CHILE | Entrevista com a Deputada Federal Mônica Schlotthauer que esteve no Chile!

Nossa companheira deputada federal  da Argentina Monica Schlotthauer, juntamente com a parlamentar eleita de Buenos Aires Mercedes De Mendietta, visitou o Chile para mostrar solidariedade à luta do povo transandino. Conversamos com Monica sobre suas impressões e debates políticos abertos*

– Conte-nos as suas impressões de ver ao vivo tudo o que está acontecendo …

O que mais impressiona é que as marchas em massa não param. Elas estão nas ruas há mais de duas semanas, enfrentando a repressão, porque a guerra de Piñera continua, com “P de Pinochet” como eles chamam. Assim que chegamos e enquanto nos transportavamos do aeroporto para Santiago, um companheira ia identificando os grupos de jovens que peregrinavam no meio do trânsito até os confrontos, alguns dos bairros, outros que deixaram o trabalho. E em algumas horas, assim que terminamos de atender à mídia que nos chamou  impactada pelo projeto que apresentei no Congresso para que a Argentina rompa relações com o governo Piñera, fomos para a concentração.

Fora Piñera! Essa é a reivindicação que une aqueles que estão nas ruas, mas também ouvidos em casa ou nos locais de trabalho. Impressiona a potência e a coragem, a indignação e a alegria dos manifestantes. Eles cantam “O Chile acordou”, veem os torcedores de clubes rivais cantando “aquele que não pula é um paco (policial)”. Em cada corrida, eles se encorajam cantando “as balas que você atira contra nós voltarão” e as jogam de volta. A paisagem humana é de pura bandeira chilena e mapuche, lenços pelo direito ao aborto e muitos cartazes “feitos em casa”. Impressiona que as massas reclamam pelas mesmas coisas que reivindicamos em nosso país: saúde, educação, aposentadorias ou contra a fome. “Este sistema não adianta mais”, eles repetem também. Fiquei impressionada com um cartaz que dizia: “Eu vim por você, mãe,  nos chamaram naquela vez quando estávamos velando você” com uma foto. “São meus últimos seis meses de vida e a primeira vez sem a quimioterapia”, disse outro. Existem muitas queixas por falta de atenção ou medicamentos contra o câncer. Isso me fez pensar: acaso não crescem também na Argentina as denúncias de abandono de pessoas com esse tratamento? É que “a receita mundial” para a saúde da população foi cortada, segregando os necessitados. No Chile, os trabalhadores já estão morrendo na porta dos hospitais. Fico pensando: caminhamos para isso, se não apoiarmos os profissionais que lutam em nosso país em defesa da saúde pública. Hoje no Chile, se você não conseguir um empréstimo bancário, não há como se curar.

Também observei muitos jovens com cartazes que diziam “remissão do CAE”. São as dívidas de cada aluno com bancos privados, porque não há educação pública gratuita. Assim, os jovens carregam uma mochila que hipoteca o futuro ou, como acontece com muitos, acabam abandonando. “Desprivatizar”, li também em muitos faixas: é o equivalente ao que chamaríamos de “reestatização”. Esta é a solução que eles reivindicam para ter acesso ao que não deveria ser uma mercadoria, mas um direito.

Continuei lendo os cartazes: “não mais AFP”. Refere-se ao sistema de aposentadoria privada. Os bancos dividem o capital acumulado por 120 anos para calcular o pagamento mensal! Então todo mundo fica com uma miséria. Mais faixas: “não ao TPP-11”, o acordo comercial que subordina a riqueza do Chile a empresas extrativas no Japão e no Canadá, entre outras potências imperialistas, impondo tribunais estrangeiros para litígios. “Não é mega seca, é mega pilhagem”, afirmam diretamente a mineradora e outras empresas responsáveis pela poluição e pelas mudanças climáticas.

E muitos, muitíssimos que dizem: “abaixo a constituição”. Referem-se à constituição dos anos 80, a pinochetista, que está em vigor e é o que possibilita todos esses abusos e também a violação dos direitos humanos. O que concentra o modelo político e econômico que essa rebelião quer jogar fora. Constituição que, como todos sabem, ninguém mudou após o fim da ditadura. Nem os governos liderados pelo Partido Socialista da Concertación.

– Qual é o papel e o que a oposição representa?

É muito difícil reconhecer como “oposição” as organizações mais importantes que estão agrupadas no MUS (Mesa de Unidade Social). Alí está a CUT, os referentes do PC e a Frente Ampla, entre outros. Não pedem o que reivindica o povo: eles não exigem que Piñera vá embora. Nem as privatizações. Sua proposta central, por outro lado, é organizar “conselhos” para organizar uma lista nacional de demandas e levá-la ao atual presidente. Eles propõem isso em vez de articular um plano de luta para tirá-lo do governo.

O que comove é a clareza dos debates e a forma como  respondem os vizinhos nas assembleias de bairros: “dialobar é garantir a impunidade do assassino”, ouvi dizer. O principal objetivo do MUS é conter a rebelião, articulá-la com os debates no Parlamento. Um verdadeiro beco sem saída.

É por isso que um intenso debate atravessa a vida cotidiana e, em particular, as assembleias de bairros, que são as novas formas de organização que emergem e que já estão começando a se coordenar. Como aqui em 2001. As mulheres dessas assembleias também se autoconvocam para aprofundar suas demandas específicas: contra a violência política ou em repúdio às violencia da polícia. Para que possamos ver o quão longe essa realidade está das propostas do MUS, basta salientar que, em sua lista de petições, ele se recusa a reivindicar o aborto legal.

O mesmo vale para os trabalhadores. Existem setores importantes que fizeram paralizações por esses dias, como os portuários. O MUS convoca formalmente as “paralizaçõess”, mas não faz nada para garantir isso. Quando uma greve geral de fato seria fundamental para ajudar Piñera a cair.

– Como nossos companheiros do MST do Chile intervêm?

É impressionante. “Esforço cansado”, como dizem os chilenos. Comece organizando os companheiros para as marchas diárias, as garrafas de bicarbonato e os limões contra os gases da repressão. Segue com a venda do jornal, que vem “como pão quente” entre passeatas e gases. Ou pelo orgulho de chegar com nossas bandeiras do MST à linha de fogo com os pacos.

Além disso, eles fazem todo o esforço para fortalecer as assembleias locais e coordená-las, como pude ver que fizemos no bairro de Yungay. Tive a oportunidade de participar de várias dessas assembleias. Quando me virei, eles estavam trabalhando para reunir 35 porta-vozes do bairro esta semana. Nossos companheiros lutam junto com os vizinhos contra a política do MUS, que pretende neutralizar essas organizações autônomas.

Também foi emocionante apresentar a saudação de nosso partido em uma ótima palestra organizada pelos companheiros e conhecer tantos amigos e camaradas. Ali, convergiram  companheiros que durante anos enfrentaram Pinochet, com outros que surgiram em rebeliões de estudantes ou em organizações feministas. E também um novo grupo que se juntou “Queremos construir este partido para fortalecer as assembleias e a luta até tirar Piñera. Reivindicamos um plano de luta para conseguir isso. Para governar aqueles que lutam, esse é nosso objetivo. ” Essa é a chamada do MST. Para nós é muito claro. Por isso, ficamos felizes por ter contribuído com nosso grão de areia e com a responsabilidade de tornar conhecida essa tremenda luta.

 

* Publicado originalmente em www.izquierdasocialista.org.ar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *