DECLARAÇÃO | Viva a rebelião dos trabalhadores e dos povos indígenas do Equador e Chile!

Os abaixo-assinados, líderes indígenas, trabalhadores, estudantes e  popular da América Latina.

1) As rebeliões populares do Equador e do Chile, com toda a sua força e heroísmo, estão dando um grande exemplo aos trabalhadores e povos indígenas da América Latina e do mundo, de como enfrentar os planos de saques e ajustes de Trump, de multinacionais e o FMI. É um exemplo a mais de que é necessário enfrentar os governos que, apesar de seus discursos, servem aos capitalistas e aplicam suas políticas.

2) No Equador, no Chile e na maioria dos países da América Latina, estão sendo feitas tentativas de criminalizar os protestos sociais. No caso do Equador, os líderes são acusados de “rebelião” por liderar o justo protesto de seu povo.

3) Fora o FMI e os planos de ajuste contra os trabalhadores e povos indígenas que nos condenam à fome e à destruição social. Não ao pagamento da dívida externa usurária e fraudulenta, que beneficia apenas uma pequena minoria de banqueiros e oligarcas e agora querem que o povo pague.

4) CONAIE, a grande organização indígena do Equador, juntamente com outros povos indígenas, afro-equatorianos, trabalhadores, estudantes, sindicatos de agricultores, grupos de cidadãos, setores sociais, povos montubios, no total de 182 organizações, formaram o Parlamento dos Povos , que emitiu uma proposta de plano econômico. Um passo importante e um grande exemplo de que os explorados podem construir agendas comuns de soberania popular e, assim, expulsar multinacionais, o FMI e seus governos fantoches.

5) Fora as empresas multinacionais de petróleo, mineração e empresas agroindustriais, que com seus planos extrativos de maximizar seus lucros destroem nossas florestas, água e áreas agrícolas.

6) Realizaremos campanhas comuns de divulgação entre estudantes, indígenas, trabalhadores, movimentos de mulheres, da luta exemplar de trabalhadores e indígenas do Equador e Chile.

7) Também campanhas de solidariedade e contra a criminalização de líderes indígenas e populares em cada país.

  • Equador: Yaku Pérez Guartambel, prefeito de Azuay, líder indígena, ex-presidente Ecurunari, membro da CONAIE; Guido Grijalva O. Diretor Coletivo Nacional Montecristi; Cristian Chávez, Presidente Feue Uce Federação de Estudantes Universitários do Equador Subsidiária Quito
  • Peru: Enrique Fernández Chacón, ex-deputado constituinte, líder da Unios e Frente Amplio
  • Argentina: Deputado Juan Carlos Giordano (Esquerda Socialista – FIT-U), ferroviária e deputada Mónica Schlotthauer (Esquerda Socialista – FIT-U), Rubén “Pollo” Sobrero, Secretário Geral da União Ferroviária Seccional do Oeste de Buenos Aires; Nicolás Nuñez, ex-líder da Federação Universitária Argentina, líder da Juventude Socialista de Esquerda.
  • Chile: Rainier Ríos Puebla, líder do Movimento Socialista dos Trabalhadores.
  • Brasil: Babá João Batista Oliveira de Araújo, vereador do Rio de Janeiro pela CST / PSOL.
  • Venezuela: José Bodas, Secretário Geral da Federação Unitária de Petroleiros da Venezuela (FUTPV).
  • Bolívia: Gualberto Arenas, Secretário Geral CSUTCB Genaro Flores (Confederação Sindical Única dos Trabalhadores Camponeses da Bolívia); Cristobal Huanca, Conselho de Ayilus Jiliri Apu Mallku e Markas del Qollasuyo – CONAMAQ Orgânico; Jerónimo Hollman, estudante delegado ao CEUB pela UMSS (Universidade Municipal San Simón, Cochabamba).
  • México: Jesús Torres Nuño, presidente da Cooperativa de Trabalhadores Democráticos do Ocidente (TRADOC).
  • Panamá: Priscila Vázquez, Presidente da Associação dos Trabalhadores do Fundo Social de Saúde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *