Solidariedade de classe aos bancários de Portugal  

 

À

Administração do Banco Santander Totta

Lisboa – Portugal

 

À

Ministra do Trabalho e Solidariedade e Segurança Social

Lisboa – Portugal

 

Assunto: Despedimento de Membro da Comissão Nacional de Trabalhadores do Banco Santander Totta (Portugal) e ataque a representantes dos trabalhadores.

 

A entidade subscritora da presente declaração tomou conhecimento que o Banco Santander Totta, no quadro de uma brutal destruição de postos de trabalho efetuada nos últimos 12 meses e que já soma 1242 trabalhadores a perder o emprego, pretende agora efetuar despedimento coletivo onde inclui o membro eleito da Comissão Nacional de Trabalhadores para o mandato de 2020/2024, Jorge Alexandre Morgado Mendes e diversos outros membros da estrutura de sub – Comissões de Trabalhadores eleitas em Balcões e Serviços do Banco.

 

O ataque direto a um membro da Comissão Nacional de Trabalhadores visa fragilizar a ação da CNT no combate ao despedimento coletivo, e no apoio ao conjunto dos trabalhadores, neste momento crítico da vida do Banco e dos seus trabalhadores permanentemente a serem alvo de ameaças e assédio.

 

Assim, requeremos à Administração do Banco Santander Totta que respeite a representação nacional dos trabalhadores e retire a ameaça de despedimento a este membro da CNT.

 

Mais se requer do Ministério do Trabalho que garanta o direito democrático da representação dos trabalhadores e do exercício do mandato para o qual foram eleitos.

 

 

Já assinam:

 

Argentina: Juan Carlos Giordano, Deputado Nacional pela Frente de Izquierda y los Trabajadores (FIT-U) da Província de Buenos Aires, dirigente nacional Izquierda Socialista (IS); Mónica Schotthauer, delegada ferroviária e Deputada Nacional  da IS/FIT; Rubén “Pollo” Sobrero, Secretário Geral da União Ferroviária seção Oeste; Edgardo Reynoso, dirigente ferroviário do Corpo de Delegados da Linha TBA-Sarmiento e; Angélica Lagunas,  Secretaria Geral da ATEN Capital (Docentes), Liliana Olivero, ex-Deputada por Córdoba da Izquierda Socialista/FIT;

Bolívia: Humberto Balderrama, membro da Direção Nacional do Partido dos Trabalhadores; Eliseo Mamani, ex-executivo da Federação de Professores Rurais de La Paz;

Chile: Rainier Ríos Puebla, dirigente do MST (Movimento Socialista dos Trabalhadores e das Trabalhadoras);

Estado espanhol:  Josep Lluis del Alcázar, delegado sindical de ensino público e dirigente da Luta Internacionalista (LI); Marga Olalla, delegada sindical de trabalhadores municipais de Barcelona, Militante da LI; M. Esther del Alcázar, delegada sindical de ensino público e dirigente da LI;

Estados Unidos: Emmanuel Santos, do Socialist Core;

Panamá: Priscilla Vásquez, dirigente nacional dos trabalhadores de Seguridade Social; Virgilio Arauz, dirigente da Proposta Socialista;

Peru: Jorge Corzo, dirigente do Partido dos Trabalhadores Uníos; Enrique Fernández Chacón, ex-deputado nacional de Uníos no Peru;

México: Enrique Gómez, Francisco Retama, dirigentes do Movimento ao Socialismo (MAS);

República Dominicana: Henry Morel, jornalista e militante do MST (Movimento Socialista dos Trabalhadores);

Turquia: Sedat Durel, Secretário Geral do Sindicato dos trabalhadores revolucionários da telecomunicação e do centro de chamadas; Atakan Çiftçi, delegado do Sindicato dos trabalhadores de educação e ciência; Gorkem Duru, dirigente do IDP;

Venezuela: José Bodas, secretário geral da Federação Unitária de Trabalhadores Petroleiros da Venezuela (FUTPV); Orlando Chirino, dirigente nacional da Corrente Classista, Unitária, Revolucionária e Autônoma (C-CURA); Miguel Ángel Hernández, secretário geral do Partido Socialismo e Liberdade (PSL). Simón Rodríguez Porras (PSL);

Brasil: Babá, professor da UFRJ, fundador do PSOL e dirigente da CST.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *