EDITORIAL | Vote Vera Lucia 16! Contra a fome, o arrocho, o desemprego e os cortes de verbas! | Combate Socialista n°158

Neste mês de setembro, a TV e os bilionários comemoram a falsa independência do Brasil. Os governos do RJ e SP gastam verbas para reformar palácios, exposições e monumentos imperiais. O presidente Bolsonaro patrocina a cerimônia do coração de Dom Pedro I, com desfile em Rolls-Royce presidencial. Essas cerimonias ridículas exaltam tiranos dos povos ancestrais e genocidas do povo negro africano. Nunca é demais lembrar que a nossa dívida externa teve início com a suposta independência “comprada” por Dom Pedro I, vendida por seu pai, Dom João VI, com empréstimos capitalistas dos Rothschild, desde Londres. Passamos a ser dependentes e cada vez mais explorados pelo imperialismo inglês e, depois, pelos EUA. Até hoje pagamos o pato.

Nada a comemorar

Nós, explorados e oprimidos, nada temos a comemorar com esses imperadores, que esfolaram nossos antepassados e reprimiram tudo e todos que discordaram. O governo Bolsonaro defende e ergue a bandeira da monarquia, em Brasília, porque a extrema direita gostaria que vivêssemos em uma ditadura, onde ninguém pode questionar os governantes, exigir salários e direitos. Nós protestaremos nas ruas para homenagear o Quilombo dos Palmares, as revoltas dos povos indígenas, os que lutaram por uma verdadeira independência. Seguimos também exigindo da CUT, CTB, MTST e UNE um calendário unificado contra a extrema direita e por reajuste salarial, contra o corte de verbas das universidades, por investimentos na saúde e auxílio emergencial.

Nas eleições, mais mentiras!

Outro dado do mês de setembro é o início da propaganda eleitoral. Na propaganda bolsonarista, o Brasil vai bem, a economia está “bombando” e só não trabalha quem não quer (ver as páginas centrais). Nós, que ralamos o mês inteiro, sabemos que o salário já não garante o pagamento das contas e uma alimentação digna. Pense bem, você que é operário e operária, precarizado, que ainda recebe mensagens dos grupos de zap bolsonaristas. Milhões passam fome, estão desempregados ou dormem nas ruas, desamparados após 4 anos do governo Bolsonaro. Os empresários, esses sim, podem confraternizar com o bolsonarismo, porque a retirada de direitos e os salários baixos geram novos bilionários. Os empresários defendem a política econômica de Bolsonaro para o Banco Central. Nós, que não moramos nos condomínios de luxo, precisamos dar o troco nas ruas e nas urnas, votando contra a fome, o desemprego, o arrocho e a perda de direitos

A frente ampla, aliada aos patrões exploradores, não é saída

Diante do genocídio bolsonarista, são milhões de trabalhadoras, trabalhadores, mulheres, negros e estudantes que, honestamente, pensam em votar na frente ampla de Lula e Alckmin. Compreendemos essa forma de pensar, mas discordamos. Lula/Alckmin estão realizando alianças e acordos com empresários, não se dispõem a revogar nenhuma das medidas de Bolsonaro e falam sobre a possibilidade de uma “reforma administrativa” em um próximo governo. São contra taxar os bilionários e vão continuar pagando a dívida externa e interna aos banqueiros, que consomem quase a metade do orçamento. Desse modo, não caminhamos no sentido de resolver nossos problemas. Os trabalhadores e explorados têm interesses opostos aos dos patrões. Os empresários, as multinacionais, qualquer burguês, sempre querem arrochar salários e retirar direitos. Nós, da CST, tendência radical do PSOL, estamos com Vera Lúcia 16 e com o Polo Socialista Revolucionário.

Vote Vera Lucia 16!

Queremos conversar sobre uma proposta alternativa. A companheira Vera Lúcia, mulher, negra, operária e socialista, é nossa candidata à presidência. Chamamos a dar o voto em uma esquerda independente, sem rabo preso com os patrões, que nos exploram, e com a direita corrupta. Vote pelo não pagamento da dívida aos banqueiros, para investir em salário e emprego. Vote pela taxação dos bilionários, das empresas e das multinacionais, para termos recursos para saúde e educação. Defendemos o reajuste de salário, mais empregos e a revogação das contrarreformas trabalhistas e previdenciária, do teto de gastos e da lei de responsabilidade fiscal. Propomos a reestatização das empresas privatizadas e do sistema financeiro, a legalização do aborto, plenos direitos para a população LGBTQIA+, fim da repressão policial ao povo negro. Lutamos por um governo da classe trabalhadora, sem patrões, que rompa com o capitalismo e com a exploração imperialista, rumo a um Brasil socialista. Uma opção sem nenhum burguês, é o voto no 16. Em cada estado, teremos candidaturas ao governo, senado, deputados e deputadas. Venha conversar com a gente, participe de nossas reuniões e saiba mais sobre essa proposta socialista e revolucionária.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *