Chile | “Não são 30 pesos, são 30 anos!”

Esta é uma das muitos palavras de ordem cantadas nas ruas de Santiago. Trinta pesos chilenos foi o aumento do metrô que desencadeou o protesto na sexta-feira, 18 / 10. Porta-vozes do governo e da direita disseram: “São apenas 30 pesos”. Menos de 10 centavos de dólar. Mas foi a gota que faltava para transbordar, após décadas de alta desigualdade social, de um modelo capitalista que vem da ditadura de Pinochet. É por isso que jovens e trabalhadores se rebelaram. Milhões estão nas ruas há mais de 12 dias exigindo que Piñera saia e exigindo uma mudança no cenário do país.

Por Miguel Sorans *, Dirigente da Izquerda Socialista – Argentina e da UIT-QI.

A explosão social no Chile surpreendeu o governo de Piñera e toda a burguesia, incluindo o imperialismo. Até então, o “modelo chileno” era um exemplo de “sucesso”. Dias antes da explosão, Piñera disse que o Chile era um “oásis”. Mas é um modelo de exploração extrema, uma continuação da ditadura de Pinochet, que foi desmantelada num pacto com os partidos políticos do sistema, como a Democracia Cristã e o Partido Socialista, juntamente com os novos partidos da direita pinochetista (UDI e outros). Pinochet impôs a constituição de 1980, que ainda está em vigor, e desde os anos 90 – com o regime de “Concertación” alternam-se, via eleições, os governos do DC-PS-PC ou da direita. Antes de Piñera era a Bachelet “socialista”. Todos mantiveram esse modelo em favor de multinacionais nacionais e estrangeiras, com flexibilização trabalhista e privatização de todos os serviços públicos, desde a água até a educação, passando pela saúde e transporte. Custodiados pela repressão dos militares e dos carabineiros (os famosos “pacos”). Nesta rebelião, já foram 20 mortos, centenas de feridos e milhares de prisioneiros. É por isso que as pessoas dizem “30 anos”, “Chega” de Piñera e também do “modelo”.

O Chile está entre os dez países mais desiguais do mundo. Cinco por cento da população com a renda mais baixa está no mesmo nível da Mongólia ou da Moldávia. Os dois por cento com renda mais alta estão no mesmo nível da Alemanha. Os fundos de pensão privados (AFPs) têm sido uma farsa. A aposentadoria média não chega a US $ 200. Os estudantes universitários se endividam por toda a vida. (dados Clarín, 24/10).

 O Chile mudou. O povo se rebelou

“Não é uma guerra. O Chile acordou ”, disseram alguns dos muitos cartazes com os quais as pessoas vão às marchas. São papelões pequenas e manuscritos. Eles responderam à primeira declaração de Sebastián Piñera dizendo que estavam “em guerra”. Quando sua senhora (Cecilia Morel) disse que era como uma “invasão alienígena”, os cartazes diziam “o povo alienígena pela paz, apoia o povo chileno”. Ambos tiveram que se desculpar … E Piñera cancelou o aumento da tarifa do metrô.

Mas, para sua surpresa, as pessoas continuaram nas ruas e exigiram que vá embora Piñera, seu governo, o fim do estado de emergência, fora os militares das ruas, pelo fim das privatizações em educação, saúde , aposentadorias, água e energia. Desde sexta-feira, 18 de outubro, as massas não param de estar na rua. Desobedecendo o toque de recolher. Tudo começou com os alunos do ensino médio no metrô, mas com o passar das horas e dos dias a mobilização popular se generalizou. Nos bairros, os panelaços desafiaram o toque de recolher. Greves em portos, mineiros, caminhoneiros, funcionários públicos ou da saúde. Milhares e milhares nas ruas de todo o país. Um estado de greve geral não declarado.

As pessoas deram o nome: “O Chile acordou”. É o começo de uma situação revolucionária. Essa é a mudança que ocorreu no Chile. É uma situação em que, como Lênin o definiu, “os que estão em baixo não querem” e “os que estão em cima não podem continuar vivendo como antes”. É por isso que no Chile está em andamento uma mobilização revolucionária que questiona o poder dos de cima e suscita a necessidade de um novo poder, um governo dos trabalhadores e dos setores populares.

A mobilização histórica na sexta-feira 25

Na sexta-feira 25, após uma semana de marchas e protestos, houve o que está sendo considerado a maior mobilização popular dos últimos 30 anos. Em Santiago, estima-se que alcançou cerca de 1,5 milhão de pessoas. Com milhares e milhares em todas as cidades e vilas do país. Essa marcha maciça encheu a Plaza Itália e avenidas e parques próximos. As marés humanas vieram pela Alameda e Avenida Providência, de todos os bairros e comunas de Santiago. Jovens, trabalhadores, mulheres, famílias, aposentados, médicos, motoqueiros, torcidas de futebol. Não havia bandeiras políticas. Bandeiras do Chile, do povo mapuche, do Colo Colo, da Universidade do Chile, muitos lenços verdes e cartazes manuscritos individuais com todos os tipos de palavra de ordem; “Arrivederchi Piñera”; “Estabilização de serviços básicos”; “Eu não preciso de sexo, o governo me c … todos os dias”; “Bielsa tinha razão”; “Assembleia Constituinte”; “Nacionalização dos recursos naturais”, “democracia direta” ou “Revolução”. E a música tradicional “quem não pula é paco” foi cantada.

O impacto da mobilização atingiu duramente o governo. Piñera ficou na corda bamba. Ele teve que suspender o estado de emergência e o toque de recolher, mudou grande parte do gabinete e prometeu o “ouro e os mouros”. Mas as pessoas começaram a semana novamente na rua exigindo que fossem embora. As massas vêm que o governo e o modelo podem ser derrotados.

Uma mobilização que passou por cima das direções

É uma mobilização espontânea, sem nenhuma direção. Nem mesmo reformista. Desde o primeiro momento, as mobilizações ocorreram por fora das direções sindicais e estudantis, nas quais predominam o PC e a Frente Ampla (FA). São convocadas pelas redes. Por outro lado, tanto o PC quanto a FA se pronunciaram três ou quatro dias após o início da rebelião popular. Eles formaram um Conselho de Unidade Social através do qual convocaram a greve nacional nos dias 23 e 24. Mas, embora proponham uma lista de reivindicações contra a repressão, medidas sociais e até a Assembleia Constituinte, eles não propõem “Fora Piñera”, que é a reivindicação central das massas. Somente após o impacto da mobilização histórica de 25, o PC e parte dos deputados da FA levantaram a possibilidade de apelar ao mecanismo “legal” da “acusação constitucional” ao presidente via parlamento. Uma espécie de “impeachment” ou julgamento político.

Um ponto forte da mobilização é que ela não é controlada pelo aparato político reformista. Isso também impede que o governo tenha com quem negociar para amortecer a mobilização. Mas o ponto fraco é, por enquanto, a falta de uma liderança socialista revolucionária. E que surjam organismos de base operárias e populares de onde a luta possa ser coordenada em direção à perspectiva de um governo dos trabalhadores e dos setores populares.

Com esta política estratégica, o MST, seção da UIT-QUI, intervém no processo (ver declaração de 25/10 em www.uit.ci.org). Impulsionando as assembleias de bairros e outras organizações de luta sindical e estudantil e sua coordenação. Sustentar a mobilização nas ruas e a convocação de uma greve geral para acabar com o governo Piñera, pelo julgamento e punição dos militares e civis responsáveis pelos crimes de repressão, por uma mudança substantiva no país, com um governo da classe trabalhadora e do povo que estabeleça um plano econômico de emergência a serviço do povo trabalhador, que acabe a miséria e as privatizações e convoque  uma Assembleia Constituinte Livre e Soberana que dê um fim com a constituição de Pinochet. Para avançar neste caminho, a mobilização deve continuar até que Piñera caia.

Ele viajou para o Chile e participou da mobilização de 25/10

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *