Em defesa da Amazônia, LUTE COMO UMA GAROTA!

O mês de agosto foi marcado pelo aumento do número de focos de incêndio na Amazônia. A fumaça tóxica atingiu diversas cidades e fez o dia virar noite na capital paulista. Elevação de doenças, animais mortos e terras indígenas completamente devastadas: essas são algumas das consequências imediatas das queimadas e do desmatamento promovido pelos ruralistas. Em longo prazo, essas ações ameaçam a reprodução da vida no país e no planeta. Milhares de pessoas protestaram nos dias 23 e 25/8 e é necessário dar continuidade a essa mobilização. Nós, estudantes e trabalhadoras que protagonizamos os movimentos #EleNão, o #TsunamidaEducação e a #GreveGeral, precisamos seguir mobilizadas nas ruas para defender a Amazônia e derrotar o governo Bolsonaro.

O governo Bolsonaro é responsável

Bolsonaro governa para atender os interesses de grandes empresários, o que inclui aqueles do agronegócio. Em poucos meses, afrouxou regras de preservação ambiental em reservas indígenas e perseguiu e demitiu servidores de órgãos como o INPE. Assim como fez com a educação e a previdência, para garantir o pagamento da dívida pública aos banqueiros, cortou recursos do ICMBio e do IBAMA. Além disso, o governo anistiou multas ambientais e suas declarações absurdas sobre o meio ambiente e os povos indígenas e sua tentativa de desacreditar cientistas e responsabilizar ONGs dá carta branca para que os ruralistas sigam cometendo ilegalidades e violência contra os povos originários, comunidades tradicionais e trabalhadores rurais. Os comunicados sobre o “Dia do Fogo” foram ignorados pelo ministro da justiça Sérgio Moro e o próprio ministro do meio ambiente Ricardo Salles foi condenado por crimes ambientais. Na Câmara, a CCJ aprovou a PEC 187/2016, que autoriza atividade agropecuária em terras indígenas e o governo pretende enviar um projeto que permite também a exploração de recursos minerais e hídricos nesses territórios. Ou seja, o fato dos governos anteriores também terem tido uma política ambiental extremamente nociva ao meio ambiente e aos povos da floresta não anula a responsabilidade do atual governo. Muito pelo contrário, Bolsonaro aprofundou os ataques e, junto com seus ministros, os latifundiários e o Congresso Nacional, é responsável pelas chamas de agora e suas consequências futuras.

Capitalismo selvagem

A degradação do meio ambiente é mundial. Cientistas preveem uma verdadeira catástrofe ambiental e climática em apenas 30 anos: aumento de mortes por poluição do ar, de pessoas vivendo em terras desertificadas, derretimento da camada de gelo do Ártico etc. Governos do mundo todo descumprem tratados ambientais internacionais ou se calam diante da devastação realizada por empresas de seus países, como é o caso na mineradora norueguesa Hydro, responsável pelo vazamento da barragem de rejeitos da extração de bauxita para a produção de alumínio em Barcarena (PA), em 2018. Assim, não podemos nos iludir com “boas intenções” de governos como o francês. O modo de produção capitalista oprime as mulheres para ampliar a exploração e dividir a classe trabalhadora. De modo semelhante, estabelece uma relação de dominação e exploração com a natureza. Por isso, é necessário derrotar os retrocessos de governos como o de Bolsonaro, mas também destruir esse sistema e lutar por uma transformação social radical que coloque a vida acima do lucro.

20S: ocupar as ruas #MobilizaçãoGlobalPeloClima

Nesse contexto internacional, movimentos como o #FridaysForFuture (Sextas-feiras pelo Futuro) tem mobilizado jovens em diversos países. Inspirados pela jovem ativista sueca Greta Thunberg, nesse dia da semana, os estudantes fazem greve e protestam nas ruas em defesa do meio ambiente. E, durante a semana de 20 a 27/9, movimentos ambientalistas convocam a Mobilização Global Pelo Clima que, no Brasil, ocupará as ruas no dia 20. Assim como Greta e tantas meninas e mulheres de todo o mundo, vamos tomar as ruas em defesa da Amazônia, do meio ambiente e contra o governo Bolsonaro.

ORGANIZE SUA INDIGNAÇÃO E SEU FEMINISMO

JUNTE-SE ÀS MULHERES DA CST-PSOL

28/9 – Dia Latino-Americano e Caribenho pela Descriminalização do Aborto

No Brasil e no mundo, as ricas abortam e as pobres morrem em abortos clandestinos. O dia 28/9 marca a luta das mulheres latino-americanas e caribenhas pela descriminalização do aborto. Defendemos educação sexual para decidir, contraceptivos para não engravidar e aborto legal, seguro e gratuito para não morrer. Construa e participe com a gente das atividades e manifestações desse dia e luta!

 

1 ano do #EleNão – Unificar as lutas contra Bolsonaro

No dia 29/9, completa-se um ano das grandes manifestações do #EleNão – Mulheres contra Bolsonaro. Depois de 9 de meses de governo, ficou evidente que o nosso movimento estava correto. Por isso, chamamos os diversos movimentos e organizações feministas, estudantis, sindicais e populares a construir um novo dia nacional de manifestações, mostrar que o grito #EleNão está ainda mais forte e unificar as lutas das mulheres, negras e negros, LBGTs com as lutas em defesa da Amazônia, das liberdades democráticas, por emprego e salário, contra os cortes na educação e o Future-se nas universidades etc.

Leia o texto completo em …. (link para o texto, que tiramos de fazer pro site)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *