Defender nossos direitos na UFRJ

Enfrentamos uma situação difícil. O aumento dos casos de contaminação e mortes provocada pela Covid-19, situação que afeta centenas de servidores técnicos administrativos da ativa e aposentados. Além disso o trabalho remoto provoca o esgotamento físico e mental de milhares de servidores, num contexto de ameaça da aprovação da Reforma Administrativa pelo governo Bolsonaro e congresso nacional.

EM MEIO A PANDEIA E A O ISOLAMENTO SOCIAL A REITORIA DA UFRJ IMPOE O PONTO ELTRONICO AOS TECNICOS ADMINSTRATIVOS.

Nesse cenário a reitoria da UFRJ, se aproveitando da ausência dos técnicos-administrativo nos locais de trabalho, quer impor o ponto eletrônico aos técnicos-administrativos.

Em 2019 quando a reitoria tentou implantar o ponto eletrônico, a categoria em assembleia foi unanime em rejeitar a implantação do ponto eletrônico por entender que a natureza e peculiaridade do trabalho dos técnicos-administrativos não pode ser medida pelo ponto eletrônico. Além disso existem outras formas de controle de frequência mais eficientes e que pode ser adotado pela universidade, numa construção coletivo com o movimento sindical.

Não aceitar retirada de direitos!

Nas universidades em que foi adotado o ponto eletrônico os trabalhadores perderam às 30 horas, é o caso da UFF. Ou seja, o objetivo é apenas reduzir direitos. Assim a pressão e o assédio moral aumentaram, além de dificultar a luta e organização da categoria, pois a participação nas assembleias, adesão as greves e paralisações ficaram mais difíceis com a implantação do ponto eletrônico.

Repudiamos esta atitude antidemocrática da reitoria em impor o ponto eletrônico de forma autoritária, em meio a pandemia, sem diálogo com nossa categoria. O Sintufrj tem que dar continuidade a luta pelas 30 horas e organizar uma forte campanha contra o ponto eletrônico.

É necessário unificar a luta em defesa das 30 horas e contra a implantação do ponto eletrônico e exigir testagem e vacina para todos os servidores da UFRJ.

Se organize e lute!

Para contribuir com a organização desse movimento, convidamos todos os companheiros e companheiras para uma reunião do COMBATE (Corrente Sindical da CSP-CONLUTAS) na próxima quarta-feira, dia 10, às 14h, para organizar a luta contra o ponto eletrônico e em defesa das 30 horas para todos. E avaliar como construir a luta interna na UFRJ em conjunto com a luta nacional contra a reforma administrativa, as privatizações, a batalha pela vacinação massiva.

 


Para saber mais:

Republicamos uma cartilha do SINTUFF sobre as 30h para tod@s, distribuída nacionalmente na plenária da FASUBRA de junho de 2018, onde se pautou as 30h e se votou uma resolução sobre o tema. Incluímos um vídeo onde a servidora Bernada Thailania, coordenadora do SINTUFF, expõe os argumentos políticos, sindicais e legais que fundamentam a luta pelas 30h para tod@s. Na UFF, mesmo após a imposição de ponto eletrônico e reversão das 30h a luta continua.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *