Haiti: A rebelião não para!

Por Babyson pierre

O governo repressivo e corrupto de Jovenel Moïse conta apenas com as forças repressivas e com o apoio do imperialismo através do Core Group, um diretório que inclui os governos dos EUA, Canadá, França, Estado espanhol, Alemanha, Brasil e representantes da UE , a ONU e a OEA. Mas sua barreira repressiva está desmoronando.

A rebelião social contra o ajuste do FMI ao custo dos combustíveis em julho do ano passado foi o início do processo revolucionário, e foi precisamente no contexto de uma greve da polícia. Desde o início dos protestos, a Polícia Nacional do Haiti (PNH) matou mais de 40 manifestantes, e o povo respondeu queimando delegacias e se defendendo da repressão. O confronto já gerou uma grave crise no aparato repressivo. Como parte da nova onda de rebelião que começou em setembro deste ano, em 27 de outubro, centenas de membros da PNH se mobilizaram em Porto Príncipe exigindo melhores condições de trabalho e direito de organização em um sindicato, com palavras de ordem como “Não somos escravos ”e“ A marcha não é para derrubar o governo, nem favorecer a oposição ”. O lançamento do sindicato, marcado para 4 de novembro, foi suspenso, mas obviamente o descontentamento é muito grande e a mudança na correlação de forças com a mobilização maciça na última semana de outubro fez com que a polícia não tomasse medidas contra as barricadas, como informa EFE.

É essencial que o movimento popular force as tropas a criar um sindicato sem esperar pelo reconhecimento oficial e a se unir à luta contra o governo, declarar uma greve permanente e parar de reprimir, obedecendo apenas as pessoas mobilizadas e suas organizações. Somente com o triunfo da rebelião e a saída de Jovenel Moïse é possível conquistar melhores condições de trabalho para todos os assalariados.

Entramos na nona semana seguida de mobilizações em Porto Príncipe e em outros locais do Departamento Oeste, como Petit-Goave, Tabarre, Pèlerin (perto da residência particular do presidente). A economia sofre paralisia quase total e a crise humanitária se agrava. Os movimentos populares se mobilizam para derrubar um sistema corrupto, de enormes desigualdades sociais, contra a tutela imperialista, o que mais anseia a vontade popular é o respeito por sua determinação em decidir o futuro do país.

As palavras de ordem mais populares são #LagePyew (Fora daqui) e #TabulaRasa, ou seja, o requisito para que todos se vão. Os movimentos juvenis como # NouPapDómi ou #NouPapKonplis surgiram na luta contra a corrupção de Petrocaribe, que permanece na base das atuais mobilizações. Se tem popularizado o prazo para a renúncia do presidente antes de 18 de novembro, de modo que as lutas continuarão com grande intensidade.

Fora Grupo Core e abaixo Jovenel! Prisão para os ladrões do dinheiro da Petrocaribe e que se repatrie o dinheiro roubado para investir em saúde, educação e salários! Que sejam os movimentos populares e operários que tomem o poder e reconstruam o Haiti!

Tradução : José Mario Makaiba

Fonte: http://www.uit-ci.org/index.php/noticias-y-documentos/71-america-latina/2399-2019-11-06-18-28-36

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *