A operação militar contra a Síria vai contra os interesses do povo da região! Não à operação militar transfronteiriça da Turquia!

  1. O governo de Erdogan e o parlamento turco resolveram enviar as Forças Armadas ao noroeste da Síria para uma longa batalha. Os interlocutores desses círculos comentam que o objetivo desta operação não é apenas construir “uma zona de segurança”, mas também pretendem liquidar totalmente as forças do PYD / YPG (Partido da Unidade Democrática / Unidades de Proteção Popular), Organizações curdas sírias consideradas pela Turquia como subsidiárias do PKK (Partido dos Trabalhadores do Curdistão). Os mesmos porta-vozes apontam que o principal objetivo da operação é resolver o problema da “sobrevivência” da Turquia e não se limitará a uma incursão de 35 a 40 km na Síria.
  2. Antes de tudo, queremos indicar que para a Turquia não há nenhum problema de sobrevivência que a ameace. O país não está enfrentando o risco de invasão e, nesse caso, o povo da Turquia é capaz de defender seu país, seu ambiente de vida. Uma ofensiva contra os povos de outros países em nome da proteção da Turquia contra um suposto perigo de divisão não contribui para a independência da Turquia, mas justamente o contrário reforça sua dependência do imperialismo.
  3. Essa operação arrasta a Turquia para um pântano sem saída e faz dela um peão das  potências imperialistas e expansionistas em seus planos de dominação na área. Essas potências estão lutando ferozmente entre eles pela Síria, seu povo e sua riqueza, e usam a Turquia como subcontratada. Todos esses países poderosos dizem que “eles entendem bem a preocupação com a segurança da Turquia”, ou seja, provocam a operação militar, abrem o caminho e definem seus “limites”. É por isso que eles sacrificam as forças locais com as quais estão colaborando. A Turquia precisa se retirar deste jogo macabro sobre os povos sírios.
  4. A verdadeira razão pela qual a Turquia está se arrastando para este jogo não é um problema criado a partir de nada, mas é o caráter racista, chauvinista e expansionista do regime turco, que tenta se esconder sob um falso discurso de “nacionalismo”. Para sobreviver, o regime quer criar um delírio chauvinista popular. A operação planejada é defender o país contra inimigos estrangeiros, mas possui um caráter de invasão que causará um conflito fatal entre os povos da região. A sobrevivência dos povos da Turquia não passa de uma guerra com outros povos, senão da autodeterminação de todos os povos sobre seus futuros livremente e sob condições democráticas, e da fraternidade que isso criará.
  5. Esta operação decidida pelo regime bonapartista é fortemente apoiada e provocada pela burguesia. Como a burguesia vê grandes oportunidades de lucro, especialmente no setor de construção em uma Síria destruída e com a atual operação militar, será ainda mais devastada. É por isso que eles querem ainda mais destruição. Os planos do governo de Erdogan de construir aldeias na zona de invasão contribuirão para os benefícios não apenas das grandes empresas de construção, mas também daquelas que operam em setores como ferro / aço, cimento e até madeira e eletrodomésticos, o que causa apetite da oligarquia sindical unida por trás do regime e do governo. Os patrões querem fortalecer seus impérios comerciais que se instalam no fogo, sangue e mortes das pessoas.
  6. O custo desta operação militar que se tornará uma invasão a longo prazo será de milhares de dólares. A economia da Turquia, que já está sofrendo uma forte crise, será ainda mais afetada por esse custo. Mas se a operação der certo para o regime, aqueles que lucrarão com ela serão apenas os fabricantes e comerciantes de armas e os patrões amigos do governo. Por outro lado, a conta será paga, além das vítimas da guerra, pelos trabalhadores e pessoas que sofrem de alto nível de desemprego. Existe a possibilidade de o governo anunciar novos impostos para financiar a guerra.
  7. A operação militar da Turquia poderá promover a libertação das forças terroristas islâmicas, a ativação de suas células adormecidas e a penetração de grupos jihadistas na Turquia para organizar ataques sangrentos ao povo. Assim, na Síria, a guerra civil se intensificará mais uma vez e a ofensiva dos reacionários islâmicos e o regime contra as correntes democráticas e revolucionárias se endurecerão. Além disso, o pântano em que a Turquia entra será ainda mais profundo e criará uma situação de permanente mobilização militar, com um estado de exceção que deteriorará ainda mais a vida democrática.
  8. Por outro lado, o principal partido da oposição, o chamado Partido Republicano Social Democrata, apoiou no parlamento a resolução de guerra com o argumento “do bem de nossos soldados”, apoiando mais uma vez o regime bonapartista contra os interesses da classe trabalhadora e dos povos da região. O PPR assume assim a responsabilidade pelas consequências da operação militar do regime turco.
  9. Somos contra esse arrasto dos trabalhadores e das massas populares para um pântano desastroso. Nossa sobrevivência e interesse passam por colaboração e fraternidade com os povos do Oriente Médio. E isso precisa da autodeterminação dos povos, livre e democraticamente  seus destinos, e da defesa desse direito.
  10. A Turquia depende do imperialismo e a operação militar na Síria reforçará essa dependência. Embora a tarefa principal seja realmente quebrar esse vínculo de dependência. Portanto, devemos deixar a Otan e fechar todas as bases militares estrangeiras no país. Além disso, devemos chamar e garantir a saída dos EUA. e de todas as forças imperialistas do Oriente Médio. Somente essa política pode estabelecer a solidariedade e a fraternidade dos povos da Turquia com outros povos da região, começando pelo povo curdo.
  11. A principal barreira para a autodeterminação dos povos sírios é o campo contrarrevolucionário erguido com a colaboração do regime ditatorial da Síria e de países na área como Rússia, Irã, Turquia e Arábia Saudita e as potências imperialistas com os EUA na cabeça. Essas forças agem não pelos interesses do povo, mas de acordo com os interesses do imperialismo. Para o povo curdo autodeterminar seu futuro, isso não pode ser realizado com o apoio dos EUA, mas com a luta unitária dos trabalhadores. Os problemas da Síria podem e devem ser resolvidos apenas pelo povo sírio. Os trabalhadores do mundo e suas organizações precisam correr para o apoio das forças democráticas e revolucionárias.

Partido da Democracia dos Trabalhadores (IDP), seção turca da UIT-CI

10 de outubro de 2019

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *