Estados Unidos: Mudança de comando na principal potência imperialista

Simón Rodríguez, dirigente da UIT-CI

A posse, em 20 de janeiro, de Joe Biden, um veterano do Partido Democrata, marca uma mudança política em relação aos quatro anos do “imperador louco” Trump. O novo governo tentará fazer com que o transbordamento do descontentamento social volte ao seu curso, mas não encerrará o capítulo da polarização social e política exacerbada, dada a profundidade da crise. Internacionalmente, ele buscará, ao contrário de Trump, agir em conjunto com seus aliados imperialistas para manter seu domínio contra os povos.

O discurso de posse de Biden refletiu, de maneira explicita, sua orientação. Ele celebrou a “democracia” e a “grandeza” dos Estados Unidos, elogiou a “unidade” nacional como uma saída para a crise sanitária, econômica e social. Finalmente, ele chamou a “fazer dos Estados Unidos, mais uma vez, a força líder para o bem” em todo o mundo. Essa versão dos democratas do retorno à grandeza perdida, não deixa de lembrar o slogan de Trump de “tornar a América grande novamente”, embora busque fazê-lo por métodos diferentes. E é assim porque o pano de fundo das disputas entre democratas e republicanos é a crise de dominação do imperialismo norte-americano, acelerada durante o governo Trump.

O ataque insano de uma multidão de extrema-direita ao Capitólio, em 6 de janeiro, não foi apenas o corolário da derrota política e eleitoral de Trump, mas também uma indicação da crise política, que se acentua no contexto de uma enorme crise sanitária, com mais de 400 mil mortes pela pandemia da Covid19 e pela crise econômica e social que a acompanha. Mais de 10% da população sofre de insegurança alimentar e cerca de 15% vive na pobreza, uma proporção que se duplica na comunidade afro-americana devido ao racismo estrutural. Foi sob essas condições que se produziu a poderosa rebelião antirracista explodir no verão de 2020, durante a qual mais de 25 milhões de pessoas em cerca de 2.000 cidades se mobilizaram.

Tudo isso explica porque o governo Biden é forçado a fazer algumas concessões, levando em consideração a pressão do descontentamento social e a necessidade de prevenir futuros surtos sociais. Em sua primeira semana no cargo, ele assinou dezenas de ordens executivas e memorandos revertendo, às vezes de forma mais simbólica do que outras, muitas das políticas de Trump. Ele retornou ao Acordo de Paris sobre mudanças climáticas e à Organização Mundial da Saúde.  Assumiu um vago compromisso com a promoção da igualdade racial. Suspendeu o veto de entrada no país para pessoas de sete países de maioria muçulmana. Incorporou imigrantes sem documentos ao censo nacional. Eliminou a proibição de pessoas transgênero nas forças armadas. Estabeleceu algumas medidas para enfrentar a pandemia da Covid19. Interrompeu a expansão do muro na fronteira com o México. Revogou a licença para a construção do oleoduto Keystone, que atravessava terras indígenas para transportar petróleo canadense. Aumentou o salário mínimo federal para US $ 15 por hora.

O projeto de pacote de medidas de Biden para aliviar os efeitos da crise é de US $ 1,9 trilhão. Já foram implementados para esses fins gastos do Estado de US $ 2,9 trilhões entre março e dezembro de 2020. O novo plano inclui investimentos para vacinação, reabertura de escolas, ajuda alimentar, pagamentos diretos à população e subsídios às empresas. Esses investimentos seriam combinados com moratórias sobre despejos e suspensões de cobrança de dívidas educacionais. Comparações foram feitas entre essas medidas e o New Deal de Roosevelt durante a década de 1930. Na realidade, as medidas atuais são muito mais modestas, e é evidente que o plano de Roosevelt também não acabou com o desemprego e a miséria. Mas as medidas podem aumentar as expectativas em setores da classe trabalhadora norte-americana.

Dado o caráter burguês e imperialista do Partido Democrata, que é um dos pilares do bipartidarismo sob o qual governam os capitalistas estadunidenses, ele não fará mudanças substanciais. Por mais ousados ​​que possam parecer alguns dos primeiros movimentos de Biden, a negociação e a construção de consenso bipartidário prevalecerão rapidamente na política governamental. Já uma das medidas tímidas de Biden, a suspensão por três meses das deportações, foi anulada por um tribunal federal.

Construir uma alternativa à esquerda

O verdadeiro caráter do novo governo é muito mais apreciado à luz das recentes demandas sociais como saúde pública universal, subfinanciamento das forças policiais para investir em educação e assistência social, ou diante do problema da destruição ambiental e das mudanças climáticas.

Biden já governou por 8 anos como vice-presidente de Obama e em sua longa carreira legislativa, tem sido um promotor de leis que aprofundam a criminalização da pobreza e castigam, principalmente, as comunidades mais oprimidas, como negros e latinos. Durante os protestos antirracistas, ele esclareceu que é contra a redução do orçamento milionário das polícias. As intenções de aproveitar o ataque ao Capitólio para promover uma nova legislação contra o “terrorismo doméstico”, que acaba sendo utilizada para criminalizar protestos e movimentos sociais, também têm precedentes nas contribuições de Biden a legislações como o Ato Patriota aprovado após 11 de setembro de 2001.

A rivalidade com a potência capitalista chinesa vai continuar, mas buscando uma pressão concertada com o imperialismo europeu. Biden manterá firme apoio ao Estado colonial e racista de Israel. Não está claro se ele vai retomar ao acordo nuclear com o Irã, ou se voltará ao giro de Obama no relacionamento com Cuba. Em relação à Venezuela, foi reiterado o apoio ao autoproclamado governo interino de Guaidó. Não foram levantadas as criminosas sanções petroleiras, contra um país arruinado pelos saques boliburgueses que ocorrem há muito tempo.

Embora a medida contra o gasoduto Keystone tenha sido saudada com entusiasmo pelo ativismo ambientalista e pelas comunidades indígenas, que lutaram durante anos para alcançar essa conquista, Biden não pretende abandonar os subsídios ao fracking. Até mesmo a suspensão da outorga de concessões de petróleo no Ártico é apenas temporária.

Socialist Core (simpatizante da UIT-CI) levantou, após o ataque da direita ao Capitólio, uma proposta programática para a unidade do movimento antirracista, da juventude, do movimento de mulheres e do movimento dos trabalhadores, assumindo as principais reivindicações dos protestos antirracistas do ano passado e respondendo à necessidade de levantar uma importante frente de luta contra a extrema direita, e por uma agenda de reivindicações junto ao governo Biden e ao Partido Democrata.

Por outro lado, a construção de um partido de esquerda independente é um passo essencial para oferecer uma perspectiva diferente para a reciclagem eterna do “mal menor” entre os dois partidos da burguesia. A organização Socialistas Democráticos dos EUA (DSA) poderia desempenhar um papel fundamental na construção desta alternativa se romper com o Partido Democrata, pondo em prática uma decisão ratificada há muitos anos em suas conferências nacionais. É fundamental que deixe de ser a “ala esquerda” dos democratas. A questão é que os milhões que se mobilizaram heroicamente no verão passado, que fizeram centenas de greves, finalmente tenham seu próprio instrumento político, para lutar por mudanças reais, de fundo, e por um governo de assalariados, explorados e oprimidos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *