Parem de matar mulheres trans! Justiça para Veronica e todas as LGBTs assassinadas no Brasil

Nesta quinta-feira (12), Santa Maria/RS amanheceu com a notícia do assassinato a facadas de Veronica Oliveira Webber, mulher trans e importante liderança LGBT da cidade. Era conhecida pela sua incansável luta pela defesa da vida de travestis e transexuais, principalmente a partir do alojamento administrado por ela (e que levava seu nome) que fornecia acolhimento para pessoas que sofriam com o preconceito e a violência, que necessitavam de segurança e apoio. Infelizmente o assassinato de pessoas trans não é nenhuma novidade. Nos últimos quatro meses 3 mulheres trans foram assassinadas em Santa Maria e tal fato já vinha chocando aqueles e aquelas comprometidos com a luta LGBT.

Na cidade, vários eventos e atividades vinham sendo impulsionados para denunciar essa grave situação e como, no futuro, mais pessoas estariam sendo atacadas por preconceito. Os eventos, inclusive, contavam com participação da Veronica e suas companheiras de luta nesses espaços. Tudo isso que ocorreu em nível local está ligado à grave situação que vive a população LGBT no país inteiro (ainda mais grave no caso de pessoas trans e travestis).

O Brasil é o país que mais mata travestis e transexuais no mundo inteiro¹. E isso se torna ainda mais grave quando vivemos um governo de extrema direita como o de Jair Bolsonaro, que é declaradamente LGBTfóbico e endossa todos esses graves casos de violência.

Exigimos justiça para todos esses casos de violência e assassinato, com ampla investigação e punição dos culpados! Também precisamos de políticas públicas para prevenir esses casos, com segurança e acolhimento para as pessoas LGBTs vítimas de violência e educação crítica para pôr fim ao preconceito! Ocupar as ruas contra Bolsonaro e a violência LGBTfóbica!


1. Brasil segue no primeiro lugar do ranking de assassinatos de transexuais https://oglobo.globo.com/sociedade/brasil-segue-no-primeiro-lugar-do-ranking-de-assassinatos-de-transexuais-23234780

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *