Líbano | revolta popular contra a política de austeridade do governo

O povo quer o fim do regime!

No Líbano, desde 17 de outubro, continuam as mobilizações mais massivas da história do país contra as políticas de austeridade lançadas pelo governo. Começando especialmente com Beirute e em muitas cidades do país, as pessoas estão nas ruas. Eles estão enfrentando, sem recuar, as forças de segurança armadas com gás lacrimogêneo e balas de borracha.

A faísca que incendiou as massas foi um imposto de US $ 0,20 por dia sobre o uso do serviço WhatsApp cobrado pelo governo. No entanto, por trás da fúria maciça existem problemas estruturais no país que surgem com a grave crise econômica.

O Líbano é um dos países com a maior dívida externa na região e o governo Saad Hariri fez um pacto em maio do passado com outras forças políticas sobre um plano de austeridade para tirar a economia da crise. O plano era fazer com que os trabalhadores pagassem a conta da crise, que inclui medidas como cortes nos gastos públicos, redução dos salários dos funcionários públicos e aumento de impostos diretos e indiretos.

De fato, o povo libanês já carecia de suprimentos de eletricidade, água e gás e não há assistência médica suficiente. Agora, a soma de mais cortes nos serviços públicos explodiu a raiva popular que estava se acumulando. Outro fator que provocou a ira do povo foi a insuficiente intervenção do governo, devido a cortes sociais, na luta contra os mais de cem incêndios florestais que há uma semana destruíram boa parte da riqueza natural do país.

Após as mobilizações em massa, o governo retirou sua decisão de aplicar novos impostos sobre a Internet. Além disso, o primeiro-ministro Hariri pediu a seus colegas que preparassem um novo plano contra a crise econômica. No entanto, essas medidas do governo não foram suficientes para acalmar as pessoas e acabar com as mobilizações nas ruas.

Para os libaneses, a crise atual não é só pelas políticas governamentais, mas um problema do regime político capitalista corrupto. No centro da raiva popular estão os partidos políticos corruptos do regime, liderados principalmente pelos empresários mais ricos que exploram os recursos do país. É por isso que o principal slogan das ruas libanesas é “o povo quer o fim do regime”. O mesmo que gritou as massas do Oriente Médio e Norte da África a partir do ano de 2011 na Tunísia.

Nós da Unidade Internacional de Trabalhadores e Quarta Trabalhadores Internacional (UIT-QI), apoiamos a luta dos trabalhadores libaneses contra as consequências da crise econômica e contra o regime que a causa. Consideramos essa luta a continuação das mobilizações que começaram com os mesmos slogans em 2011 na região e que em 2019 se seguiram no Sudão, Argélia, Egito e Iraque. No Líbano, para garantir os direitos conquistados através das mobilizações e continuidade da luta dos trabalhadores e do povo, acreditamos que é muito importante construir um plano de luta e um programa independente do regime atual e do imperialismo como parte da construção de uma Nova liderança revolucionária e internacionalista. Nesta tarefa, os socialistas libaneses e as organizações de classe têm uma enorme responsabilidade. Apelamos a todos os revolucionários internacionalistas para que se solidarizem com o povo combatente do Líbano.

21 de outubro de 2019

Unidade Internacional de Trabalhadores e Quarta Trabalhadora Internacional (UIT-QI)

Tradução Mario Makaiba

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *