Venezuela: Rejeitamos a aposentadoria forçada do dirigente petroleiro José Bodas

Por Corrente Classista, Unitária, Revolucionária e Autônoma (C-cura)

A companhia estatal petroleira aposentou José Bodas sem seu consentimento. No dia 1º de outubro, quando vence o contrato coletivo dos petroleiros, aplicou uma medida ilegal e violadora por instruções do governo Maduro com a intenção de ignorar seus direitos, uma vez que  não poderiam demiti-lo por conta da campanha de solidariedade nacional e internacional que foi desenvolvida em defesa de sua condição de líder sindical.

Cabe destacar que em toda essa política governamental contra os direitos de José Bodas e vários outros dirigentes da Federação petroleira federativos, participaram dirigentes sindicais do CSBT. Particularmente o dirigente Will Rangel, durante todo esse tempo não disse nada a respeito.

A PDVSA tentou demiti-lo, seu salário foi suspenso ilegalmente, não houve notificação sobre sua situação profissional, sua família é diretamente afetada por essa arbitrariedade e, portanto, comprometem todos os seus direitos (trabalho, alimentação, saúde e direitos humanos, entre outros) .

A PDVSA viola a lei trabalhista e a absoluta estabilidade garantida por lei sob conceito de jurisdição sindical, de natureza especial, uma vez que foi concedido pelo voto universal e direto dos trabalhadores petroleiro quando José Bodas eleito Secretário Geral da FUTPV em 2009, com mais de 8 mil votos.

José Bodas não é um trabalhador em condições normais de operação, possui uma licença permanente do sindicato estabelecida pela convenção coletiva petroleira, para se dedicar a defesa dos interesses dos trabalhadores da indústria, distribuídos em mais de 18 zonas petroleira em todo o país. O governo quer anular definitivamente o status de líder sindical e ignorar sua condição de diretor da FUTPV.

O governo aprofunda sua política de criminalização contra os trabalhadores e, no caso de José Bodas e várias outros federativos, o faz sob a prerrogativa de sua essência totalitária, de uso abusivo do poder, aterrorizando quem se atreve a protestar e defender seus direitos e, para isso, buscam eliminar do caminho aqueles que não são funcionais em sua política de ajuste econômico, o que implica a aplicação do memorando 2792, o fator de equilíbrio 9030, tabelas salariais da fome, salários de semiescravidão, demissões para trabalhadores de base, delegados de prevenção, gerentes de sindicatos de base e aposentadoria e suspensões forçadas

Sempre condenamos essas práticas antidemocráticas e o terrorismo político-trabalhista. Continuaremos a manter um comportamento político para enfrentar o governo antipopular e de fome de Maduro, para defender a autonomia sindical e a independência política do movimento operário.

Assim como desenvolvemos uma campanha nacional e internacional contra as pretensões do governo de demitir o companheiro, responderemos com toda a nossa força e com a solidariedade da classe trabalhadora do país e com o apoio internacional a esse novo ardiloso artifício de arbitrariedade para aposentá-lo à força sem o seu consentimento. Esta decisão não procede de forma alguma, é totalmente ilegal.

Queremos exigir pronunciamentos sem ambiguidade e contundentes da direção da federação unitária de petroleiros da Venezuela (FUTPV) sobre o seguinte: Primeiro, a violação da jurisdição sindical de José Bodas e vários outros dirigentes. Segundo, contra a política  criminosa do governo que apela aos subterfúgios para eliminar todos os líderes que não são funcionais para o desenvolvimento de sua política de ajuste econômico, forçando-os a se aposentar, suspendendo-os e demitindo-os injustificadamente.

Também queremos convocar toda a classe trabalhadora da indústria do petróleo, que estão tendo seus salários destruídos, o comissariado e o seguro Sicoprosa, entre outros benefícios, para que se juntem à defesa de todos os trabalhadores petroleiros que agora são vítimas desta política de aposentadoria forçada, de demissões e suspensões ilegais e de criminalização, aplicada nas 18 zonas petrolíferas do país.

Repudiamos os ataques do governo contra a liberdade sindical

Dada essa política reacionária do governo contra a classe trabalhadora, a coisa certa é desenvolver uma ampla política de unidade em relação à classe trabalhadora do país para responder em defesa dos interesses e direitos que o governo tem violado, negado e eliminado de forma sistemática como são,  salários e pensões iguais ao custo da cesta básica e indexada mensalmente, cumprimento de acordos coletivos, restauração do acesso à saúde e alimentação no local de trabalho, pela readmissão de trabalhadores e demitidos , suspenso e forçado a se aposentar.

Não a demissões injustificadas e aposentadoria forçada!

Chega de perseguição e criminalização de quem luta!

Respeito pela contratação coletiva!

Abaixo as tabelas salariais e o memorando 2792!

Por um salário mínimo igual à cesta básica, indexado mensalmente de acordo com a inflação!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *