EQUADOR : Um exemplo de luta contra o governo e o ajuste do FMI

Viva a rebelião popular do povo equatoriano!

Por Miguel Lamas

Devido às exigências do FMI, o Presidente Lenin Moreno liberou o preço dos combustíveis, além de tomar medidas contra os direitos trabalhistas. Manifestações em massa foram realizadas em Quito, Guayaquil e outras cidades do país. Encurralado, o governo decretou o “Estado de Exceção”, desencadeou uma repressão brutal e levou as Forças Armadas às ruas.

O aumento do diesel de 36 para 56 centavos de dólar por litro foi o gatilho da rebelião no Equador. Os combustíveis foram subsidiados e o FMI exigiu o fim deles e ataques à legislação trabalhista para conceder um novo empréstimo de US $ 4,3 bilhões. Com a economia dolarizada e os salários congelados, fica claro que um aumento de combustíveis desencadeia aumentos no transporte (já decretado) e dos produtos de primeiras necessidades que afetam a economia popular. Além disso, anunciaram a redução de férias remuneradas, contratos de trabalho de 12 meses e uma redução de 20% nos salários dos trabalhadores estatais contratados.

Portanto, embora na quinta-feira 3/10 e na sexta-feira 4/10, a greve tenha sido convocada apenas por motoristas de transporte (grande parte são proprietários individuais), todo o país ficou paralisado. O próprio governo decretou a suspensão das atividades educacionais em todos os níveis, milhares de pessoas, principalmente transportadores e estudantes, saíram para bloquear estradas e ruas e colunas de milhares de indígenas que se dirigiram a Quito.

Aliança País se afunda

Moreno venceu as eleições presidenciais nas eleições gerais de 2017 pelo movimento oficial da Aliança PAIS. Moreno foi o vice-presidente de Rafael Correa, um dos governos da fraude do chamado “socialismo do século XXI”. Dada a crescente resistência popular às medidas antipopulares e repressivas de seu governo, Correa, que mora na Bélgica e é processado por corrupção, decidiu não concorrer à reeleição e endossou a candidatura de Lenin Moreno, que poucos meses depois de assumir rompeu com seu antecessor, buscando um acordo com os setores de oposição de direita e com o FMI para a grande dívida externa deixada por Correa.

A mobilização não para

Em uma entrevista coletiva conjunta, a Conaie (organização nacional indígena), a Frente Popular (que agrupa várias organizações populares, com as principais lideranças maoístas) e a FUT (Frente Unitária dos Trabalhadores, a central sindical mais importante) denunciaram as medidas antipopulares e que beneficiam apenas empresários e bancos, e anunciaram paralizações, mobilizações e bloqueios.

Por outro lado, embora os transportadores tenham levantado a greve em troca de um aumento nas passagens, começaram os maciços bloqueios indígenas nas entradas. E no domingo, 6 de outubro, 47 soldados e 5 policiais que foram reprimir os bloqueios foram presos pelos bloqueadores indignados. O governo indicou que estava negociando sua libertação e solicitou um diálogo com os povos indígenas, sem se comprometer a rever suas medidas econômicas. Essa atitude radicalizou a mobilização indígena que ocupava Quito, forçando o presidente a fugir da capital e instalar o governo em Guayaquil, o que de fato configura um duplo poder entre indígenas, trabalhadores e organizações populares que paralisam a Capital e o governo estabelecido em Guayaquil.

A rebelião do povo equatoriano é contra os planos do FMI, que depende de governos corruptos e entreguistas como o de Lenin Moreno para forçar o povo a pagar uma dívida fraudulenta. A população equatoriana pobre e trabalhadora tem todas as condições para derrotar esses planos e evitar mais sofrimento. Setores importantes, como a FUT, erguem a bandeira de “Nem Lenin Moreno nem Correa”! É essencial exigir que as direções sejam coerentes e mantenham, sem hesitação, as paralizações, mobilizações e bloqueios decididos a partir das bases na perspectiva de impor um governo indígena, operário e popular.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *