VENEZUELA | Petroleiros de todo o país se mobilizaram contra os salários de fome

Por C-CURA
Tradução Lucas Schlabendorff
21 de julho de 2020


Desde as primeiras horas da manhã, centenas de trabalhadoras e trabalhadores petroleiros de todo o país se concentraram nos seus respectivos locais para reivindicar que lhes restituam todos os direitos trabalhistas tirados pelo governo e pela direção da PDVSA.

No cais Libertador em Maracaibo, em Cabimas e demais áreas da costa oriental de Lago, no elevado de Puerto La Cruz, em Anaco, sul de Anzoátegui e outras regiões, os petroleiros se reuniram para dizer: basta de salários de fome! Pela discussão do acordo coletivo vencido no dia 1 de outubro de 2019. E exigindo que se estenda o incentivo de $ 150 para todos os petroleiros. Como se sabe, recentemente os trabalhadores da PDV Marina conseguiram conquistar, através da mobilização, a restituição desse incentivo para comprar comida, o que havia sido aprovado em fevereiro e a direção da PDVSA havia cortado.

Desde 2018, quando o governo aprovou no mês de agosto um pacotaço brutal contra os trabalhadores, que chamou de Programa de Recuperação, Prosperidade e Crescimento Econômico, muitos benefícios e conquistas foram liquidados. Se estabeleceu um salário mínimo nacional que deveria reger a discussão salarial nos acordos coletivos; para isso se estabeleceu o memorando 2792 que praticamente liquidou os acordos coletivos e as diversas bonificações e emolumentos conquistados pelos trabalhadores. Na PDVSA se começou a aplicar o fator de equilíbrio 9030 que causou a perda de reivindicações e estabeleceu verdadeiros salários de fome. Desapareceram as cantinas, o Sicoprosa (sistema de saúde) foi praticamente liquidado, se perdeu o fundo de pensões, submetendo os aposentados à miséria total.

No elevado de Puerto La Cruz se concentraram trabalhadores da ativa e aposentados. Nesse lugar se reuniram representantes de diferentes correntes sindicais que atuam na PDVSA. O secretário-geral da FUTPV, José Bodas, e demais integrantes da C-CURA, estiveram presentes.

Sem dúvida, a vitória dos trabalhadores da PDV Marina se converteu em um exemplo a ser seguido pela classe trabalhadora petroleira. E isso ficou evidente hoje em todos os lugares com as distintas manifestações que ocorreram.

É importante destacar que em Cabimas a Guarda Nacional reprimiu os petroleiros que se concentraram na praça do Barroso, e vários trabalhadores foram detidos.

É importante que todas as trabalhadoras e trabalhadores petroleiros deem continuidade à mobilização. Que se realizem assembleias nos locais para fazer o balanço das atividades realizadas e discutir novas ações. Que se formem comitês eleitos pelos trabalhadores que discutam um plano de luta para seguir a mobilização. O governo e a direção da PDVSA receberam a mensagem. Precisamos aprofundar a luta para conquistar que o incentivo de $ 150 seja pago para todos os trabalhadores, e que todos seus direitos sejam restituídos. Os petroleiros apontaram o caminho para todos os trabalhadores e trabalhadoras do país.

Assista o vídeo: https://www.facebook.com/watch/?v=703025940536469

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *