas não pode, correndo o risco de maior colapso econômico e social. O dinheiro emprestado pelo FMI era para financiar a fuga de capitais e os lucros bancários. Reprogramar, longe de ser uma solução, significará novos pagamentos com mais interesses e condicionamentos, como flexibilidade trabalhista, reforma da aposentadoria e maior ajuste capitalista, conforme exigido pelo FMI.

Esta medida foi aprovada por Donald Trump, pelos patrões do campo, pela UIA, pela Igreja e, fundamentalmente, pelo peronismo. Alberto Fernández estava pedindo ao governo para abrir uma renegociação. Por isso, diante da medida, fez um “silêncio” cúmplice. Fernandez fala contra a “catástrofe de Macri”, mas apoia o pacto com o FMI, os pagamentos da dívida e essa renegociação, que serão mais entrega e ajuste. Agora, o governo enviará uma lei ao Congresso para validá-la que, se aprovada, serviria para garantir o endividamento brutal de Macri, por uns 100 anos. Somos claros: somos contra qualquer reprogramação da dívida. O pacto com o FMI não deve ser reconhecido pelo povo argentino e a dívida ilegítima e fraudulenta não deve ser paga para que esses fundos sejam usados para combater os males sociais, conforme previsto no projeto de lei apresentado por nossa deputada Monica Schlotthauer. Dizem que essas medidas permitirão que as reservas do Banco Central sejam destinadas a “controlar o dólar”, mas precisamos do dinheiro para aumentar salários e pensões e para subsidiar um plano de habitação popular para revitalizar a economia, não para os usurários. É isso que propõe a Frente de Esquerda Unidade.

“O governo pede” calma “e” seriedade “, enquanto a crise ainda é paga pelos trabalhadores. Nos falam de “paz social”, enquanto os preços aumentam todos os dias após a nova desvalorização. A CGT descartou uma greve nacional, enquanto o estado e os professores de Chubut continuam lutando, e os movimentos sociais lutam por comida e contra a pobreza. Nesta sexta-feira, o sindicalismo combativo mobiliza-se ao lado da esquerda, convocando uma paralização de 36 horas para enfrentar o ajuste, principalmente pelo aumento de salário e aposentadoria já. A Frente de Esquerda, além do não pagamento, reivindica a nacionalização dos bancos, um pesado imposto sobre grandes grupos empresariais, a restituição dos privatizados, como parte de um plano econômico a serviço do povo trabalhador.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *