15/03: Contra as reformas de Temer e a corrupção. Nenhuma anistia ao caixa-dois. Prisão dos corruptos

O Procurador Geral da República (PGR), Rodrigo Janot, enviou nesta terça-feira  (14) ao STF uma lista extensa com políticos delatados pelos funcionários da empreiteira Odebrecht. Apesar de ainda estarem sob sigilo, a mídia afirma que os pedidos de investigação atingirão em cheio o governo Temer, pegando vários ministros importantes como Moreira Franco, Padilha, do PMDB, Gilberto Kassab (PSD) e Aloysio Nunes (PSDB), além dos presidentes da Câmara e do Senado, Rodrigo Maia (DEM), Eunício Oliveira (PMDB) e os ex-presidentes Lula e Dilma (PT), hoje na oposição.  Janot também solicitou ao STF que indique a outras esferas inquéritos para governadores, que são julgados pelo STJ, e outros que não tem foro privilegiado. A primeira exigência do povo brasileiro deve ser a quebra imediata do sigilo desta lista e das delações da Odebrecht. O povo deve ter o direito de saber de tudo.

É justamente por causa dessa lista que nos últimos dias políticos do PMDB, PSDB, PT e até o ministro do STF Gilmar Mendes vieram a público defender que o caixa-dois não deveria ser considerado crime, pois não se trata de dinheiro utilizado para enriquecimento ilícito, “é somente para fazer campanha eleitoral”.

Como as investigações mostram que as negociatas entre empresas e os principais partidos do país é a forma comum de se fazer política no Congresso, na presidência, governos estaduais e prefeituras, agora eles tratam de fazer um grande acordo para evitar prisões das principais lideranças, que receberam propina das grandes empresas para dar obras e leis que beneficiassem esses ricaços, na maioria das vezes prejudicando a vida do povo brasileiro.

Esse modelo funcionou para as obras superfaturadas da Copa do Mundo que removeu famílias de suas casas, com a hidrelétrica de Belo Monte e outros, como a reforma da previdência que Lula aplicou contra os servidores federais em 2003. Agora, Temer e Meirelles dizem que faltará verbas a deputados se a reforma da previdência não for aprovada. Dão cargos para partidos fecharem posição a favor desse ataque contra o direito à aposentadoria. Isso tudo porque a patronal, os ricaços, os banqueiros, querem a aprovação dessa lei para seguir lucrando bilhões.

Por isso nesse dia 15/03, no dia nacional de paralisações, greves e protestos, devemos lutar contra as reformas da previdência e trabalhistas, contra o governo Temer e esse Congresso de corruptos e contra a anistia ao caixa-dois, pela investigação do presidente e todos os políticos dos partidos envolvidos, Padilha, Calheiros, Eunício, Serra, Aécio, Lula, Dilma, Alckmin, Pezão, todos eles. Queremos a prisão e o confisco dos bens de todos os corruptos e políticos corruptores, com expropriação e estatização das grandes empresas envolvidas em corrupção.

Por Felipe Melo (CST/PSOL)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *