Campanha Internacional | Não às patentes das vacinas para a Covid-19

A Covid-19 continua tirando a vida de milhões de pessoas, num momento em que existem vacinas que poderiam imunizar a população. O grande obstáculo para a vacinação massiva é a lógica de lucro das multinacionais farmacêuticas. Com as patentes, eles transformam vacinas em mercadorias de alto custo. Em nosso país, essa situação é ainda mais dramática em função do governo Bolsonaro e sua política genocida.

Entidades, como os Médicos Sem Fronteiras, países, como a África do Sul e a Índia, intelectuais e cineastas questionam as patentes de inúmeras formas. Nesse sentido, a UIT-QI (Unidade Internacional de Trabalhadoras e Trabalhadores – Quarta Internacional) impulsiona o abaixo assinado *Não às patentes das vacinas para a Covid-19 (https://cutt.ly/Rk2GN5r), pela quebra das patentes e produção massiva das vacinas sem submeter ao lucro das multinacionais.

No Brasil, sindicatos, parlamentares e dirigentes estão somando forças e já assinam esse abaixo assinado: a bancada federal do PSOL; parlamentares do PSOL de Belém, São Paulo, Belo Horizonte, Juiz de fora, Rio de Janeiro, Niterói e Espirito Santo; dirigentes da UP e do PSTU; o líder do PSB na Câmara Federal e a vereadora do PDT de Belo Horizonte; federações, como a FASUBRA; assembleias dos profissionais da educação do Rio de Janeiro; sindicatos, como a ADUNIRIO, SINDTIFES, SINTUFRJ, SINTUFF e SINTSEP-PA; DCE’s, como o da PUC e o da UFRJ; centrais sindicais, como a CSP-CONLUTAS RJ; movimentos pela Moradia e da juventude, como Afronte e Vamos à Luta; lideranças da ABI e FAOR (veja a lista completa aqui https://cutt.ly/jk2G2Ll).

É preciso um grande movimento que enfrente as patentes dos laboratórios e das indústrias farmacêuticas. Recentemente, o senador Paulo Paim protocolou um projeto de lei no Senado propondo suspender as patentes de remédios, imunizantes e insumos enquanto durar a emergência sanitária. Organizações e outros movimentos propõem algo semelhante.  A CST está à disposição para construir uma ampla unidade de ação contra as patentes das multinacionais.

É fundamental que as Frentes Povo Sem Medo e Brasil Popular, a CUT, CTB, a UNE, o MTST e os partidos de oposição incluam essa pauta nas próximas carreatas e calendários unitários nacionais.

Assine você também e divulgue essa campanha em seu sindicato, DCE, associação, nos grupos dos seus amigos e familiares.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *