BOLIVIA | Não ao governo reacionario de Añez-Camacho

A senadora de direita Jeanine Añez proclamou-se “presidente provisória”, com o apoio do principal referente “cívil”, o empresário ultrarreacionário Luis F. Camacho, a Igreja, os militares e a polícia. Então ela saiu, com a Bíblia na mão, para falar em uma varanda da casa do governo, cercada por um punhado de direitistas. Estamos diante de uma tentativa reacionária de sair da profunda crise política em que a Bolívia está mergulhada, como resultado do golpe cívil-militar que forçou a renúncia de Evo Morales. Chamamos a repudiar de fato esse governo e a apoiar os trabalhadores, camponeses e setores populares que continuarão a lutar por seus direitos.

Na terça-feira 12, em uma manobra fraudulenta e diante de um Senado semivazio, devido à ausência dos parlamentares do MAS, a presidente Jeanine Añez se declarou no mesmo dia em que Evo Morales chegou ao México, onde solicitou asilo. Pateticamente, ela citou o artigo 169 da Constituição boliviana para tentar dar um tom de legalidade às consequências de um golpe civil-militar, no qual o general Williams Kaliman e o Estado-Maior das Forças Armadas “sugeriram” a renúncia de Morales e seus governo. Donald Trump definiu a ação militar como um exemplo de “defesa constitucional”, justificada por Bolsonaro e Macri, recusando-se a qualificar o ato como um golpe de estado. Acompanhado pelo líder do Comitê Cívico Cruceño, o direitista e racista Luis F. Camacho, Añez disse em seu discurso que as “novas eleições” na Bolívia ocorrerão após a nomeação do novo Tribunal Eleitoral. Ele agradeceu à Polícia, às Forças Armadas e à Igreja. Com uma bíblia na mão, disse “nossa força é Deus” e cantou com seus aliados reacionários: “Sim, se pode”!

A fraude de Evo Morales resultou em um golpe civil-militar

A fraude eleitoral gerou importantes protestos populares. Tentativas de esmagá-los com grupos de choque fracassaram e agravaram a crise, aproveitada pelos grupos paramilitares “civis” da extrema direita para assumir a ofensiva. A greve da polícia e a declaração de neutralidade do Exército levaram ao colapso do governo, com a deserção de ministros, parlamentares e burocratas sindicais. Os generais concretizaram o golpe exigindo a renúncia de Morales e dando lugar à autoproclamação de Añez.

Morales deixou de se declarar vencedor da eleição presidencial e deixou o poder em menos de três semanas; superestimando sua própria força ao tentar impor uma fraude, ele estava cavando sua própria cova. Mas as razões subjacentes a seu desastre vêm de muito antes.

Em seus 14 anos de governo, Morales frustrou as expectativas dos grandes movimentos sociais que o levaram ao poder. Após a guerra da água e do gás, o primeiro presidente indígena foi eleito prometendo fazer cumprir a Agenda de outubro: acabar com a posse da terra e nacionalizar os hidrocarbonetos. Morales traiu esse programa. Apesar de ter enorme apoio popular em seus primeiros anos, e de que as mobilizações de trabalhadores e camponeses derrotaram a direito “cívica” em 2008, o governo do MAS tomou o caminho de pactuar com a burguesia e o imperialismo.

O controle estatal foi usado para garantir grandes contratos para a Repsol e outras grandes transnacionais de petróleo e gás, bem como a extensão voraz da fronteira agrícola a serviço dos grandes capitais. Para impor a construção de uma rodovia em um território indígena protegido, o TIPNIS utilizou uma repressão implacável.  Atacou os plantadores de coca de Yungas.  Cooptou a liderança da Central Obrera Boliviana. Usou uma mistura de corrupção e repressão para impor seus líderes às organizações indígenas e camponesas.

A destruição de 5,3 milhões de hectares na Chiquitanía este ano por incêndios foi consequência direta de sua fúria predatória a serviço das grandes capitais. A tentativa de conceder concessões para a exploração de lítio, no Salar de Uyuní, por várias décadas a uma empresa alemã, gerou protestos que o obrigaram a cancelá-las há apenas uma semana.

O esgotamento de seu projeto ficou claro com sua derrota no referendo de 2016, com a qual ele pretendia permitir sua indicação pelo terceiro período consecutivo. Ao perder, ele manobrou com o Tribunal Constitucional sob seu controle para declarar que a reeleição ilimitada era um “direito humano”. A Bolívia permaneceu um país capitalista com terríveis desigualdades e uma maioria empobrecida e precária.

A crescente rejeição popular de Morales foi usada pela direita reacionária

O mal-estar popular acumulado com o governo transbordou com a manobra fraudulenta nas eleições de 20 de outubro. Quando Morales não alcançou os votos para vencer no primeiro turno, as autoridades eleitorais suspenderam a contagem dos votos por vinte horas. Quando recomeçou o escrutínio, ele teve a margem necessária para evitar ir às urnas. Protestos populares começaram, muitos deles com a palavra de ordem “Ni Evo ni Mesa”. Essas genuínas mobilizações populares foram aproveitadas pela direita oligárquica, encorajado pelo desastre do governo. Esse desenlace, precipitado pela indignação com a fraude, é o resultado de anos de políticas entreguistas e repressivas, repudiadas por amplos setores de trabalhadores, camponeses e jovens. Quando Morales aceita a opinião da OEA sobre irregularidades eleitorais e apela a novas eleições com novas autoridades eleitorais, os generais estão determinados a dar o golpe para recuperar o controle do país. Em resumo, foi por causa das políticas do falso “progressismo” que a direita racista na Bolívia se reergueu.

Luta contra o governo reacionário de Añez-Camacho

Um novo capítulo se abre para a classe trabalhadora, a juventude e os setores populares da Bolívia, é o da luta contra o novo governo capitalista e pró-imperialista de Añez-Camacho e a direita oligárquica, que assume o poder em meio a uma grave crise política. Enquanto Añez promete novas eleições, os setores mais reacionários, como Camacho, vão querer impor um regime ditatorial. Mas a situação está aberta, a classe trabalhadora, a juventude, os camponeses e os setores populares não foram derrotados. Eles têm contra as direções burocráticas da COB e muitos sindicatos liderados ou influenciados pelo MAS, cuja orientação é reconciliar-se em nome da “paz”. Mas há setores que adotaram uma política independente, expressa na palavra de ordem “Nem Evo nem Mesa”. Houve pronunciamentos como, por exemplo, o dos mineiros de Potosí e San Cristóbal a esse respeito e exigindo que o COB convocasse um congresso. É nessa perspectiva independente da ARPT, seção do UIT-QI, que se dá a proposto de lutar contra “qualquer tentativa de impor um governo de direita reacionário”, propondo formar uma Assembleia Popular baseada nos “trabalhadores, camponeses e jovens mobilizados para assumir um governo provisório ” (ver declaração da ARPT). Nesta perspectiva, estão sendo propostas as tarefas de organizar e promover a luta popular e dos trabalhadores contra o governo de Añez-Camacho para derrotar seu projeto reacionário.

Por: Simon Rodríguez – UIT/QI

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *