Balbúrdia é o Governo Bolsonaro!

GREVE GERAL NA EDUCAÇÃO: OCUPAR AS RUAS NO DIA 15/5 CONTRA OS CORTES DE BOLSONARO/WEINTRAUB!
O Governo Bolsonaro/Mourão segue com seu projeto de ajuste contra o povo. Após o anúncio da Reforma da Previdência, o governo promoveu mais um brutal ataque, sendo a educação, em especial as Universidades, na mira do alvo! O anúncio do corte de 30% do orçamento da educação federal (R$ 2,052 bilhões) fez com que em várias Universidades estudantes, docentes e servidores se manifestassem publicamente contra os cortes, denunciando que se forem concretizados não haverá recursos para chegar até o fim do ano.
Esse corte anunciado, e já aplicado em muitas áreas, pelo Governo Bolsonaro foi à gota d’água para estudantes e trabalhadores! O anúncio dos cortes em toda a educação causou um impacto imediato no movimento estudantil, e também nos trabalhadores.
Nessa semana, foi muito importante que em dezenas de instituições tenham sido organizados atos, passeatas e assembleias grandiosas. Estudantes secundaristas, como os do Colégio Pedro II no RJ, até universitários de todo o país, como ocorreu na UFF, em que mais de 15 mil pessoas estiveram presentes em um vitorioso ato, assim como também em Curitiba, Natal, Paraíba, na Bahia, em São Paulo, e assembleias como na UFPA etc. Um processo tão intenso, que ganha força e atinge até mesmo estudantes de instituições particulares: é o caso da PUC/RJ, que vão aderir à Greve Geral no dia 15.
Diversas entidades sindicais da educação básica e superior, como A APEOESP, SEPE/RJ, SINPRO/RJ, ADUFPA, SINTEP-PA, já definiram em suas assembleias cruzar os braços e fortalecer a luta nas ruas no dia 15, o que é bastante positivo.
Por uma Plenária Nacional da Educação
PELA COORDENAÇÃO DAS ASSEMBLEIAS EM UM COMANDO NACIONAL DE MOBILIZAÇÃO
Os DCEs e CA’s têm cumprido um papel muito importante e tem sido protagonistas desse processo em diversas Universidades, organizando assembleias massivas e deliberando a favor da Greve Geral no dia 15M. A direção majoritária da UNE (UJS/PCdoB, Juventudes do PT, LPJ) não está a altura desse processo, pois não apostou no 15M. É necessário mudar de política, saindo da paralisia, e se colocar a altura da mobilização chamando o dia 15M como GREVE GERAL. Temos de exigir que a direção convoque um CONEG extraordinário para construir e organizar um Comando Nacional de Mobilização, com representantes eleitos nas bases dos cursos e assembleias. O mesmo deveria fazer a UBES com os grêmios. Mas não podemos confiar nessa direção burocrática. Se ela não tocar essa luta, cabe aos DCE’s, CAs, Executivas e Federações de Curso, a FENET e os grêmios, às comissões de mobilização e aos coletivos da Oposição de Esquerda na UNE organizarem uma comando nacional das assembleias de base.
Nós da Juventude Vamos à Luta, que estivemos em nossas universidades e escolas construindo assembleias de base, atos de ruas e batalhando para que o 15M seja uma poderosa greve da educação, defendemos também a necessidade de organizarmos uma Plenária Nacional da Educação chamada pelos DCEs, sindicatos dos professores e servidores, como a CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação), FASUBRA, ANDES/SN, SINASEFE, UNE, UBES para debater e concretizar a continuidade da luta! Pois é necessário seguir a mobilização até a Greve Geral de 14 de Junho!
É necessário construir a Greve Geral em 14 de Junho!
Desde março a classe trabalhadora, a juventude e as mulheres têm demonstrado muita disposição para enfrentar o Governo Bolsonaro! As marchas do 8 de março, e posteriormente do 14 e do dia 22 demonstraram isso. Hoje, a principal tarefa dos trabalhadores e da juventude e construir uma grande Greve Geral da educação no 15 de maio, com atos massivos, paralisando todas as Escolas, Universidades e Institutos educacionais, unificando todas as categorias de trabalhadores desde os terceirizados, servidores, professores e estudantes. Esse processo vai fortalecer a concretização da Greve Geral, de todas as categorias, de 14 de Junho, chamada pelas centrais Sindicais. Precisamos parar todo país, como fizemos em abril de 2017 para derrotar a política de cortes da educação e engavetar de vez a Reforma da Previdência.

Manifesto Juventude contra Bolsonaro!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *