Parar o país dia 05/12! Greve geral contra a reforma da previdência! Fora Temer!

As centrais sindicais convocaram uma greve geral para o dia 05/12. O manifesto unificado afirma que as Centrais (CUT, Força Sindical, UGT, CTB,  Nova Central, CSB, Intersindical, CGTB e CSP-Conlutas) definiram realizar GREVE NACIONAL no dia 5 de dezembro,  contra a nova proposta de desmonte da Previdência Social apresentada pelo governo. As Centrais Sindicais convocam todas as entidades sindicais e movimentos sociais a realizarem ampla mobilização nas bases – assembleias, atos, debates e outras atividades – como processo de  organização de uma  Greve Nacional,  no dia 5 de dezembro, contra as propostas de reforma da Previdência Social, que acaba com o direito à aposentadoria dos trabalhadores brasileiros”.

Combater as reformas neoliberais e a corrupção de Temer e do congresso!

Diante dos ataques de Temer/Meireles, do presidente da câmara Rodrigo Maia, dos governadores e prefeitos é necessária uma resposta do conjunto da classe trabalhadora, da juventude, dos setores explorados e oprimidos. A greve geral torna-se o melhor método para isso e deve ser a tarefa prioritária do sindicalismo combativo, da juventude indignada e da esquerda socialista. É preciso transformar esse dia num grande movimento contra a reforma da previdência, pelo Fora Temer e todos os corruptos, pela revogação da reforma trabalhista, da EC 95/2016 (que congela investimentos por 20 anos) e das MPs contra os servidores. Num dia de protesto pela prisão e confisco dos bens de políticos e empresários corruptos, pela expropriação das empresas envolvidas na Lava Jato colocando-as sob controle dos trabalhadores.

Nenhuma confiança nas direções das maiores centrais

Ao mesmo tempo em que construímos a greve geral e que compartilhamos essa batalha comum, não perdemos de vista que os dirigentes das maiores centrais traíram a greve geral do dia 30 de junho. Em seguida eles boicotaram os atos unificados e nada fizeram nas votações das denúncias contra Temer na câmara. Negociam imposto sindical com Temer, como vimos nas reuniões das direções da Força, UGT e CTB com o presidente em Brasília. Ou tem como prioridade a defesa de Lula, como é o caso da direção petista da CUT. Tudo porque esses setores integram um grande acordo nacional, com o executivo, o legislativo, o STF, PMDB, PSDB e PT visando manter Temer na presidência, salvar Aécio, manter impune Lula e demais políticos corruptos. Por isso é preciso estar atento, combatendo qualquer recuo ou boicote que venha das direções majoritárias exigindo que eles concretizem o chamado que fizeram.

Construir pela base a greve geral! Todo apoio a greve da FASUBRA!

Após esse chamado é preciso agir rápido e colocar em prática essa declaração desde já em cada local de trabalho. As Centrais sindicais devem marcar assembleias de base, plenárias estaduais e reativar os fóruns e comitês unificados urgentemente. Do mesmo modo precisamos cercar de solidariedade às greves que já estão ocorrendo, como a heroica greve nacional da FASUBRA que já agrupa 39 universidades, dos educadores gaúchos, da EBC, da Saúde do RJ, dos servidores estaduais do RN, as fábricas químicas em estado de greve no Vale do Paraíba, bem como outras mobilizações a exemplo dos atos das mulheres contra a PEC 181, os atos LGBT`s e do movimento negro. No caso da FASUBRA teremos a marcha unificada dos servidores federais convocada pelo FONASEFE no próximo dia 28/11. Apoiando as greves existentes e construindo a greve geral podemos construir um programa alternativo contra o arrocho salarial, as demissões e o desemprego, pelo não pagamento da dívida externa e interna,que consome quase metade do orçamento federal, por mais verbas para salário, emprego, saúde e educação, bem como para outras pautas dos trabalhadores e setores populares.

 

24/11/17

Corrente Socialista dos Trabalhadores – PSOL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *