Lista de Fachin revela: Uma quadrilha governa o país! Fora Temer e o Congresso corrupto!

Nota ao Diretório Nacional do PSOL e aos Diretórios Estadual e Municipal PSOL/RJ.

Ontem, a “bomba” que os corruptos de Brasília temiam, finalmente saiu. A lista do Ministro Edson Fachin, pedindo a investigação de todos os políticos que foram citados por Marcelo Odebrecht na sua delação à Operação Lava-Jato foi finalmente divulgada. Além do presidente ilegítimo Michel Temer, a lista envolve nada menos que 8 ministros de pastas chaves do governo, 12 governadores, 24 senadores, 37 deputados e todos os cinco últimos presidentes do país (Dilma, Lula, FHC, Collor e Sarney). Todos os principais partidos do país têm nomes na lista. PMDB, PSDB, PT, PP, PCdoB, entre outros.

Os que querem roubar nossas aposentadorias e direitos trabalhistas estão atolados na corrupção

Projetos de retirada de direitos históricos tramitam no Congresso Nacional. A Reforma da Previdência e Trabalhista são as principais. Além disso, já foram votadas, por esses bandidos que governam o Brasil, a PEC 55 (congelamento de investimentos nas áreas sociais por 20 anos) e a Lei das Terceirizações (que visa terceirizar absolutamente tudo).
Ampla maioria dos deputados e senadores, que estão envolvidos em corrupção, estão querendo roubar nossos direitos. As empresas que os financiam, como a Odebrecht, querem precarizar as relações de trabalho e acabar com a previdência pública para encher os seus cofres, por isso esses ladrões querem retirar tudo o que conquistamos ao longo de anos com nossas lutas.
Desde já declaramos que esse Congresso e o Presidente Temer não tem legitimidade nenhuma para votar nenhuma retirada de direitos, e exigimos que as votações que já fizeram sejam imediatamente revogadas.

O regime político está podre! 

Sem dúvidas, o regime político brasileiro da Nova República está podre. Todos os principais políticos do país são parte de algum esquema de corrupção. Acusações gravíssimas pairam sobre todos. Não é para menos. PMDB, PSDB e PT recebiam centenas de milhões da Odebrecht a cada eleição. “Coincidentemente”, a Odebrecht ganhava centenas de licitações em todo país.
O Congresso Nacional e o Palácio do Planalto confirmaram que são um covil de corruptos. A relação apodrecida das grandes empresas com os políticos brasileiros, desnudada pelas delações, mostra o grau de promiscuidade a que chegamos.
É preciso tomar as ruas para colocar abaixo estas instituições apodrecidas, construindo com a força da nossa mobilização uma saída política favorável para a classe trabalhadora e o povo pobre.

Construir pela base a Greve Geral dia 28 para derrotar as reformas e derrubar Temer e sua quadrilha!

Dia 28 está marcada a greve geral. Um dia decisivo, após as gigantescas mobilizações no mês de março, dias 8, 15 e 31, onde centenas de milhares tomaram as ruas contra Temer e suas Reformas. Em cada local de trabalho e estudo devemos discutir a necessidade de paralisar esse dia. Exigimos que as centrais sindicais construam comitês por cidade e os sindicatos realizem assembleias em todas as categorias para debatermos a construção do dia 28.
Não temos nenhuma confiança nas direções das maiores centrais sindicais. Elas demoraram demais para marcar a Greve Geral e não jogaram todo peso que podiam nos dias de luta em março. Não à toa, a corrupção atinge também os partidos que as dirigem. Paulinho da Força Sindical está na lista de Fachin. O PT, que dirige a CUT, tem dezenas de nomes na mesma lista, entre eles o próprio Lula. O PCdoB, que comanda a CTB, também tem importantes dirigentes na lista dos corruptos. Portanto, não podemos confiar nessas cúpulas. É preciso construir a luta pela base em cada local de trabalho, confiando na disposição de luta da classe trabalhadora. Temer tem que cair e junto à greve geral é necessário que se convoque uma grande plenária nacional de centrais, sindicatos e trabalhadores e trabalhadoras para definir os rumos do país.
Nesse dia de Greve Geral devemos exigir, além do arquivamento, anulação ou revogação de todas as medidas votadas por este Congresso corrupto e este governo ilegítimo. Proposta essa que deve ser incorporada nas assembleias de base das categorias.
Temer tem que ser investigado, não podemos aceitar a manobra de tirá-lo da lista, pois supostamente os crimes por ele cometidos foram quando era vice da Dilma. Querem salvar Temer para garantir o famigerado ajuste fiscal contra o povo trabalhador. O PSOL, corretamente vai entrar com uma representação pedindo a abertura de investigação do Temer.
Defendemos que não haja nenhuma seletividade nas investigações, que sejam todos investigados, doa a quem doer. Defendemos também a prisão imediata de todos os corruptos e corruptores e o confisco de seus bens. Os bilhões que foram roubados dos cofres públicos pelas quadrilhas do PMDB, PSDB, PT, PCdoB e dos partidos e empresas envolvidas em corrupção, devem ser revertidos para saúde, educação e geração de empregos.
Por fim, dois nomes de parlamentares, atualmente no PSOL, aparecem na lista de Fachin, um que foi do PT e depois do PDT e outro que na época era do PDT. Defendemos que, para preservar o partido, sejam afastados preventivamente, dando o mais amplo direito de defesa aos mesmos, até que tudo seja apurado. Para tal, defendemos uma reunião de emergência da direção partidária para que se discuta as medidas e a posição pública que o partido tem que tomar.

12 de abril de 2017.

Executivo Nacional da CST/PSOL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *