Cuba: restituição do professor expulso da universidade

 

 

Em razão das marchas do dia 11 de julho em Cuba, desatou-se uma perseguição e criminalização de numerosos ativistas pertencentes a distintas organizações que participaram das jornadas de julho e que expressaram querer participar da marcha convocada para o dia 15 de novembro.

Um dos perseguidos é o engenheiro químico David Alejandro Martínez Espinosa, professor da Universidade de Ciências Médicas de Cienfuegos. Foi despedido de seu cargo por “fazer eco de notícias falsas sobre acontecimentos nacionais […] e críticas ao sistema político e seus dirigentes”, segundo argumentaram as autoridades universitárias, que, além disso, afirmaram que ele estava sendo despedido por se somar à convocatória do dia 15 de novembro.

Nesse contexto, está se impulsionando uma ampla campanha de assinaturas em Cuba, na qual participam professores, estudantes e outras personalidades cubanas, solicitando a restituição de Martínez Espinosa. Entre os assinantes se encontram Frank García Hernández, sociólogo e historiador marxista, Lisbeth Moya González, jornalista, editora do Blog Comunistas, entre outros. Nós, da UIT-QI, somamo-nos a essa campanha. Como parte da solidariedade internacional, também assinam: Organização Anticapitalistas. Blog: contraelcapital.lamula.pe; Liga Unitária Chavista Socialista (LUCHAS), Venezuela, entre outros (ver declaração de coletivos socialistas em www.uit-ci.org). Da Argentina, assinam as e os parlamentares da Izquierda Socialista (IS), integrante da FIT-Unidade: Juan Carlos Giordano e Mónica Schlotthauer, do Congresso Nacional; Mercedes de Mendieta, docente da UBA, e Pablo Almeida, da legislatura da Cidade de Buenos Aires; Liliana Olivero, legisladora da IS de Córdoba; Mercedes Trimarchi, dirigente do coletivo Isadora – Mulheres em Luta; entre outras (ver lista completa em www.uit-ci.org).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *