13 de maio de 1888 – Nada a comemorar. A luta por reparação continua

por Natália Granato
Comissão de Negros e Negras da CST

 

Em 13 de maio de 1888, era assinada pela princesa do império a Lei nº3.353, que tratava por abolir o regime escravocrata no Brasil. Contudo, a história oficial tenta reforçar o imaginário de que a princesa Isabel foi benevolente, tentando apagar as formas de organização coletiva dos ex-escravizados, como os quilombos e as diversas lutas que ocorreram no regime escravista. Os negros lutaram e impuseram a sua liberdade, lutando por inserção no mundo capitalista emergente, cidadania esta negada, causando a marginalização do povo negro no Brasil. Por isso neste dia 13 descomemoramos a ‘canetada’ de Isabel. A razão é o tratamento dispensado aos que se tornaram ex-escravos no País. “Naquele momento, faltou criar as condições para que a população negra pudesse ter um tipo de inserção mais digna na sociedade”. (SEPPIR).

Lei n°3.353, a Lei Áurea, de 13 de maio de 1888 | Acervo Fundação Biblioteca Nacional – Brasil

Após o fim da escravidão, de acordo com o sociólogo Florestan Fernandes (1920-1995), em sua obra “A integração do negro na sociedade de classes”, de 1964, as classes dominantes não contribuíram para a inserção dos ex-escravos no novo formato de trabalho. Optando por explorar outras etnias, como asiáticos, e importando mão de obra branca vinda da Europa, com o objetivo estatal de embranquecer a população brasileira. Nesse processo ocorreu o atraso do negro na nova divisão social do trabalho, onde sequer tivemos o “direito” ao trabalho remunerado. As instituições foram eximidas da segurança ou qualquer outra responsabilidade pública que garantisse a subsistência dos negros e negras, marcando assim as origens históricas da desigualdade social no país.

13 de maio de 1888, a maior Fake News da História. Segue a luta por reparação!

A luta do povo negro destruiu as amarras da escravidão e libertou 700 mil escravos que ainda existiam no Brasil de 1888, porém, como dissemos, isso não foi garantia de reparação e inserção na velha sociedade. O estado brasileiro abandonou a própria sorte aqueles que construíram este país com sangue e dor. A situação social dos negros não melhorou com a República, estabelecendo a desigualdade racial como o norte de construção da burguesia, hoje o imperialismo e a burguesia são os grandes sócios majoritários da manutenção do racismo. 

O racismo se expressa na cor da pele, mas também através da classe social que pertencemos, é o agravante  que mantém a diferença salarial de 45%, de acordo com a PNAD, dados de 2019. A própria crise da COVID-19 mostra que os primeiros a morrer são os favelados sem acesso a dignidade, abandonados à própria sorte, quebrando a quarentena, porque precisam colocar a comida na mesa. Não temos nada a comemorar!

Imagem/Arte: IG @juventudevamosaluta

Reviver Palmares na luta contra o governo genocida de Bolsonaro

Abertamente racista, Bolsonaro segue seu curso genocida e higienista, vê na crise do coronavírus a oportunidade de eliminar a classe trabalhadora, abandonando as favelas em uma politica criminosa e burocrática; atrasando o pagamento do auxílio emergencial, levando a parcela da população mais vulnerável a tentar a própria sorte nas ruas, expostas ao COVID-19 para ir em busca de sustento.

Nos matar de fome e COVID não é apenas o que tem feito, através da nomeação de Sergio Camargo para a fundação Palmares, recentemente deu declarações tentando criminalizar a cultura popular e negra, dizendo que não apoiará artistas do hip hop que “enveredam pelo caminho do crime, da apologia das drogas e da putaria, ou se deixam usar como capachos da esquerda”. 

É preciso tirar as melhores lições da história, a organização dos quilombos e a luta por liberdade foi uma das principais. Seguiremos combatendo qualquer tentativa de exaltar a princesa Isabel, mais uma vez tentando apagar o negro da história. Se ontem lutamos, hoje é preciso lutar contra um presidente autoritário, separando o joio do trigo: nosso principais aliados são aqueles que hoje, também abandonados, tentam mudar o curso genocida da história.


 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *