O que acontece se deixarmos de pagar a dívida? — Campanha A vida acima da dívida

Escreve José Castillo, militante do Izquierda Socialista, seção argentina da Unidade Internacional de Trabalhadoras e Trabalhadores – Quarta Internacional (UIT-QI)

Enquanto crescem as vozes que propõem que a Argentina suspenda o pagamento da dívida, o governo de Fernández segue adiante com sua proposta de “renegociação”. Bilhões de dólares que deveriam atender a crise da pandemia vão terminar nas mãos dos credores parasitas.


Todos os dias escutamos declarações explicando que é impossível que os países, em particular os dependentes e semicoloniais, consigam cumprir com o pagamento da dívida externa. Isso é dito por centros de estudo internacionais. Escutamos isso do próprio papa Francisco no domingo passado, na celebração da Páscoa. O FMI realizou uma declaração “para a tribuna” dizendo que se deveria “perdoar” a dívida dos países mais pobres, porém sem deixar claro a quais se refere concretamente, nem como ou quando isso se implementaria. Sobre a dívida externa argentina, até Eduardo Duhalde, que em outras épocas foi um grande defensor de “pagar todas as dívidas’’, hoje diz que Argentina não pode pagar.

A que se deve tudo isso? À soma de dois fatos da realidade. Primeiro, que a dívida externa da Argentina é uma bola de neve absolutamente impagável e, pior ainda, que a concentração de vencimentos de curto prazo (150 bilhões de dólares em três anos) torna absolutamente inviável o pagamento. E segundo, que o coronavírus desencadeou uma crise econômica global (que já estava ocorrendo antes) que está causando o colapso de todas as cadeias de pagamento, os capitalistas não estão mais pagando dívidas entre eles mesmos.

Pagar ao custo de mais ajuste, fome e miséria?

Alberto Fernández, ao iniciar seu mandato, insistiu que “ele não pagaria a dívida com a fome do povo”. Mas, imediatamente, ele colocou a renegociação dessa dívida e a continuidade dos acordos com o FMI como eixo central de sua política. Por esse motivo, os aposentados foram ajustados e 4,5 bilhões de dólares (das poucas reservas existentes) foram destinados como prioridade para atender aos credores parasitas. Em janeiro passado, o governador Kicillof pagou um vencimento de 250 milhões de dólares, na época adiando o pagamento dos professores.

Agora, com o desenvolvimento da pandemia, tudo se torna ainda mais dramático. Na semana passada, foram pagos 250 milhões de dólares (outro vencimento), valor equivalente a contratar por um ano com salário de 60.000 pesos os dois mil trabalhadores da saúde que estão faltando na província de Buenos Aires, de acordo com a denúncia do sindicato dos médicos (Cicop). Na semana que vem, outro pagamento está planejado, agora de 503 milhões. O custo de 50.000 respiradores artificiais!

E a roda continua girando. Ainda existem pagamentos “pendentes” para 2020 no valor de 3,4 bilhões de dólares com credores privados, mais 3,1 bilhões de dólares com organizações internacionais (FMI, Banco Mundial, BID) e 2,1 bilhões de dólares ao Clube de Pari. Acrescentando ainda os vencimentos das dívidas provinciais (1,65 bilhões de dólares, sendo 70% da província de Buenos Aires). E ainda precisamos adicionar na conta 800 bilhões de dívida em moeda local. Toda essa bola de neve “expira” este ano. O governo pode jogar uma parte para depois, sempre à custa de mais juros e condicionantes, mas, como vemos, as semanas passam e os vencimentos vão colocando mais dinheiro nas mãos dos especuladores parasitas, deixando menos verba para enfrentar a crise de saúde.

A única saída é deixar de pagar imediatamente

Por que, se continuar pagando nos leva mais do que nunca, à catástrofe, o governo Alberto Fernández continua com seu “roteiro” preso às negociações com os credores e o FMI? Por que você faz isso quando mais e mais pessoas estão recomendando, até mesmo setores do próprio peronismo, a suspender as negociações porque você não tem chance de chegar a um acordo viável sem se comprometer com um ajuste que cairia como uma bomba atômica no meio de a crise do coronavírus?

A resposta do governo é simples: se não cumprirmos, será muito pior. É o mesmo que dizem os economistas do establishment, defensores históricos dos interesses dos credores. Quando perguntam o motivo, eles explicam que a Argentina ficará “sem crédito” no futuro. Quando nosso problema foi justamente devido ao suposto “crédito” que os credores nos deram! O problema do nosso país não é que “falta dinheiro”, mas o contrário, que estão levando nosso dinheiro embora, com os credores parasitas e pela fuga de divisas.

Sem mencionar aqueles que dizem que, se não pagarmos “eles nos isolarão”, “eles nos invadirão” ou qualquer outro cenário apocalíptico, algo que não aconteceu mesmo quando, como resultado do Argentinazo, nosso país parou de pagar uma parte substancial de sua dívida externa .

Dizemos isso com todas as letras: o “pior” é continuar pagando. “Pior” é uma “renegociação” que nos obrigue a fazer ainda mais ajuste fiscal. Precisamos, mais do que nunca, parar de pagar a dívida e destinar todo esses recurso na compra de respiradores, montar unidades de saúde, contratar pessoal de saúde, pagar salários justos àqueles que já estão trabalhando e, ao mesmo tempo, levar aos bairros populares toneladas de comida e dinheiro para todos aqueles que ficaram sem renda diante da pandemia.


A campanha “A vida acima da dívida” defende a suspensão do pagamento das dívidas internas e externa com os banqueiros, propondo canalizar esses recursos para as áreas sociais. O sistema da dívida movimenta uma montanha de recursos, que com juros e amortizações, destinou aos banqueiros e fundos de pensão cerca de 38% do orçamento de 2019, totalizando R$ 1 trilhão de reais.

Nos somamos à campanha online da Auditoria Cidadã da Dívida, movimento social com longo histórico na batalha contra os banqueiros e o sistema financeiro, que exige a suspensão do pagamento da dívida e sua auditoria.

▄  Assine a petição bit.ly/peticao-suspensaodadivida

Você que leu toda essa mensagem e concorda com a campanha pode ajudar como?

  • Proponha essa bandeira em seu sindicato, Cipa, associação de moradores, DCE, grêmio estudantil, movimento feminista e onde mais seja possível;
  • Divulgue a campanha nos suas redes sociais, repasse informação nos grupos dos seus amigos, vizinhos e da sua família;
  • Envie sugestões e denúncias para nossa página no Facebook.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *