O MST/LIS apoiou o chavismo e seus governos

Por Diego Martínez
Tradução: Lucas Schlabendorff


Na mesa de debate em homenagem a Trotsky, convocada pela FIT-Unidade, se deram diversos debates em relação a como nós revolucionários devemos intervir na luta de classes e construir partidos revolucionários seguindo os ensinamentos do grande revolucionário russo. Com o MST, debatemos sobre Venezuela e sobre suas políticas de alianças eleitorais anteriores à FIT-U.

Uma das polêmicas girou em torno da Venezuela e a política do MST frente ao chavismo. Nossa companheira Mercedes Petit afirmou que foi um grande erro dos companheiros ter apoiado o governo de Hugo Chávez. Os dirigentes do MST, Alejandro Bodart e Sergio García, justificaram o apoio de sua corrente ao chavismo em nome da tática. Mas, se as táticas não servem para a nossa estratégia como revolucionários, então não são táticas corretas.

O MST não respeita o básico. Nós socialistas revolucionários nunca apoiamos politicamente governos burgueses. Pelo contrário, uma das nossas principais tarefas é chamar a não confiar em nenhum governo burguês. Sejam liberais ou de conciliação de classes (frente popular) como o caso do chavismo. É um princípio dos marxistas revolucionários.

E reiteramos que a divisão que o MST provocou na UIT-QI (2005) não foi, como pretendeu justificar Bodart em seu encerramento, por “brigas” de maiorias ou minorias entre dirigentes. A realidade foi demonstrando, rapidamente, que foi uma ruptura política que culminou no apoio de Bodart e seus seguidores ao governo chavista, depois a Pino Solanas ou a Luis Juez, entre outros.

García negou o apoio ao chavismo dizendo que sua corrente irmã na Venezuela, Marea Socialista, não foi parte do governo de Chávez porque não teve funcionários dentro do mesmo e que manteve sua independência organizativa. Como bem respondeu nossa companheira Petit, para além de terem feito “de dentro ou de fora”, o concreto é que apoiaram politicamente o governo burguês de Chávez-Maduro. Vejamos os fatos.

 

O MST e Marea Socialista se integraram ao chavismo

No ano de 2007 foi fundado o PSUV (Partido Socialista Unificado de Venezuela), um partido criado por Chávez com o objetivo de arregimentar o ativismo operário e popular e os setores de esquerda em torno de seu governo. Chávez tachou de “contrarrevolucionários” aqueles que não seguiram essa diretriz. Nossa organização da UIT-QI naquele momento, o Partido da Revolução Socialista (PRS), com o dirigente Orlando Chirino à frente, rechaçou essa ordem e declarou “O PSUV não é um partido dos trabalhadores e nem para aprofundar a revolução. Não tem uma fronteira política definida, pois estão entrando capitalistas e latifundiários ‘socialistas’” (Página 98 da edição em espanhol do livro Por que o chavismo fracassou?¹,  publicado pelo Cehus).

Já Marea Socialista, a corrente ligada ao MST, encabeçada pelo dirigente Gonzalo Gómez, coordenador da página Aporrea, acatou a ordem de Chávez e passou a fazer parte desse partido hegemônico do governo. Nos anos seguintes a política burguesa e antioperária do chavismo seguiu evidente. O governo entregou a principal reserva petroleira do mundo, a faixa do Orinoco, ao imperialismo, negociando com multinacionais petroleiras (entre elas várias estadunidenses) e impondo um esquema de empresas mistas. Beneficiou setores empresariais e militares que passaram a ser parte da “boliburguesia”. Se intensificou a repressão ao movimento operário. Em 2008, foram assassinados três companheiros do nosso partido irmão, dirigentes operários do estado de Aragua, pelas mãos de sicários do chavismo.

Enquanto nossos companheiros agrupados na Ccura (Corrente sindical combativa e autônoma do governo, que possui grande peso no sindicato petroleiro) lutavam contra a política antioperária do governo, Marea Socialista se integrava à CBST (Corrente Bolivariana Socialista dos Trabalhadores), ou seja, à burocracia sindical do chavismo.

 

O apoio direto ao governo

Em 2013 faleceu Hugo Chávez. Marea Socialista naquele momento, sob a pena de seu dirigente (membro do MST) Carlos Carcione, escreveu um artigo em forma de homenagem ao presidente venezuelano que terminava com o grito “Viva Chávez, Carajo” (“Murió Chavez. Viva la revolución bolivariana, Aporrea.org). Ali se afirmava: “Chávez morreu e seu povo que o pariu, canta honra e glória para o comandante da revolução bolivariana” […] “O que defendemos. Ter acompanhado o enfrentamento com o império gringo não agora, mas quando ele ainda estava muito mais forte, ter ajudado, empurrado pelo enorme movimento popular de Nuestra América, para frear o avanço do neoliberalismo. Ter colocado a palavra socialismo para circular pelo mundo novamente.”

“[…] Uma das coisas que aprendemos junto ao povo nesses longos anos de luta do processo bolivariano é que, se Chávez mandava obedecendo, não devemos nunca mais aceitar um governante que desobedeça o mandato popular”.

Já com Maduro na presidência, Marea Socialista, com o apoio do MST argentino, seguiu apoiando o governo até o ano de 2016. Nesse ano, junto com ex-ministros e outras personalidades chavistas, firmaram uma plataforma “de defesa da constituição bolivariana” na qual apoiavam a constituição burguesa. Com críticas, seguiam apoiando o governo: “Defendemos o governo do presidente Maduro, como parte das conquistas do processo revolucionário” (Plataforma de la defensa de la constitución bolivariana, Aporrea.org, 18/7/2016). Em um documento anterior se propunham a “recuperar” o PSUV. “O partido que Chávez chamou a construir para fazer a revolução” (Conferencia abierta de Marea Socialista. Primer documento para el debate. 19/7/2015, aporrea.org)

Atualmente, desde a fundação da LIS em maio de 2019, não encontramos em suas duas publicações (Revolução Permanente nº 1 e 2) crítica alguma ao chavismo.

 

A frente com Luis Juez

Outro debate girou em torno da aliança do MST com o juecismo em Córdoba. Bodart disse que “não se podem construir partidos revolucionários de fora dos processos progressivos da vanguarda”. Em função dessa afirmação, justifica táticas de construção com alianças eleitorais com figuras que ele mesmo define como “caídos do galho” de partidos burgueses, como Pino Solanas, hoje funcionário do governo, e Luis Juez, atualmente macrista. A pergunta é: que processo progressivo representava o juecismo em Córdoba? Luis Juez sempre foi um dirigente burguês oportunista, que apesar de seu discurso anticorrupção, nunca levantou um programa favorável aos trabalhadores, nem sequer timidamente reformista.

Seguiremos desenvolvendo esses debates com os companheiros do MST dentro da FIT-Unidade, da qual ambas correntes fazemos parte.

 

Nota do tradutor:

¹ O livro Por que o chavismo fracassou? Um balanço da oposição de esquerda foi publicado no Brasil pelas Edições Combate Socialista e pode ser adquirido com a militância da CST-PSOL.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *